Diagrama da Catedral de Canterbury

Diagrama da Catedral de Canterbury


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


The Canterbury Scene: The Sound Of The Underground

É um estilo musical que se distingue por suaves cadências inglesas caprichosas e compassadas, trocadilhos e solos alucinantes.

Mas será que Canterbury Scene de Caravan, Soft Machine e Hatfield And The North é mais do que um local de nascimento compartilhado? E ‘Canterbury’ é realmente um estado de espírito?

Engraçado, geografia. Você pode pensar que está tudo perfeitamente mapeado hoje em dia, mas vá em busca de ‘Canterbury’ e você ficará surpreso com o que você acabou de fazer. Aumentar o nível de navegação por satélite o levará de A para B sem muito incômodo, mas peça a um fã de música para definir onde Canterbury começa e termina e há uma grande chance de você acabar se confundindo ou perdido. Ou ambos. As fronteiras da cena Canterbury podem ser frustrantemente porosas e sujeitas aos caprichos de gosto e opinião.

Se você quiser uma prova de quão amplo esse mapa musical pode ser desenhado, considere esta lista: Soft Machine, Caravan, Kevin Ayers, Bruford, Egg, Hatfield And The North, National Health, Rapid Eye Movement (basicamente nada com o tecladista Dave Stewart na escalação), Henry Cow, Khan, Soft Heap, Gong, Slapp Happy, In Cahoots, Mike Oldfield, Camel, Gilgamesh, Matching Mole, Quiet Sun e vários outros foram chamados de Canterbury Contendores de cena.

E o que dizer dos grupos fora do Reino Unido que são regularmente cooptados para essa descrição genérica? Supersister, D.F.A, Moving Gelatine Plates, Picchio Dal Pozzo, Alco Frisbass, Forgas Band Phenomena? Outros grupos que às vezes dizem conter algo do DNA de Canterbury em seu trabalho incluem Ultramarine, Sanguine Hum, MIRthkon, Schnauser, Henry Fool e ... bem, você pode ver o problema.

Aymeric Leroy, fundador do site enciclopédico Calyx e seu newsgroup de longa data What’s Rattlin ', ambos dedicados ao assunto, considera o termo como uma descrição genérica cunhada por Melody Maker jornalista Steve Lake em 1973. Leroy, que publicará Lendas na hora do almoço, o primeiro dos dois volumes que cobrem a história da cena no final deste ano, oferece esta definição do que constitui uma banda de Canterbury genérica: & ldquoPara mim, é a coabitação entre extremos um minuto bobo, próximo cerebral, o próximo pop. Por um lado, você tem ideias muito complexas e estranhas e, por outro lado, música muito acessível que costuma ser melódica e lírica. & Rdquo

Quais artistas incluídos neste subconjunto de música progressiva ele diria que realmente não pertencem? & ldquoOcasionalmente, Henry Cow chegou ao território de Canterbury, claramente influenciado pela Soft Machine quando eles começaram, e em [1973] Lenda ainda está lá. Fred Frith [guitarrista de Henry Cow] foi influenciado pelo estilo de tocar de [Hatfield And The North] Phil Miller na época, mas eles cresceram em seu próprio estilo. Então há Camel. Eu gosto deles, mas além da participação de Richard Sinclair no grupo por um tempo, não há nada de Canterbury sobre eles. Eles são realmente uma banda de rock progressivo sinfônico. & Rdquo

Dave Stewart, cujos teclados e composições agraciaram os álbuns de muitas das roupas mencionadas neste artigo, não tem confusão sobre quem ou o que é e o que não é Canterbury: & ldquo; Havia uma realidade simples para isso na época, que era no final Anos 60, algumas bandas excepcionais emergiram de Canterbury & ndash Soft Machine and Caravan. & Rdquo

O guitarrista do Caravan, Pye Hastings, mudou-se de Tomintoul nas montanhas Grampian para Canterbury aos nove anos de idade. Quando adolescente, ele se juntou ao The Wilde Flowers, um combo de R & ampB que começou em 1964, fruto da imaginação dos irmãos Hugh e Brian Hopper, e cuja formação em vários pontos incluía Robert Wyatt, Kevin Ayers, Richard Coughlan e Richard e Dave Sinclair.

& ldquoCanterbury na década de 60 era uma cidade do interior muito semelhante ao molde de ‘Conservative / Cathedral City’, & rdquo lembra Hastings. & ldquoA maioria das vezes éramos tolerados pela geração mais velha, mas alguns velhos idiotas eram contra qualquer mudança no status quo e sairiam de seu caminho para informá-lo. Hugh Hopper foi impedido de entrar em um pub local de maneira memorável apenas pela aparência. Foi publicado no jornal local e, claro, todos nós pensamos nele como um herói por isso. & Rdquo

Com sua jornada do pop psicodélico ao experimentalismo jazzístico, incorporado na década de 1970 Terceiro álbum, Soft Machine pode ser considerado o chefe do Canterbury Scene. Se for assim, então há um forte argumento a ser feito de que Caravan é o coração da cena. “Gosto disso”, diz Hastings. & ldquoAté hoje, estou tentando escrever aquela coisa mais elusiva, a mais simples das melodias que se conectará com o maior número de pessoas. Isso só vem do coração, então se eu conseguir, então terei sucesso. Eu diria que Nine Feet Underground de 1971 Na terra do cinza e rosa, escrita por Dave Sinclair, provavelmente seria a única faixa que seria escolhida pelos fãs como tendo todos os ingredientes representativos do que é chamado de Canterbury Sound. Seis seções diferentes unidas para fazer uma peça que realmente demonstra que grande escritor e um impressionante e único tocador de órgão Hammond que ele é. & Rdquo

Em outro lugar, a faixa-título do álbum contém um excelente exemplo da qualidade agridoce frequente do gênero. Além das letras lúdicas, contém um solo de piano suavemente descendente, como sinos de catedral ouvidos à distância. O solo de órgão que se segue é um eco iluminado pelo sol, repleto de otimismo vertiginoso. Esse ar de expectativa feliz foi algo que a futura vocalista Barbara Gaskin encontrou, junto com os próprios Caravan, quando chegou à Universidade de Canterbury em 1969.

