História do Brasil - História

História do Brasil - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Com uma estimativa de 170 milhões de habitantes, o Brasil tem a maior população da América Latina e ocupa o sexto lugar no mundo. A maioria mora na região centro-sul, que inclui as cidades industriais de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O crescimento urbano foi rápido; em 2000, 81% da população total vivia em áreas urbanas. O rápido crescimento ajudou o desenvolvimento econômico, mas também criou sérios problemas sociais, ambientais e políticos para as grandes cidades.

Quatro grandes grupos constituem a população brasileira: os portugueses, que colonizaram o Brasil no século XVI; Africanos trazidos para o Brasil como escravos; vários outros grupos de imigrantes europeus, do Oriente Médio e da Ásia que se estabeleceram no Brasil desde meados do século XIX; e povos indígenas de estoque das línguas tupi e guarani. Casamentos entre portugueses e indígenas ou escravos eram comuns. Embora a principal origem étnica europeia do Brasil tenha sido o português, as ondas subsequentes de imigração contribuíram para uma herança étnica e cultural diversa.

De 1875 a 1960, cerca de 5 milhões de europeus emigraram para o Brasil, fixando-se principalmente nos quatro estados do sul: São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os imigrantes vieram principalmente da Itália, Alemanha, Espanha, Japão, Polônia e Oriente Médio. A maior comunidade japonesa fora do Japão está em São Paulo. Apesar das distinções de classe, a identidade nacional é forte e o atrito racial é um fenômeno relativamente novo. Os índios de raça pura, localizados principalmente nas regiões de fronteira norte e oeste e na bacia do alto Amazonas, constituem menos de 1% da população. Seus números estão diminuindo à medida que o contato com o mundo externo e a expansão comercial para o interior aumentam. Os programas do governo brasileiro para estabelecer reservas e fornecer outras formas de assistência existem há anos, mas são controversos e frequentemente ineficazes.

O Brasil é a única nação de língua portuguesa nas Américas. Cerca de 80% de todos os brasileiros pertencem à Igreja Católica Romana; a maioria dos outros são protestantes ou seguem práticas derivadas de religiões africanas.

O Brasil foi reivindicado por Portugal em 1500 por Pedro Álvares Cabral. Foi governada a partir de Lisboa como colônia até 1808, quando a família real, tendo fugido do exército de Napoleão, estabeleceu a sede do governo português no Rio de Janeiro. O Brasil tornou-se reino de Dom João VI, que retornou a Portugal em 1821. Seu filho declarou a independência do Brasil em 7 de setembro de 1822, e tornou-se imperador com o título de Dom Pedro I. Seu filho, Dom Pedro II, governou de 1831 a 1889 , quando uma república federal foi instituída em um golpe de Deodoro da Fonseca, marechal do exército. A escravidão havia sido abolida um ano antes pela princesa regente Isabel enquanto Dom Pedro II estava na Europa.

De 1889 a 1930, o governo foi uma democracia constitucional, com a presidência se alternando entre os estados dominantes de São Paulo e Minas Gerais. Esse período terminou com um golpe militar que colocou Getúlio Vargas, um civil, na presidência; Vargas permaneceu como ditador até 1945. De 1945 a 1961, Eurico Dutra, Vargas, Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros foram eleitos presidentes. Quando Quadros renunciou em 1961, foi sucedido pelo vice-presidente João Goulart.

Os anos de Goulart no cargo foram marcados por alta inflação, estagnação econômica e a crescente influência de elementos políticos radicais. As Forças Armadas, alarmadas com estes desdobramentos, golpearam em 31 de março de 1964. Os golpistas elegeram como presidente Humberto Castello Branco, seguido de Arthur da Costa e Silva (1967-69), Emilio Garrastazu Medici (1968-74), e Ernesto Geisel (1974-79), todos eles oficiais graduados do exército. Geisel deu início a uma abertura democrática que teve continuidade com seu sucessor, o general João Baptista de Oliveira Figueiredo (1979-85). Figueiredo não só permitiu o retorno de políticos exilados ou banidos da atividade política durante as décadas de 1960 e 1970, mas também permitiu que concorressem a cargos estaduais e federais em 1982.

Ao mesmo tempo, um colégio eleitoral formado por todos os membros do Congresso e seis delegados escolhidos em cada estado continuou a escolher o presidente. Em janeiro de 1985, o colégio eleitoral elegeu como presidente Tancredo Neves, do opositor Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). No entanto, Neves adoeceu em março e morreu um mês depois. Seu vice-presidente, o ex-senador José Sarney, tornou-se presidente após a morte de Neves. O Brasil completou sua transição para um governo eleito pelo povo em 1989, quando Fernando Collor de Mello obteve 53% dos votos na primeira eleição presidencial direta em 29 anos. Em 1992, um grande escândalo de corrupção levou ao impeachment e à renúncia final do presidente Collor. O vice-presidente Itamar Franco assumiu o cargo e governou pelo restante do mandato de Collor, culminando nas eleições presidenciais de 3 de outubro de 1994, quando Fernando Henrique Cardoso foi eleito presidente com 54% dos votos. Ele assumiu o cargo em 1º de janeiro de 1995 e foi reeleito em outubro de 1998 para um segundo mandato de 4 anos. As próximas eleições presidenciais serão realizadas em outubro de 2002.