"Vivíamos em uma casa comunitária na rua St. Radigunds, que era um verdadeiro centro de atividades criativas", diz ela agora. & ldquoMinha experiência da cidade foi pela universidade que ficava no alto de uma colina, uma universidade moderna, de onde se olhava para baixo de alguns colégios e se via a catedral no vale. Muito lindo. O Caravan estava se apresentando e nós nos apresentamos a eles. Eles eram a banda naquela época. Eles estavam em Top Of The Pops o que significava que, para nós, eles conseguiram! Quando cheguei lá, conheci Steve Hillage imediatamente. Ele esteve em Uriel e me apresentou a Dave Stewart, que morava em Londres, mas costumava me visitar. & Rdquo

Gaskin não perdeu tempo se conectando à cena musical da faculdade e se juntou ao grupo de folk psicológico Spirogyra. No final de seu primeiro ano, ela tirou um ano sabático para se concentrar em estar na banda em tempo integral. Aparecendo em todos os três álbuns do Spyrogyra, incluindo sua estreia em 1971 São Radigundos e o clássico cult de 1973 Sinos, botas e confusão, Gaskin também se apresentou na estreia de Hatfield And The North e fez alguns shows com eles como um membro dos vocalistas de apoio The Northettes.

Apesar de sua óbvia conexão geográfica, Gaskin exclui Spirogyra como pertencente à cena de Canterbury. & ldquoCaravan e Spirogyra eram muito diferente musicalmente. Naquela época não existia a cena genérica de Canterbury & ndash havia apenas bandas em Canterbury. & Rdquo

Steve Hillage, cujas credenciais de Canterbury incluem Uriel's Arzachel, Khan's Space Shanty e sua estreia solo Fish Rising, esteve em Canterbury de 1969 a 1971. & ldquoHavia uma cena e um estilo definidos então, então eu diria que o conceito de 'Cena de Canterbury' é anterior a 1973 & rdquo, ele afirma. & ldquoExistia uma rede de músicos que se conheciam e freqüentemente tocavam uns com os outros & ndash isso é um fato histórico. Gong ainda é um fenômeno internacional único, mas é um fato histórico que estivemos fortemente ligados a Canterbury, em particular por Daevid Allen ser um membro fundador da Soft Machine. Kevin Ayers tocou com Gong por um período e teve ligações estreitas com a banda. Pip Pyle foi um dos lendários bateristas de Gong. Tive ligações com Pip e com Kevin antes de entrar na Gong. Robert Wyatt tocou no Daevid's Lua de banana álbum, e há uma certa peculiaridade e capricho em algumas das canções de Gong que você poderia dizer que está muito conectado ao estilo de Canterbury. Na verdade, você poderia dizer que Gong eram os ‘meninos maus’ da cena de Canterbury.

& ldquoCertamente, os rótulos podem ser um problema. embora, ”ele continua,“ porque, como criadores de música, todos nós temos nossas próprias personalidades criativas, e preferimos ser apreciados pelo que fazemos como indivíduos em vez de como parte de uma "cena". Mas o chamado Canterbury Scene definitivamente tinha um estilo musical maravilhoso e único e estou feliz por estar associado a ele. & Rdquo

Se uma banda pode ser considerada feita sob medida para a descrição de Aymeric Leroy de & ldquoone minute goofy, next cerebral, the next pop & rdquo, seria Egg, que trabalhou de 1968 até 1972.

& ldquoNós queríamos ser muito originais para o nosso próprio bem & rdquo, observa Mont Campbell, vocalista, baixista e principal compositor de Egg, e mais tarde membro do National Health. Constantemente aventureiro, Egg movia-se fluentemente desde os extremos das peças de formato longo desordenadamente complexas em The Polite Force (1971) a músicas pop sediciosas e espirituosas, como o single de 1969, Seven Is A Jolly Good Time.

& ldquoEu não poderia ter sido populista para salvar minha vida, ainda não posso & rdquo afirma Campbell. & ldquoComo ainda estou vivo é um mistério! Como compositor, fiquei entusiasmado com a complexidade musical e imaginei com carinho que outros também ficariam. Sete é uma boa hora é zombeteiro e uma tentativa de ser brincalhão, mas não populista o suficiente para um único. O lado B, Vocês são todos príncipes, é uma das melhores músicas que já escrevi e a improvisação do cravo é uma das peças de trabalho mais impressionantes de Dave Stewart. Seu gênio improvisado foi a verdadeira joia da banda e é o que resistiu ao teste do tempo.

“Passei os últimos 40 anos me sentindo muito envergonhado com meus dias de rock progressivo”, ele admite. & ldquoMas estou começando a perceber que isso não se justifica. A música não era popular, mas não importa. Algumas delas eram muito boas. Como você define boa música? Acho que você só pode responder a essa pergunta com o teste do tempo. As pessoas ainda estão descobrindo e valorizando isso 40 anos depois? Se estiverem, então valeu a pena. & Rdquo

O guitarrista Phil Miller tocou com Delivery, Matching Mole, National Health e In Cahoots. No entanto, é seu mandato com Hatfield And The North que é lembrado com mais carinho. Seus únicos álbuns de estúdio, a estreia homônima de 1974 e os anos 75 The Rotters ’Club, são rotineiramente apontados como pontos altos do gênero Canterbury Sound, assim como a sensação de que todo o potencial criativo do grupo nunca foi totalmente realizado.

“Acho que provavelmente alcançamos algo em torno de 100.000 vendas de ambos os álbuns, o que é um número incrível”, diz Miller. & ldquoA banda era bem conceituada e poderia ter se tornado bastante popular, mas não durou o suficiente para isso. As bandas têm um comprimento finito, um certo número de horas juntas antes de chegarem aos peitos uns dos outros.

& ldquoVocê sabe o que é música & rdquo acrescenta. & ldquoEle revela o melhor e o pior nas pessoas. Estávamos apenas começando a ganhar um dinheiro decente e as folhas de show pareciam boas para o ano que vem, e se Richard Branson ou alguém da Virgin tivesse aparecido e nos dito para nos recompormos, isso poderia ter feito a diferença. Mas isso não poderia ser feito. Minha lembrança permanente daquele período era boa, no entanto. & Rdquo

É enfadonho ver sua banda atual, In Cahoots, categorizada ao lado de algo que ele fez há quase 40 anos? & ldquoÉ obviamente uma construção que as pessoas gostam de usar para nos agrupar. É um pouco artificial, embora eu mesmo use, só porque ajuda algumas pessoas a entenderem aproximadamente em que área a música está. & Rdquo

Enquanto tudo isso é história, o que dizer das bandas que vivem na cidade hoje? Eles veem algum link para o passado musical de Canterbury? Syd Arthur, cujo álbum de 2014 Espelho de som As sensibilidades da música psicodélica e progressiva fundidas artisticamente, não estão apenas cientes do senso de linhagem, mas ganharam o endosso de alguns músicos de Canterbury da geração mais velha.

& ldquoNosso violinista Raven Bush conheceu Hugh Hopper, e passamos um tempo com seu irmão, Brian, que também costumava estar no The Wilde Flowers & rdquo explica o baixista de Syd Arthur, Joel Magill. & ldquoAqueles caras estão entusiasmados com o que estamos fazendo. Brian diz que musicalmente podemos ser diferentes, mas como um ethos e uma vibe, estamos fazendo o que eles faziam naquela época, que era tentar trazer novos sons e influências. & Rdquo

Essas influências costumam aparecer nos lugares mais improváveis. Os telespectadores e juízes do programa de talentos da BBC TV A voz foram recentemente impressionados pela empolgante capa da dupla Billy Bottle e Martine do hit dance de 1990 de Snap O poder. No entanto, os milhares que posteriormente seguiram o par no Twitter podem ter mais dificuldade em lidar com Feixe Não Gravado, O notável ciclo de músicas de 2013 de Billy Bottle And The Multiple que inteligentemente refrata rock, folk e jazz através do prisma do pastoralismo de Canterbury.

Bottle cresceu ouvindo Kevin Ayers e concluiu uma dissertação na Surrey University em 2002, intitulada "Part Of The Dance & ndash The Impetus Behind the So-Called Canterbury Scene".

“Meu palestrante era um grande fã do Caravan”, ele explica. & ldquoEu fiz um recital e foi aí que The Multiple começou. & rdquo Bottle também fez turnês e gravou com o ex-tecladista do Caravan, Dave Sinclair. & ldquo Conheci Dave por meio de um amigo em comum enquanto fazia minha dissertação e trabalhei com ele em [2011] Stream álbum, no Japão cantando em alguns números, tocando baixo, guitarra, ajudando com arranjos e fazendo alguma co-produção. & rdquo

Dave Sinclair, que vive no Japão desde 2005, diz que o espírito de Canterbury pode ser encontrado nos lugares mais improváveis. & ldquoPor exemplo, a conhecida banda japonesa Clammbon gravou recentemente uma versão do tipo dub reggae de [Matching Mole’s] Ó caroline em seu último álbum, que resultou em mim e [ocasional tocador de sopro do Caravan] Jimmy Hastings colaborando com eles no clube Billboard Live em Tóquio em maio deste ano. & rdquo

Em seu álbum de 2013, As pequenas coisas, Sinclair apresenta uma homenagem à sua cidade natal em uma canção chamada Canterbury. Com vocais de Billy Bottle, é uma melodia bela e imponente saturada com uma sensação de tempos e amigos que já se foram. Sinclair encontrou inspiração enquanto estava sentado no topo da colina de St. Thomas, olhando para a névoa que envolvia a catedral no vale abaixo.

“Por alguns minutos eu me perguntei como seria a cidade centenas de anos antes, digamos na época de Chaucer ou Marlowe, e sobre a vida das pessoas que viveram lá”, diz ele. & ldquoSo Eu coloquei tudo na minha música. Por ser minha cidade natal, é ainda mais comovente agora que moro tão longe. & Rdquo

A distância estilística entre aqueles agrupados sob a bandeira de Canterbury é claramente uma bênção para alguns e uma maldição para outros. Para Dave Stewart e Barbara Gaskin, que lançaram uma série de álbuns cuja música eles descrevem como "pop inteligente", sem mencionar que alcançaram o primeiro hit single em 1981 com É a minha festa, essa conexão constante não é útil.

“Deixei o National Health em 1979 e foi o fim de tudo para mim”, diz Stewart. & ldquoFim da história. Novos mundos se abriram e eu progredi de onde estava para onde estou agora.

& ldquoÉ por isso que não podemos tocar em um festival de progressão, porque eles dirão: 'Na conta, Dave Stewart, ex-Egg'. Então as pessoas dirão: ‘Isso não é a porra do Egg! Quero meu dinheiro de volta! 'É por isso que não é útil para mim ter que continuar lidando com esse rótulo. Não quero fingir que minha herança musical não existe, mas chega um ponto em que se torna contraproducente. & Rdquo

Há uma cena no filme Ajuda! em que os Beatles param em uma rua, saem de seu Rolls Royce e invadem as portas da frente do que, visto de fora, parecem quatro casas geminadas separadas, mas são, na verdade, reveladas como um grande plano aberto impossivelmente legal casa. O uso continuado do rótulo até certo ponto promove aquele senso de conexão, real ou imaginário, no qual os ex-alunos de Canterbury são encurralados de forma semelhante & ndash bebendo chá em comunidade e tocando riffs no 15 & frasl8. & ldquoÉ isso mesmo! & rdquo ri Stewart & ldquoÉ como se vivêssemos todos na Rua Canterbury, número 14 & rdquo. & rdquo


Mistérios Médicos

De mapas estelares e pedras preciosas a curas de ervas para hálito fedorento, o Picture This deste mês explora um livro científico e médico cujo título traduzido é o Mistério dos selos (Elham 1256). Enquanto ervas tradicionais (como John Gerard’s O herball: ou história geral das plantas ou de William Turner Uma nova herball) eram populares pelo conhecimento botânico que catalogaram, este texto enfoca as relações entre animal, vegetal e mineral. Originalmente publicado na Alemanha em 1651 por Israel Hibner, um professor de matemática em Erfurt, Alemanha, o livro foi traduzido para o inglês em 1698 por um ‘Mister B. Clayton’. É esta tradução em inglês que fez o seu caminho para a biblioteca da Catedral de Canterbury.