O presidente Cardoso tem buscado estabelecer as bases para a estabilidade e o crescimento de longo prazo e reduzir os desequilíbrios socioeconômicos extremos do Brasil. Suas propostas ao Congresso incluem emendas constitucionais para abrir a economia brasileira a uma maior participação estrangeira e implementar reformas abrangentes - incluindo previdência social, administração governamental e tributação - para reduzir os gastos excessivos do setor público e melhorar a eficiência do governo. uma


História militar do brasil

o história militar do brasil compreende séculos de ações armadas no território que abrange o Brasil moderno e o papel das Forças Armadas brasileiras nos conflitos e na manutenção da paz em todo o mundo. Por várias centenas de anos, a área foi palco de guerras intertribais de povos indígenas. A partir do século XVI, a chegada dos exploradores portugueses gerou conflitos com os povos indígenas, sendo o exemplo notável a revolta da Confederação Tamoio. As revoltas esporádicas de escravos africanos também marcaram o período colonial, com uma notável rebelião liderada por Zumbi dos Palmares. Também foram encontrados conflitos com outras nações europeias - dois exemplos notáveis ​​sendo o caso França Antártica e um conflito com a Holanda no início do século 17 pelo controle de grande parte do Nordeste. Embora Portugal tenha mantido suas possessões durante conflitos com outras nações, perdeu o controle da colônia após a guerra de independência do Brasil, que levou ao estabelecimento do Império do Brasil.

A história do Brasil após a independência é marcada pelas primeiras guerras territoriais contra os países vizinhos, que afetaram muito a formação das atuais fronteiras políticas. Por exemplo, a Guerra da Cisplatina, travada no atual território do Uruguai, estabeleceu a independência dessa nação. O Brasil também foi afetado em sua infância por pequenas - e, em última instância, malsucedidas - revoltas nas províncias do Norte. Um conflito armado com o Paraguai levou ao estabelecimento da atual fronteira do Brasil com aquela nação após uma vitória decisiva. Conflitos internos entre o governo executivo e o poder de ricos proprietários de terras finalmente levaram à abolição do Império Brasileiro e à ascensão do atual governo republicano.

A atividade moderna inclui a participação em ambas as Guerras Mundiais junto com lutas internas devido ao regime militar e participação em operações militares de direita, como a Operação Condor. Desenvolvimentos recentes incluem a participação em esforços de manutenção da paz após a rebelião de 2004 no Haiti.


A Confederação fez sua última resistência no Brasil

Quando a Guerra Civil terminou, em 1865, grande parte do Sul estava em ruínas, física, econômica e socialmente. O medo de represálias ianques e conflitos raciais se infiltrou na sociedade. Pessoas escravizadas foram libertadas. O presidente da Confederação, Jefferson Davis, foi preso. Para William H. Norris, ex-senador do estado do Alabama e confederado convicto, era demais para suportar.

Em vez de voltar aos Estados Unidos, ele e um filho viajaram para o sudeste do Brasil no final de 1865 e compraram cerca de 500 acres de colinas e solo avermelhado que os lembravam do Alabama. Eles então compraram três trabalhadores escravos, plantaram algodão, mandaram buscar o resto da família e passaram a viver como se a Confederação não tivesse simplesmente entrado em colapso.

A família Norris não estava sozinha em seu desejo de evitar o governo ianque. Na década seguinte à Guerra Civil, cerca de 10.000 sulistas deixaram os Estados Unidos, com a maioria indo para o Brasil, onde a escravidão ainda era legal. (Outros foram para lugares como Cuba, México, Venezuela, Honduras, Canadá e Egito.) Embora as dificuldades tenham levado a maioria a voltar imediatamente, descendentes desses chamados Confederados manter presença no Brasil até hoje.

A casa da família Norris, a primeira família confederada americana no Brasil. (Crédito: Domínio Público)

Em meio ao caos pós-Guerra Civil, vários países tentaram atrair os sulistas, principalmente por razões políticas e agrícolas. No México, por exemplo, o imperador Maximiliano I (a ser executado em breve diante de um pelotão de fuzilamento) concedeu incentivos fiscais e imobiliários e contratou o oceanógrafo confederado Matthew Fontaine Maury para ser seu & # x201comissário do governo municipal de imigração. & # X201D Na Venezuela, as autoridades também forneceu terras e incentivos fiscais. E no Egito, um vice-rei otomano trouxe oficiais ex-confederados e ex-sindicatos para ajudar a invadir a Etiópia.