De acordo com a editora, W. Downing, este livro de bolso foi criado para lembrar os leitores de ‘Vertues [sic] e influências 'das estrelas, e' como prontamente aplicá-las às necessidades da humanidade '. O texto de quase 200 páginas inclui um índice de plantas, de ervas e vegetais a flores e árvores, e uma lista de pedras e metais preciosos que devem ser combinados para ajudar a curar várias doenças.

O detalhe dos dois diagramas impressos acima é apenas um exemplo dos remédios descritos neste livro. Os diagramas representam os dois lados do sigilo (um selo inscrito ou pintado) de Mercúrio, o planeta que rege o mês de junho em calendários astrológicos e mapas de estrelas, e inclui a grade matemática e caracteres específicos (em hebraico e inglês) que os usuários são instruídos a incluir em seus próprios sigilos caseiros. Abaixo dessas imagens está uma "receita" completa que diz aos leitores como fazer este sigilo, usando materiais como couro, vinagre destilado e "uma tigela de madeira limpa".

O sigilo deve ser carimbado antes de ser usado, mas o tradutor, Sr. Clayton, é claro que isso só pode acontecer em momentos muito específicos. No início do livro, calendários são fornecidos para que os leitores possam garantir que seus sigilos, pedras e remédios serão eficazes. Em junho de 1698, por exemplo, os sigilos com o selo de Mercúrio só poderiam ser concluídos nos dias 20 e 22 do mês, às '11 e 7 minutos da manhã' e '59 e 10 da manhã ', quando o planeta estava em ascensão. Uma vez que o sigilo foi carimbado, somos informados que ele pode ser carregado em uma 'bolsa de seda roxa, pendurado no pescoço' e usado para preservar e curar todas as doenças influenciadas por Mercúrio.

Como você sabe se está sofrendo de uma doença governada por Mercúrio? o Mistério dos selos também apresenta uma lista útil de doenças a partir das quais você pode diagnosticar a si mesmo. As doenças de Mercúrio variam de leves a graves - de letargia a perda de memória e outras doenças cerebrais. Às vezes, vários planetas podem influenciar conjuntamente o corpo quando Marte e Vênus convergem (os planetas regentes para abril e maio, respectivamente), eles podem causar bolhas, verrugas e hálito fedorento!

Aqueles que sofrem dessas condições são aconselhados a não se preocuparem, já que "não há meio mais rápido de curar essas doenças do que as ervas, raízes e sementes" colhidas enquanto o planeta governante é visível. Cada um dos sete planetas reconhecidos no século XVII recebe uma seção semelhante dedicada às suas ervas, pedras e sigilo.

Embora este herbário não inclua imagens de plantas específicas, priorizando os diagramas de sigilo, as coleções da Catedral contêm uma série de outros herbais dos períodos medieval e moderno. Essas ervas estão cheias de imagens de flores, frutas e árvores inglesas em meios que variam de carimbos de blocos de madeira mais toscos a placas de gravura em cobre detalhadas. Todas as hortaliças listadas em O mistério dos selos, incluindo imagens de árvores de damasco (Malus Armeniaca) e lírios, podem ser encontrados em ervas como as de John Gerard (1545-1612), William Turner (1508-1568) e Pietro Andrea Mattioli (1501-1577) (listados na seção de leitura adicional abaixo).

O mistério dos selos fornece uma visão única sobre alguns dos conhecimentos científicos e médicos que foram estudados e debatidos na Europa do século XVII. Sua tradução para o inglês mostra a popularidade do texto e talvez seu uso nas famílias de classe média e alta que tinham melhor acesso à variedade de materiais que ele lista. Embora os farmacêuticos e médicos de hoje evitem prescrever sigilos planetários, o conhecimento baseado em plantas encontrado neste livro dá um vislumbre dos remédios caseiros usados ​​em e ao redor de Londres e Kent no período da Idade Moderna.

Pietro Andrea Mattioli, I discorsi: di M. Pietro Andrea Matthioli & # 8230 ne i sei libri della materia medicinale di Pedacio Dioscoride… (1557) [W2 / A-5-3]

William Turner, Um novo herball,: em que são contados os nomes de herbes em Greke, Latim, Englysh, Duch Frenche e nos potecários & # 8230 Latim & # 8230 reunidos & # 8230 por Wylliam Turner,… (1551) [H / G-3-20]

John Gerard, O herball: ou história geral das plantas. Reunido por John Gerarde & # 8230 Muito ampliado e alterado por Thomas Johnson & # 8230 (1663) [W / A-6-31]


Como desenhar catedrais em 5 etapas

Esta grande catedral é uma visão deslumbrante. Você vai adorar aprender a desenhar esta catedral se for um fã de história ou arquitetura - ou se estiver procurando por um desafio de desenho.

Nesta seção, mostraremos como desenhar essa catedral. Você pode desenhá-lo à mão livre enquanto olha para o monitor do computador ou pode imprimir esta página para ver mais de perto cada etapa.

Aqui, mostraremos uma ilustração de cada etapa e, em seguida, descreveremos como desenhá-la. Siga as linhas vermelhas em cada ilustração para saber exatamente o que desenhar nessa etapa. As linhas desenhadas nas etapas anteriores são mostradas em cinza.

Desenhe três retângulos conectados, sendo o do centro maior do que os outros. Esboce duas linhas diagonais em cada uma que se cruzam no meio. Encontre os picos das torres desenhando linhas verticais no centro de cada X.

Estenda essas linhas verticais além do topo dos retângulos. Desenhe um triângulo e um retângulo sobre o retângulo esquerdo e um triângulo sobre os retângulos central e direito. Estenda uma linha sobre o centro do triângulo do meio.

Divida cada triângulo em quartos com linhas retas começando no pico. Desenhe uma linha horizontal sobre o triângulo central para formar uma cruz. Adicione figuras em forma de V e linhas retas ao triângulo esquerdo para formar uma torre.

Defina a superfície com linhas horizontais duplas, como mostrado. Estenda duas linhas diagonais curtas dos cantos inferiores do edifício. Conecte-os com uma linha horizontal.

Adicione colunas com linhas verticais simples, duplas e triplas. Cubra as colunas com figuras estranhas em forma de U. Desenhe uma linha longa e outra curta sob a torre. Adicione duas linhas verticais sob o campanário direito. Esboce uma linha horizontal nas colunas inferiores à esquerda.

No lado esquerdo da catedral, desenhe arcos duplos. Finalize a cruz com uma linha vertical curta. Esboce arcos duplos sobre a parte central do edifício. Detalhe-os com linhas curvas. Adicione uma figura em forma de roda com raios no centro e adicione linhas curvas por baixo. Cubra-o com uma figura em forma de V.

No lado direito da catedral, desenhe um arco duplo e dois conjuntos de arcos com topos de formas estranhas. Adicione linhas em forma de U a dois deles. Esboce uma linha em zigue-zague para o chão atrás da catedral. Termine as etapas com longas linhas horizontais cujas extremidades apontem para baixo.

Sombreie o telhado com linhas diagonais e as janelas com linhas cruzadas. Adicione meios-círculos de conexão ao topo da frente da catedral.

Seu desenho está concluído! Mesmo se você não acertar na primeira vez, continue praticando até ficar feliz com seu desenho.

O Taj Mahal é uma maravilha de beleza e arquitetura. Aprenda a desenhar o Taj Mahal na próxima seção.


Diagrama da Catedral de Canterbury - História

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Nave, parte central e principal de uma igreja cristã, estendendo-se desde a entrada (o nártex) até os transeptos (corredor transversal cruzando a nave em frente ao santuário em uma igreja cruciforme) ou, na ausência de transeptos, até a capela-mor (área ao redor do altar). Em uma igreja basílica (Vejo basílica), que possui corredores laterais, a nave refere-se apenas ao corredor central. A nave é a parte da igreja reservada aos leigos, distinta da capela-mor, coro e presbitério, que estão reservados ao coro e ao clero. A separação das duas áreas pode ser efetuada por telas ou parapeitos, denominados cancelli. O termo nave deriva do latim navis, significando “navio”, e foi sugerido que ele pode ter sido escolhido para designar o corpo principal do edifício porque o navio foi adotado como um símbolo da igreja.

A forma da nave foi adaptada pelos primeiros construtores cristãos do salão de justiça romano, a basílica. A nave da basílica cristã primitiva era geralmente iluminada por uma fileira de janelas perto do teto, chamada de clerestório o principal, o espaço central geralmente era flanqueado de cada lado por um ou dois corredores, como na Basílica da Antiga São Pedro (ad 330) e San Paolo Fuori le Mura (380), ambos em Roma. Um telhado plano de madeira cobriu caracteristicamente a nave até as eras românica e gótica, quando a abóbada de pedra se tornou quase universal nas principais igrejas do norte da Europa.

As naves medievais eram geralmente divididas em muitos vãos, ou compartimentos, produzindo o efeito de grande comprimento pela repetição de formas. A divisão medieval padrão da parede da nave em arcada no térreo, tribuna (uma galeria abobadada sobre os corredores laterais), arcada trifório opcional (uma arcada cega ou aberta entre a tribuna e o clerestório) e o clerestório se tornaram mais flexíveis durante o Renascimento , de modo que frequentemente - como em San Lorenzo (Florença 1421-29) por Filippo Brunelleschi - a tribuna e o trifório são eliminados e a parede da nave é dividida apenas em arcada e clerestório. Durante o Renascimento, a nave também foi dividida em menos compartimentos, dando uma sensação de amplitude e proporção equilibrada entre altura, comprimento e largura. Efeitos radicais e dramáticos, como a acentuada verticalidade do gótico em catedrais como Reims (iniciada c. 1211), deu lugar a um espaço de nave mais racionalmente projetado em que nenhuma ênfase direcional ou sensação única foi enfatizada Catedral de São Paulo em Londres (1675-1711), reconstruída por Sir Christopher Wren após o Grande Incêndio de 1666, fornece um bom exemplo .


8 das melhores catedrais góticas

Quando você faz uma viagem à Europa, inevitavelmente encontrará uma das centenas de catedrais góticas que pontilham a paisagem. Construídas durante os séculos 12 a 16, essas obras-primas medievais nasceram do movimento românico, que viu igrejas projetadas com paredes grossas, arcos redondos e grandes torres. A arquitetura gótica, por outro lado, focava na altura e na luz - apesar de serem construídas com pedras pesadas, as catedrais góticas parecem desafiar as leis da gravidade. Traços comuns incluem arcos pontiagudos, abóbadas nervuradas e arcobotantes, todos os quais permitiram que as estruturas fossem construídas mais altas e mais fortes. Aqui, reunimos nove dos melhores exemplos de catedrais góticas de toda a Europa.


São Miguel de Coventry

A catedral gótica, São Miguel de Coventry, foi destruída na noite de 14 de novembro de 1940, quando cerca de 500 toneladas de altos explosivos e 40.000 bombas incendiárias foram lançadas sobre a cidade. Tudo o que restou da velha catedral foi a torre e a estrutura do edifício.