Os melhores incentivos, entretanto, vieram do imperador brasileiro Dom Pedro II, um aliado confederado que abrigou e abasteceu navios do sul durante a Guerra Civil. Ele ofereceu terras aos confederados por apenas 22 centavos de dólar o acre, subsidiou seu transporte para o Brasil, providenciou hospedagem temporária na chegada, prometeu-lhes cidadania rápida e, às vezes, até os cumprimentou pessoalmente no desembarque.

Grande parte da mídia sulista se opôs ao êxodo, assim como Robert E. Lee, que acreditava que todos os esforços deveriam ser voltados para a reconstrução do sul. Mas Dom Pedro contra-atacou fazendo propaganda em jornais americanos. Enquanto isso, certos sulistas pró-colonização produziam relatos brilhantes que retratavam o Brasil como um paraíso tropical. & # x201Coberto, quando eles chegaram lá, não era nada parecido com o que eles pensaram que seria, & # x201D diz Cyrus B. & # x201CSonny & # x201D Dawsey, um professor emérito da Auburn University que foi coautor e editou o livro, Os Confederados: Velhos Imigrantes do Sul no Brasil.

Dom Pedro aparentemente tinha dois motivos principais para atrair os confederados, o primeiro dos quais era agrícola. & # x201CHe viu essas pessoas trazendo novas tecnologias e novas habilidades na agricultura para o Brasil, o que de fato eles trouxeram, & # x201D Dawsey diz, apontando que eles introduziram melancias e pecãs em seu novo país, junto com o estado da arte. - arados artificiais.

Imperador Dom Pedro II do Brasil, reinou por mais de 58 anos de 1831-1889. (Crédito: Universal History Archive / Getty Images)

Além disso, & # x201Cit era uma política pública no Brasil para embranquecer a sociedade ao trazer europeus e americanos descendentes de europeus, & # x201D diz Luciana da Cruz Brito, professora de história da Universidade Federal de Rec & # xF4ncavo da Bahia, que estuda escravidão e abolição.

Na época, a escravidão continuava legal no Brasil, que ao longo de sua história importou mais de 10 vezes mais escravos do que os Estados Unidos. Na verdade, não proibiu a prática até 1888, tornando-se o último país do Hemisfério Ocidental a fazê-lo. & # x201C Em 1865, o Brasil mal tinha um movimento abolicionista, & # x201D Brito diz.

Sua pesquisa mostra que alguns imigrantes do sul para o Brasil levaram escravos africanos-americanos com eles, em desrespeito às leis brasileiras e americanas. Outros compraram novos escravos na chegada, como o ex-deputado estadual do Alabama Charles G. Gunter, cujas cartas familiares falam de sua aquisição de 38 trabalhadores escravos no Brasil. As cartas também mencionam outro confederado, que adquiriu uma plantação de açúcar com 130 trabalhadores escravos.

Os descendentes dos confederados originais tendem a minimizar seus laços ancestrais com a escravidão. Ainda assim, de acordo com Brito, os confederados foram em grande parte atraídos pelo Brasil porque queriam possuir escravos e porque acreditavam que a instituição da escravidão manteria hierarquias raciais rígidas. & # x201CBaseado na documentação que li, & # x201D Brito diz, & # x201CI não tenho dúvidas de que vieram para o Brasil por causa da escravidão. & # x201D

Um leilão de escravos no Brasil. (Crédito: Biblioteca Ambrosiana / Getty Images)

Ainda assim, esses expatriados americanos nunca chegaram perto de replicar as grandes propriedades escravistas do Deep South. & # x201Co pessoal que se mudou para o Brasil não era rico em fazendeiros & # x201D Dawsey diz. & # x201CTeles eram agricultores de renda média, alguns eram médicos, alguns eram professores, alguns eram maquinistas. & # x201D Ele acrescenta que muitos & # x201Pertenciam a famílias que tradicionalmente foram pioneiras na fronteira, & # x201D e isso em sua opinião eles não eram & # x2019t & # x201Cdiehard escravos. & # x201D

Quaisquer que fossem os motivos da imigração, os confederados lutaram para se adaptar às novas casas. Em muitos dos assentamentos brasileiros, o clima e o solo eram inadequados para os tipos de culturas que eles queriam cultivar, como o algodão. Do mesmo modo, doenças, infestações de insetos e lutas internas pelo poder cobraram seu preço, assim como a falta de infraestrutura de transporte que dificultou o transporte de suas safras para o mercado. O apoio político também diminuiu, à medida que Dom Pedro se distraia com uma recessão econômica, a participação de seu país na horrível Guerra da Tríplice Aliança e seu próprio agravamento da saúde.