A nova catedral foi construída ao lado da antiga nos anos 1950 e no início dos anos 1960. O arquiteto Basil Spencer venceu a competição com seu afastamento radical do original gótico. Ele lembrou que quando os planos para a nova catedral de aço e concreto foram divulgados na imprensa, ele recebeu centenas de cartas na manhã seguinte. "80% foram rudes e os 20% restantes foram muito rudes." Em uma entrevista de 1974, ele lembra que o projeto ocupou dez anos de sua vida e, quando foi concluído, deixou um vácuo terrível. Enquanto as catedrais medievais levaram séculos, a nova Catedral de Coventry levou apenas seis anos para ser construída. A torre de metal de uma tonelada e meia foi transportada de helicóptero e, de acordo com imagens de notícias contemporâneas, levou apenas oito minutos para ser instalada.


O outono da Idade Média: Chaucer e Dante

Retrato de Geoffrey Chaucer, poeta britânico e controlador da alfândega, por volta de 1340-1400.

Na época em que Geoffrey Chaucer estava escrevendo Os contos de Canterbury, seu poema narrativo sobre um grupo de nove e vinte "pessoas sórdidas" fazendo seu caminho vagaroso para Canterbury, peregrinações desse tipo haviam adquirido uma reputação duvidosa. Moralistas como o pregador Lollard William Thorpe reclamaram que os peregrinos estavam apenas passeando, suas mentes voltadas para festas, não para penitência e oração:

"… Cada cidade que eles [grupos de peregrinos] passam, com o barulho de seus cantos, e com o som de seus flautas, e com o tilintar de seus sinos de Canterbury, e com o latido de cães atrás deles, eles fazer mais barulho do que se o rei fosse lá, com todos os seus clarins e muitos outros menestréis. E se esses homens e mulheres estiverem um mês fora em sua peregrinação, muitos deles serão, meio ano depois, grandes estridentes, contos contadores e mentirosos. "

- Extraído de "The Examination of Master William Thorpe", na página Geoffrey Chaucer

Os estudiosos nos dizem que Chaucer provavelmente primeiro concebeu Os contos de Canterbury em 1386, quando morava em Greenwich, cerca de cinco milhas a sudeste de Londres. De sua casa, ele teria sido capaz de assistir às vezes turbulentas e barulhentas bandas de viajantes - "com o som de sua flauta e com o tilintar de seus sinos de Canterbury" - abrindo caminho pela velha estrada de peregrinação de Londres ao santuário de Thomas á Becket, o arcebispo martirizado de Canterbury. A exposição Tesouros do Céu: Santos, Relíquias e Devoção na Europa Medieval fornece um diagrama da planta baixa da Catedral de Canterbury em 1170 e exibe uma variedade de objetos associados a Canterbury. A Linha do tempo Heilbrunn da História da Arte do Metropolitan Museum of Art revisado pelo EDSITEment oferece contexto adicional em seu ensaio e apresentação de slides sobre Peregrinação na Europa Medieval.

Quem poderia culpar os peregrinos de Chaucer por quererem férias? Atingida por onda após onda de guerra, praga, fome e rebelião, ameaçada pela expansão dos turcos otomanos, a Europa no século XIV parecia à beira do colapso. Londres nos dias de Chaucer tinha uma taxa de criminalidade maior do que qualquer cidade americana moderna e uma taxa de homicídios muitas vezes maior que a de Londres hoje. You can get an overview of Europe's calamitous fourteenth century on the EDSITEment-reviewed Internet Medieval Sourcebook an excellent introduction to the period is available on another EDSITEment-reviewed site, The End of Europe's Middle Ages. But while the disasters of late medieval Europe and the particular troubles of England cast their shadows in Chaucer's poem, a holiday mood predominates.

The story begins, after all, in a tavern: “Bifel that in that seson on a day, / In Southwerk at the Tabard as I lay / Redy to wenden on my pilgrymage….” For an interlinear translation of these lines, annotated with informative discussions of Middle English, see Os contos de Canterbury on the Geoffrey Chaucer website. Chaucer's language may at first seem daunting, but with a little practice you will see what a beautiful language Middle English really is. An excellent way to appreciate its beauty is by listening to Canterbury Tales audio recordings. An introduction to Chaucer's phonetics, grammar and vocabulary is available from Harvard's Chaucer site.

People in the Middle Ages had an intense love of ritualized games and competitions. The framework of Os contos de Canterbury is such game. Harry Bailey, genial host of the Tabard Inn, proposes that each of the pilgrims tell two tales, one on the road to Canterbury, one on the way back. None of them plays the game with more gusto than the character who is the subject of an EDSITEment lesson plan, Chaucer's Wife of Bath. Think of the Wife as a sort of professional pilgrim and entrepreneur, having already “passed many a straunge strem,” travelling to such exotic destinations as “Rome, Bolonne, Galice, and Cologne,” and having gone through five husbands. She is worldly, shrewd, and confident—an absolutely fabulous creation, perhaps the most compelling female literary character in English literature before Shakespeare.

A more familiar figure for most students, when they think of the Middle Ages, will be Chaucer's Knight, who has also (although for different motives than the Wife's) traveled widely in Europe and the Holy Lands. He is a noble, romantic, and dignified figure, yet also vaguely sad, with an air of nostalgia about him, reminding us that, by Chaucer's time, the age of chivalry is over (if ever it existed), a romantic dream. The story he tells, appropriately, is one of courtly love and chivalric romance. NPR's the New Canterbury Tales, retraces the steps of Geoffrey Chaucer's pilgrims and offers a portrait of Britain in the early 21st century. The series illustrates a changing nation some 600 years after the pilgrims made their colorful journey from London to Canterbury.

Students interested in these themes will also enjoy the EDSITEment lesson plan, Exploring Arthurian Legend, which uses the resources of the Labyrinth website to introduce students to the vast historical period embraced by the King Arthur legend. The story of Camelot is perhaps the most beguiling romantic dream of them all, persisting from the 5th century, when the historical Arthur may have lived, to present day stories, films, and even presidential administrations. EDSITEment-partner ArtsEdge offers a lesson, Castles & Cornerstones, exploring the historic importance and function of castles in King Arthur's time. Their multimedia resource, Art in Camelot, illustrates the place of the arts in the Kennedy era.

Chaucer was deeply influenced by another fourteenth-century poem about a very different sort of pilgrimage, Dante's La Commedia (Inferno, Purgatorio, e Paradiso) There is evidence Chaucer greatly admired Dante. An intelligent and manageable approach to this vast poem is provided by an EDSITEment lesson plan, A Storybook Romance: Dante's Paolo and Francesca, which focuses on theme of courtly love. Available in two English translations as well as the original Italian on the EDSITEment-reviewed Digital Dante site, Dante's The Comedy (or "Divine Comedy") begins with lines that suggest it will be a pilgrimage of a rather different sort than the festive trip to Canterbury: “When I had journeyed half of our life's way, / I found myself within a shadowed forest, / for I had lost the path that does not stray” (Inferno, Mandelbaum translation, lines 1-3). As with Chaucer's verse, you can best appreciate the beauty of Dante's poetry by listening to it read aloud. Available via a link on the EDSITEment-reviewed Academy of American Poets are clips of the poet Robert Pinsky reading from the poem in Italian as well as from his own highly praised translation.

Dante portrays himself as a pilgrim who will be led by various guides on a vivid journey through Hell and Purgatory towards a final beatific vision of God. Although the plan is grand, the inviting intimacy of the first three lines of The Comedy suggests another reason why Dante, like Chaucer, has survived. For all their differences, both of these poets have the mysterious knack for combining passages of intense lyrical genius with distinctive narrative voices that remain accessible and fresh, speaking to us, it sometimes seems, as if they were our contemporaries still.


  • عربي
  • Български
  • Čeština
  • Deutsch
  • Ελληνικά
  • inglês
  • Espanhol
  • Français
  • Magyar
  • Italiano
  • ქართული ენა
  • Nederlands
  • Polski
  • Português
  • Română
  • Pусский
  • Slovenský
  • Srpski
  • Türkçe

The meteoblue climate diagrams are based on 30 years of hourly weather model simulations and available for every place on Earth. They give good indications of typical climate patterns and expected conditions (temperature, precipitation, sunshine and wind). The simulated weather data have a spatial resolution of approximately 30 km and may not reproduce all local weather effects, such as thunderstorms, local winds, or tornadoes, and local differences as they occur in urban, mountainous, or coastal areas.

30 years of hourly historical weather data for Canterbury can be purchased with history+. Download variables like temperature, wind, clouds and precipitation as CSV for any place on Earth. The last 2 weeks of past weather data for Canterbury are available for free evaluation here.

Average temperatures and precipitation

The "mean daily maximum" (solid red line) shows the maximum temperature of an average day for every month for Canterbury. Likewise, "mean daily minimum" (solid blue line) shows the average minimum temperature. Hot days and cold nights (dashed red and blue lines) show the average of the hottest day and coldest night of each month of the last 30 years. For vacation planning, you can expect the mean temperatures, and be prepared for hotter and colder days. Wind speeds are not displayed per default, but can be enabled at the bottom of the graph.

The precipitation chart is useful to plan for seasonal effects such as monsoon climate in India or wet season in Africa. Monthly precipitations above 150mm are mostly wet, below 30mm mostly dry. Note: Simulated precipitation amounts in tropical regions and complex terrain tend to be lower than local measurements.

Cloudy, sunny, and precipitation days

The graph shows the monthly number of sunny, partly cloudy, overcast and precipitation days. Days with less than 20% cloud cover are considered as sunny, with 20-80% cloud cover as partly cloudy and with more than 80% as overcast. While Reykjavík on Iceland has mostly cloudy days, Sossusvlei in the Namib desert is one of the sunniest places on earth.

Note: In tropical climates like in Malaysia or Indonesia the number of precipitation days may be overestimated by a factor up to 2.

Maximum temperatures

The maximum temperature diagram for Canterbury displays how many days per month reach certain temperatures. Dubai, one of the hottest cities on earth, has almost none days below 40°C in July. You can also see the cold winters in Moscow with a few days that do not even reach -10°C as daily maximum.

Precipitation amounts

The precipitation diagram for Canterbury shows on how many days per month, certain precipitation amounts are reached. In tropical and monsoon climates, the amounts may be underestimated.

Wind speed

The diagram for Canterbury shows the days per month, during which the wind reaches a certain speed. An interesting example is the Tibetan Plateau, where the monsoon creates steady strong winds from December to April, and calm winds from June to October.

Wind speed units can be changed in the preferences (top right).

Wind rose

The wind rose for Canterbury shows how many hours per year the wind blows from the indicated direction. Example SW: Wind is blowing from South-West (SW) to North-East (NE). Cape Horn, the southernmost land point of South America, has a characteristic strong west-wind, which makes crossings from East to West very difficult especially for sailing boats.

Informação geral

Since 2007, meteoblue has been archiving weather model data. In 2014 we started to calculate weather models with historical data from 1985 onwards and generated a continuous 30-year global history with hourly weather data. The climate diagrams are the first simulated climate data-set made public on the net. Our weather history covers any place on earth at any given time regardless of availability of weather stations.

The data is derived from our global NEMS weather model at approximately 30km resolution and cannot reproduce detail local weather effects, such as heat islands, cold air flows, thunderstorms or tornadoes. For locations and events which require very high precision (such as energy generation, insurance, town planning, etc.), we offer high resolution simulations with hourly data through point+, history+ and our API.

Licença

This data can be used under the Creative Commons license "Attribution + Non-commercial (BY-NC)". Any commercial use is illegal.


12 Amazing Virtual Tours of the World’s Most Spectacular Churches

Explore in 360 degrees the Sistine Chapel, the Church of the Holy Sepulchre, and many more - all online.