Ao mesmo tempo, as barreiras linguísticas e religiosas & # x2014 a esmagadora maioria dos confederados protestantes não tinham permissão nem para enterrar seus mortos nos cemitérios católicos locais & # x2014 contribuíram para uma sensação de isolamento. Dawsey diz: & # x201CVocê leu as cartas e eles estavam com saudades de casa, não apenas por seus familiares, mas também pelo estilo de vida, coisas como igreja e comida. & # X201D

Além do mais, as normas raciais do Brasil se mostraram perplexas, particularmente as atitudes mais relaxadas em relação ao casamento inter-racial, o exército integrado e a força policial e a mobilidade social permitida para os negros livres. Além disso, como aponta Brito, & # x201CA muitas pessoas que eram consideradas brancas no Brasil eram consideradas mulatas pelos confederados. & # X201D


Brasil: História

Os tópicos incluem transporte, local de jantar, para visitantes estrangeiros e muito mais!

Durante um período, o Nordeste do Brasil foi ilegalmente colonizado por ducthes e no Rio por franceses

O Brasil tem o nome de uma árvore que é vermelha por dentro como uma chama (chama: braza - brasil). Hoje a árvore é protegida por leis federais.

Os portugueses iniciam a extração das árvores em todo litoral para serem vendidas na Europa. Este período é conhecido como primeira era de extração. Salvador tornou-se a primeira capital da nova colônia portuguesa. Os colonizadores portugueses começaram a produzir açúcar e o nordeste do Brasil tornou-se um canto rico do mundo. Durante esse tempo, Portugal iniciou um deslocamento forçado de milhões de africanos para o novo mundo para trabalhar como escravos. Eles também iniciaram uma forma de administração territorial conhecida como Capitania Hereditária. O sistema de herança foi extinto pelo Marquês de Pombal em 1759.

A segunda época de extração foi o ouro, principalmente durante todo o século XVIII. Faz com que Vila Rica (antigo nome de Ouro Preto) se transforme em uma das cidades mais importantes do mundo com o Rococó, gênero do estilo barroco, financiado pela exploração do ouro. A Inconfidência Mineira de 1789 foi um movimento de independência brasileira. Foi afetada pela movimentação das treze colônias do norte do leste na independência da América do Norte, e em particular, muito impressionada na elite intelectual residente na capitania de Minas Gerais.

1808 Portugal foi feito para ser invadido pelas forças de Napoleão. De fato, no ano seguinte, as Guerras Ibéricas destruíram Portugal e a Espanha. A família real portuguesa e o governo foram realocados para o Brasil sob proteção britânica. Eles fizeram do Rio de Janeiro a capital do Brasil e das colônias portuguesas no exterior. Dom João abre os portos para todas as nações amigas. O Brasil faz intensa marcação com a Inglaterra. Também cria o Jardim Botânico e o Banco do Brasil.

1821 o rei D. João IV regressa a Lisboa, deixando como regente o seu filho D. Pedro1 (D. Pedro VI em Portugal). No ano seguinte, Dom Pedro1 lidera uma campanha pela independência, reconhecida pela primeira vez pelos norte-americanos no mesmo ano.

1823 Dom Pedro1 assina a Constituição do Brasil, baseada nos princípios da Revolução Francesa. 1831 Dom Pedro volta a Portugal, deixa o Brasil ser governado por Ministros até que Dom Pedro II, único régio nascido em solo americano, 1940 se prepara para o cargo. Durante sua era imperial, muitas famílias alemãs, austríacas e italianas imigraram para o Brasil fugindo da pobreza e da falta de salubridade da vida na Europa. Alguns deles trabalharam nas plantações de café substituindo a escravidão que estava em declínio. A maioria desses imigrantes europeus veio também com know how para a indústria. Eles começaram a industrialização no sudeste e sul do Brasil.

1888 A Princesa Isabel, a primeira sucessora do Imperador Dom Pedro II, assina a Lei Aurea, abolindo a escravidão no Brasil para todos.

1889 Dom Pedro II é derrubado e uma república é instituída pelo Marechal Deodoro da Fonseca.

1930 Getúlio Vargas é eleito presidente por sufrágio universal. Em 1936, o famoso escritor Monteiro Lobato fez campanha contra o presidente em São Paulo, com edições de livros, por alertar a população sobre os magníficos benefícios da exploração do petróleo. Mintier Lobato vence na indústria cultural e começa a aventura do petróleo. Getúlio ficou no poder até 1954, quando se suicidou no palácio do presidente no Rio de Janeiro. Ele foi duas vezes eleito presidente.

1960 Juscelino Kubitschek fez de Brasília, a capital do centro do Brasil. Desenhado por Lucio Costa, Oscar Niemeyer e amp Burle Marx. O som da Bossa Nova fez grande sucesso mundial contemplando jazz, Debussy e Samba, naturalmente.

O extremo esquerdo João Goulart em 1964 foi forçado a retirar-se por um "golpe de estado" liderado pelas forças militares. Esses homens governam o Brasil há 2 décadas com métodos desprezíveis deixaram a União em péssimas condições. 1980 sob pressão de civis, o governo concedeu anistia a presos políticos. A novela brasileira é vendida para todos os países do bloco vermelho.