Built in the 15th century and painted in the 16th century, the Sistine Chapel is one of the great artistic masterpieces in the world. Michelangelo painted the ceiling and the Last Judgement fresco, while the frescoes on the other walls were painted by a number of other artists. Among other things, the Sistine Chapel serves as the location for conclaves of Cardinals that elect new popes.

This one can only be viewed on the Vatican website, so click on the picture or on the link to check it out.

2) Church of the Holy Sepulchre – Jerusalem

Located in Old Jerusalem, the Church of Holy Sepulchre is venerated by Christians for containing within its space what is believed to be the places of Jesus’ death, burial, and resurrection – which makes it pretty important! The original church was built in the 4th century under Constantine but has endured several rounds of extensive damage and restoration since.

Ligação: Start the tour! (here’s another virtual tour of the same place)

3) St. Basil’s Cathedral – Moscow, Russia

Not to be confused with the Kremlin (which is nearby), St. Basil’s Cathedral was built in the 16th century on orders from Ivan the Terrible and served as a Russian Orthodox cathedral for centuries until it was confiscated and forcibly secularized in the late 1920s by the Soviet Union. It remains property of the Russian government today and is used as a museum.

Ligação: Start the tour! (Note: the virtual tour can take a little bit of time to load.)

4) Basilica of St. Peter – Vatican City

This great wonder of the world was built in the 16th century in the midst of the Protestant reformation, replacing the aging church that had stood on that site since the 4th century. The largest church in the world, it is built on top of what is believed to be the grave of St. Peter, the first pope.

5) Church of the Nativity – Bethlehem, West Bank

Church of the Nativity is located on the place that Christians have traditionally believed that Jesus was born. The first church was built in the 4th century under Constantine but was destroyed by fire and then rebuilt in the 6th century. Since then it has gone through numerous restorations, additions, etc. Roman Catholic, Greek Orthodox and Armenian Apostolic representatives run and maintain the current church.

6) Cathedral of St. Paul, National Shrine of the Apostle Paul – St. Paul, MN

Atop the highest hill in the Twin Cities (with the Minnesota state capital just a bit lower down the street!), the St. Paul Cathedral is everything you’d expect of a beautiful European cathedral – except that it’s in the U.S.! It’s the third largest completed church in the U.S., and the fourth tallest. Built in the early 20th century, it is a co-cathedral with the Basilica of St. Mary (see #6) for the Catholic Archdiocese of St. Paul/Minneapolis.

Start the tour below:

View Larger Map

7) Basilica of St. Mary – Minneapolis, MN

Built in the early 20th century, the Basilica of St. Mary was the first church designated a basilica in the U.S., and serves as a co-cathedral with the Cathedral of St. Paul for the Catholic Archdiocese of St. Paul/Minneapolis.

Start the tour below:

View Larger Map

8) Canterbury Cathedral – Canterbury, England

When was Canterbury Cathedral built? That’s a hard question to answer, since different parts of the current structure were built, torn down, rebuilt, added on, etc over nine centuries, from the 10th to the 19th, with the site having been used as a cathedral since the 6th century. During the Protestant reformation in the 16th century, the Church of England took control of the church from the Roman Catholic Church.

9) Exeter Cathedral – Exeter, England

Built from the 12th century to the 15th century, Exeter Cathedral serves as the seat of the Anglican bishop of Exeter. Among its large collection of relics, the church has what is supposedly the Burning Bush, as well as part of a candle used by an angel in Christ’s tomb. Like the Canterbury Cathedral, Exeter Cathedral was originally a Roman Catholic cathedral, but was acquired by the Church of England in the 16th century.

10) St. Patrick’s Cathedral – New York City, NY

Directly across the street from Rockefeller Center in the middle of New York City, St. Patrick’s Cathedral was built in the 19th century when midtown wasn’t as populated, and its large size dominated the area. Construction began in 1858, paused during the Civil War, and was finished in 1878. Further work was done in the early 20th century, and it was named a National Historic Site in 1976. It is currently used as the seat of the Catholic Archbishop of New York.

Start the tour below:

11) Cathedral Basilica of Our Lady of Chartres – Chartres, France

Built mostly in the 13th century, Chartres Cathedral is the latest of at least five churches that have stood in its location. Amazingly, most of the stained glass in the church is original. Among its many boasts, the church claims to have the Sancta Camisa, the tunic worn by the Blessed Virgin Mary at the birth of Jesus. It is still the seat of the Catholic bishop of Chartres.

12) Basilica of the National Shrine of the Immaculate Conception – Washington D.C.

Located on the campus of Catholic University of America in Washington D.C., the Basilica of the Shrine of the Immaculate Conception “is the largest Catholic church in the United States, the largest church of any kind in the western hemisphere, the eighth largest church building in the world, and the tallest habitable building in Washington, D.C.” Construction began in 1920, but wasn’t completed until 1961 due to the Great Depression and WWII. Even so, significant additions have been made as recently as 2012. In addition to a beautiful array of images of the Blessed Virgin Mary from different cultures, the basilica houses the papal tiara of Pope Paul VI.

Do you love ChurchPOP?

Get our inspiring content delivered to your inbox - FREE!

As part of this free service you may receive occasional offers from us at EWTN News and EWTN. We won't rent or sell your information, and you can unsubscribe at any time.


Assista o vídeo: Catedral de Canterbury


Comentários:

  1. Kagasho

    Sugiro que você visite o famoso site que tem muitas informações sobre este tópico.

  2. Joel

    Eu considero, que você não está certo. Estou garantido. Vamos discutir. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  3. Zulkibei

    Não é necessário tentar todos sucessivamente

  4. Hai

    Frase magnífica e pontual

  5. Illanipi

    Conheço um site com respostas para um tema interessante você.

  6. Justyn

    Eu considero que o tema é bastante interessante. Sugiro que todos participem de discussão mais ativamente.



Escreve uma mensagem