1985 Tancredo Neves torna-se o primeiro presidente civil em 21 anos, embora morra antes de assumir o cargo. o deputado José Sarney assume e negocia com sucesso a complicada transição entre o governo militar e o governo público. Eleições de 1989 foram realizadas. Os brasileiros destreinados votam pela primeira vez em 30 anos para o presidente. Vence o conservador Fernando Collor de Mello. 1994 Fernando Henrique Cardoso torna-se presidente por 2 mandatos, e passa a maior parte do tempo combatendo a economia para impedir sua espiral descendente. Em 2002, o povo elege Luís Inácio da Silva (conhecido como ‘Lula’) um sindicalista de esquerda.


Brasil: Uma História de Mudança

O Brasil é o maior país da América do Sul e desempenha um papel importante no mundo, mas muitos desconhecem sua história e cultura. Brasil: Uma História de Mudança atrai os alunos para uma história frequentemente surpreendente e esquecida. Como os Estados Unidos, o Brasil foi colonizado, conquistou sua independência e acabou ofuscando seu colonizador. Assim como os Estados Unidos, o Brasil é um país de imigrantes com uma história de escravidão que marcou seu crescimento e o afeta até os dias atuais. Ainda Brasil: Uma História de Mudança ajuda os alunos a ver o Brasil como um país único e dinâmico, com uma história importante, cultura diversa e seu próprio caminho de desenvolvimento. Brasil: Uma História de Mudança oferece aos alunos uma visão geral da história do Brasil e traça seus legados até o presente. A unidade está dividida em três partes. Cada parte inclui:

Esta unidade também inclui um Opções de dramatização como a lição principal e adicional aulas de síntese que permitem aos alunos sintetizar novos conhecimentos para avaliação. Você não precisa usar a unidade inteira, fique à vontade para selecionar o que se adapta às suas necessidades de sala de aula.

Visualize esta unidade. A pré-visualização inclui o Índice do Texto do Aluno e o Livro de Recursos do Professor, bem como um trecho de leitura do aluno e um plano de aula.


História e Movimentos LGBTQ no Brasil

Um movimento de lésbicas, gays, bissexuais, trans, queer (LGBTQ) surgiu no final da década de 1970 durante a ditadura militar brasileira (1964-1985), enquanto o país caminhava lentamente em direção à democracia. O “Movimento Homossexual”, como era chamado na época, junto com as organizações feministas e negras que se formaram no mesmo período, lutou pelo fim da discriminação, da igualdade e da plenos direitos. Desde então, ativistas LGBTQ desafiaram os estereótipos sobre lésbicas, gays e pessoas trans e conquistaram algumas vitórias importantes, como casamento entre pessoas do mesmo sexo, reconhecimento legal dos direitos das pessoas trans de legalizar sua identidade de gênero e proteção constitucional contra discurso de ódio, embora a discriminação e a violência contra as pessoas LGBTQ ainda são generalizadas. O movimento desafiou as noções tradicionais da Igreja Católica sobre a homossexualidade como pecado, os discursos médico-legais que consideravam as performances do mesmo sexo e não tradicionais como doenças, ideologias políticas conservadoras que privilegiavam a família heteronormativa e setores da esquerda que consideravam a homossexualidade um produto de “ decadência burguesa. ” Construída sobre uma longa história de resistência a imposições de heterossexualidade compulsória e papéis normativos de gênero, lésbicas, gays e pessoas trans formaram diversas comunidades durante a segunda metade do século 20 que ofereceram importantes redes de apoio. Eles também se apropriaram de espaços públicos para sexualidades dissidentes e performances de gênero. O carnaval se tornou um local privilegiado para subverter os papéis tradicionais de gênero. Ativistas gays pressionaram o governo a mudar as políticas conservadoras iniciais que lidam com o HIV / AIDS, e o Brasil se tornou um modelo internacional de combate eficaz à doença. As lésbicas lutaram dentro do movimento feminista pela aceitação e contra as normas sociais que as marginalizavam. Pessoas trans ganharam um respeito considerável e certos direitos. O movimento LGBTQ permanece diversificado na prática, composição e ideologias. Uma reação reacionária recente, que uniu católicos conservadores, cristãos evangélicos e forças políticas de direita, está tentando desfazer os avanços feitos desde o final dos anos 1970 em favor da tolerância social, respeito e igualdade.

Palavras-chave

Assuntos

No momento, você não tem acesso a este artigo

Conecte-se

Faça login para acessar o conteúdo completo.

Se inscrever

O acesso ao conteúdo completo requer uma assinatura

Impresso da Oxford Research Encyclopédias, Latin American History. De acordo com os termos do contrato de licença, um usuário individual pode imprimir um único artigo para uso pessoal (para obter detalhes, consulte a Política de Privacidade e Aviso Legal).


Povo brasileiro: origens, história, cultura e tradições

por VxMag

ArtigosRelacionados

Cidades russas: as 15 maiores

Os nomes russos mais comuns (significados e origens)

Em que continente fica a Rússia? Europa ou Ásia?

Povo basco: língua, origens, história e cultura

O povo brasileiro é conhecido pela alegria, pelo amor ao carnaval e pela paixão pelo futebol. Mas quem são os brasileiros? Qual é a sua origem e qual é a sua raça? Antes da chegada dos primeiros europeus em 1500, viviam neste território entre 3 e 4 milhões de indígenas. Mas com a chegada dos portugueses tudo mudou. Com eles vieram escravos africanos e mais tarde emigrantes de regiões tão diversas como Espanha, Alemanha, Itália, Síria, Líbano, China ou Japão. Ao contrário do que acontecia nos Estados Unidos, o casamento entre diferentes etnias era muito comum no Brasil, dando origem a uma maior diversidade racial. Descubra a origem do povo brasileiro, sua história, suas tribos e suas raças.

A) Povo Nativo Brasileiro

Povo nativo brasileiro

Antes da chegada dos portugueses ao Brasil já havia vários grupos indígenas habitando o território brasileiro. Diante dessa variedade, os índios brasileiros foram classificados de acordo com as diferentes línguas, quais sejam: tupi, macro-jê, aruak e karib. Observe abaixo as características das línguas e grupos indígenas que as falam:

A1) Tupi

Os grupos indígenas de língua tupi eram as tribos Tamoio, Guarani, Tupiniquim, Tabajara, etc. Todas essas tribos estavam na área costeira brasileira. Foram estes os primeiros índios a ter contacto com os portugueses que aqui chegaram. Essas tribos eram especialistas em caça, grandes pescadores e desenvolveram bem a colheita dos frutos.

A2) Macro-jê

Eles raramente eram encontrados na costa. Com exceção de algumas tribos da Serra do Mar, eles foram encontrados principalmente no planalto central. Nesse contexto, destacaram-se as tribos ou grupos: timbira, aimoré, goitacaz, carijó, carajá, bororó e botocudo. Esses grupos indígenas viviam nas proximidades das nascentes de riachos e rios, viviam basicamente da colheita de frutas e raízes e da caça. Esses grupos só entraram em contato com os brancos no século XVII, quando os colonizadores entraram no interior do país.

A3) Karib

Grupos indígenas que habitaram a região que hoje compreende os estados do Amapá e Roraima, também chamada de Baixo Amazonas. As principais tribos são os atroari e vaimiri & # 8211 estes eram muito agressivos e antropofágicos, o que significa que quando os nativos derrotavam seus inimigos, eles os comiam acreditando que poderiam absorver as qualidades daqueles que foram derrotados. O contato dessas tribos com os brancos ocorreu no século XVII, com as missões religiosas e a dispersão do exército pelo território.

A4) Aruak

Suas principais tribos eram aruã, pareci, cunibó, guaná e terena. Eles estão localizados em algumas regiões da Amazônia e na Ilha do Marajó. A principal atividade era o artesanato em cerâmica.

B) Brasileiros Brancos

A grande maioria dos brasileiros brancos é de origem europeia (ou descendente). No período colonial emigraram para o Brasil: espanhóis, holandeses, franceses, além de italianos e eslavos. A região Sul abriga grande parte da população branca da população brasileira, pois esses imigrantes ocuparam essa área. O conceito de & # 8220white & # 8221 no Brasil é diferente do que prevalece em outros países.

Povo Brasileiro Branco

Nos Estados Unidos, pessoas de ascendência europeia são historicamente consideradas brancas. No Brasil, isso não existe. De acordo com pesquisa realizada em 2000 no Rio de Janeiro, 52% dos entrevistados que se classificaram como brancos admitiram ter ancestrais africanos ou indígenas. Assim, no Brasil, é normal que as pessoas saibam que têm ascendência negra ou indígena, mesmo que se considerem brancas.

B1) Português Brasileiro

De acordo com a Constituição brasileira, o povo português tem um status especial no Brasil. O artigo 12, parágrafo primeiro da Constituição, concede aos cidadãos portugueses, com residência permanente no Brasil & # 8220, os direitos inerentes ao brasileiro & # 8221, excluídas as prerrogativas constitucionais do brasileiro nascido. Os requisitos para a concessão da igualdade são: local de residência habitual (permanente), maioridade e requerimento ao Ministério da Justiça.

Povo português brasileiro

No Brasil, os portugueses podem exigir tratamento igual no que diz respeito aos direitos civis e, além disso, podem solicitar a concessão dos direitos políticos concedidos aos brasileiros (exceto os direitos exclusivos para os nascidos no Brasil). Neste último caso, isso requer um mínimo de três anos de residência permanente. O uso da cidadania por cidadãos não brasileiros (neste caso, portugueses) é uma rara exceção ao princípio de que a nacionalidade é condição sine qua non para a cidadania, concedida aos portugueses & # 8211 com tratamento recíproco para brasileiros em Portugal & # 8211 devido à relação histórica entre os dois países.

B2) Brasileiro Europeu

Os primeiros europeus a chegar ao Brasil foram os portugueses. Posteriormente, por volta do século XIX, o governo brasileiro promoveu a entrada de grande número de imigrantes europeus e asiáticos. Na primeira metade do século XX, pelo menos quatro milhões de imigrantes desembarcaram no Brasil. Dentre os principais grupos humanos europeus, destacam-se: portugueses, espanhóis, italianos e alemães.

Povo Brasileiro Europeu

Os brancos sempre foram minoria durante todo o período colonial, nunca ultrapassando 30% da população como um todo, enquanto caboclos, negros, mulatos e índios representaram os 70% restantes. Apesar disso, a minoria branca sempre gozou de privilégios concedidos pela Coroa portuguesa. Os colonizadores brancos do Brasil sabiam de sua inferioridade numérica em comparação à população de escravos ou de cor livre e viviam com medo de uma possível & # 8220 rebelião negra & # 8221, semelhante ao que ocorreria no Haiti no final do século XIX. A posição dos brancos como setor dominante da sociedade colonial foi fortalecida por decretos reais e leis locais.

C) Pardo Brasileiro

No Brasil, Pardo é uma categoria étnica / cor da pele utilizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos censos brasileiros. O termo & # 8220pardo & # 8221 é complexo, mais comumente usado para se referir a brasileiros de ascendência étnica mista. Os pardos brasileiros representam uma ampla gama de cores de pele e origens. Eles são tipicamente uma mistura de brasileiros brancos, afro-brasileiros e nativos brasileiros. Pardo tem sido usado, de forma mais restrita, para indicar tonalidades da cor da pele entre o branco e o preto.

Povo pardo brasileiro

O registro mais antigo da palavra & # 8216pardo & # 8217 na história do Brasil encontra-se na carta de Pero Vaz de Caminha durante a chegada dos portugueses ao Brasil em 1500, liderada pelo explorador Pedro Álvares Cabral. Relatou ao rei de Portugal, D. Manuel, que os índios eram castanhos, um tanto avermelhados, com caras boas e narizes bonitos, bem feitos. & # 8221 De forma sucinta, a maioria dos brasileiros que se qualificam como pardos usam os mesmos critérios como aqueles que eram classificados como mestiços nos antigos censos: são pessoas de ascendência mista, em decorrência de quinhentos anos de miscigenação entre índios, brancos e negros.

D) Pessoas Afro Brasileiras

O Brasil recebeu cerca de 38% de todos os escravos africanos que foram trazidos para a América. O número total de africanos subsaarianos que chegaram ao Brasil tem estimativas muito diferentes: alguns citam mais de três milhões de pessoas, outros quatro milhões. Estima-se que de 1.501 a 1866, 5.532.118 africanos foram embarcados na África para o Brasil, dos quais 4.864.374 chegaram vivos (667.696 pessoas morreram em navios negreiros na rota África-Brasil). O Brasil foi de longe o país que mais recebeu escravos do mundo.

Povo Afro Brasileiro

One of the main characteristics of the Afro-Brazilian culture is that there is no cultural homogeneity throughout the national territory. The distinct origin of the Africans brought to Brazil forced them to appropriations and adaptations so that their cultural practices and representations survived. Thus, it is common to find the African cultural heritage represented in new cultural practices. African manifestations, rituals and customs were forbidden. They only stopped being persecuted by the law in the decade of 1930, during the New State of Getúlio Vargas. The two most prominent and influential groups in Brazil are: the Bantos, brought from Angola, Congo and Mozambique the Sudanese, from West Africa, Sudan and the Guinea Coast.

E) Asian Brazilian People

Brazil received many immigrants from Asia, from both the Middle East and East Asia. The first Asian immigrants who arrived in Brazil were a small number of Chinese (3,000) during the colonial period. However significant immigration from Asia to Brazil began in the late nineteenth century when immigration from Lebanon and Syria became important. Most Asian Brazilians have roots in East Asia, most of them Japanese. The first Japanese immigrants arrived in Brazil in 1908. Until the 1950s, more than 250,000 Japanese immigrated to Brazil. Currently, the Japanese population in Brazil is estimated at 1.5 million people.

E1) Japanese Brazilian People

The end of feudalism in Japan generated great poverty in the rural population, so many Japanese began to emigrate in search of better living conditions. By the 1930s, Japanese industrialisation had significantly boosted the population. However, prospects for Japanese people to migrate to other countries were limited. The US had banned non-white immigration from some parts of the world on the basis that they would not integrate into society this Exclusion Clause, of the 1924 Immigration Act, specifically targeted the Japanese. At the same time in Australia, the White Australia Policy prevented the immigration of non-whites to Australia.

Japanese Brazilian People

In 1907, the Brazilian and the Japanese governments signed a treaty permitting Japanese migration to Brazil. This was due to the decrease in the Italian immigration to Brazil and a new labor shortage on the coffee plantations. The first Japanese immigrants (790 people – mostly farmers) came to Brazil in 1908 on the Kasato Maru. About half of these immigrants came from southern Okinawa. They travelled from the Japanese port of Kobe via the Cape of Good Hope in South Africa. Many of them became owners of coffee plantations. In the first seven years, 3,434 more Japanese families (14,983 people) arrived. The beginning of World War I in 1914 started a boom in Japanese migration to Brazil such that between 1917 and 1940 over 164,000 Japanese came to Brazil, 75% of them going to São Paulo, where most of the coffee plantations were located.

Questions about the Brazilian People

1. Are Brazilians a mixed race?

The answer to this question is not simple because the definition of “white” used by Brazilians is not the same as in other countries. 43% of Brazilians identify themselves as “pardos”, the term used in Brazil to define someone of mixed race. Almost half of Brazil’s population identifies itself as white, even though it has close ascents of other races or ethnicities. The miscegenation was very intense in Brazil for cultural reasons (the Portuguese are less adverse to interracial relations than the English, for example) and for practical reasons. The colonization of Brazil was done mainly by single men and these, if they wanted to have a family, their only option would be to choose native or black women.

2. Are Brazilians considered Portuguese?

A large part of the Brazilians have Portuguese ancestry but that does not mean that they are Portuguese. However, both have a unique system in the world regarding the recognition of nationalities. The Portuguese living in Brazil have a privileged status that allows them to have access to the same laws, rights and privileges as the rest of Brazilians, except in some cases registered in the Brazilian Constitution that guarantee unique rights for people born in Brazil. In turn, Brazilians who descend from Portuguese can acquire Portuguese nationality very easily, thus having access to all the benefits provided for Portuguese citizens.

3. Are the Brazilians Latino?

No, they’re not. At least according to the most common definition used in the United States to define a Latino. In Europe, Latinos are all those who speak a language that descends from ancient Latin because they were part of the Roman Empire. According to this definition, the Portuguese, the Spaniards, the French, the Italians, and the Romanians are Latinos. According to the American definition of Latino, Latinos are those who live in Central and South America and who speak Spanish. Therefore, Brazilians (who speak Portuguese) are not considered Latinos.

4. Who originally lived in Brazil?

Some estimates indicate that the number of inhabitants in Brazil before the arrival of the Portuguese would be 3 to 4 million people. The clash of civilizations has led to a sharp decline in the indigenous population and today its number is only 280000 people. There were hundreds of different tribes but they could be divided into 4 linguistic groups. Some of these tribes have been completely extinct and others are on the verge of extinction. According to the most accepted theory, the Brazilian natives would have arrived in the territory that today is Brazil 48 thousand years ago and would have originated in migrations coming from Asia through the Strait of Bering. The Brazilian tribes that had the first contact with the Europeans were those who lived in the coastal zone. The tribes of Amazonia only had contact with the first whites about 100 or 200 years after the discovery of Brazil. Some of the most relevant and populous Brazilian tribes are the Guarani, the Yanomami and the Tikuna.


1950 World Cup was hosted by Brazil, and marks an important year for Brazil soccer history.

This world cup will always be remembered by the spectacle in the final between Brazil and Uruguay.

The final game was played in front of 200,000 people, still a record to this day, however it also marked a sad day in Brazilian soccer history as they lost the game to Uruguay 2-1.

As the years passed and the sport evolved, Brazil history is filled with great Brazilian soccer players that were magicians with the soccer ball and joy to watch.

It took only 8 years after hosting the 1950's World Cup spectacle for Brazil to produce one of the best soccer players of all time, Edison Arantes do Nascimento or better known as PELE.

This 17 year old wonder kid came to play and win games during the 1958 World Cup where he managed to lead Brazil to winning their first World Cup Trophy, writing another part of soccer history in Brazil.

Pele managed to score twice during the final match played against Sweden, to help Brazil win their first World Cup.

He helped put soccer in every alley, backyard, work yard, school, park and everywhere else two goals could be set up to get a game going.

Pele is considered as one of the greatest players in soccer history.

Every kid wanted to be Pele and every father wanted their son to be the next Pele.

Many people from Brazil say that the first gift for Brazilian boys is a Soccer ball :)

Brazil soccer history also shows that all Brazilian players built their technical skills and the foundation for this sport through playing Futsal or small sided street soccer games when growing up.

Ability with the ball that we see from the Brazilian soccer players is simply  "MAGIC".

Small sided games (Street Soccer) are played everywhere in Brazil. 

Players get more touches and less time on the ball, over time developing superb ball control.

Brazil soccer history includes 5 World Cup titles to date, and great soccer players that came from this country including Original Ronaldo, Bebeto, Cafu, Ronaldinho, Adriano, Romario, Zico, Rivelino, Garrincha, Roberto Carlos, Dunga, Kaka and many more.

A lot of players throughout Brazilian soccer history came from the streets of Brazil, which is where the roots of every Brazilian soccer players are.

This game served as a way out of poverty for many players, including Pele.

"I learned all about life with a ball at my feet." A cool quote by another great Brazilian Ronaldinho.

Brazil holds 5 World Cup Titles, 3 of them with Pele.

This is a Country known for the yellow color filling the stands and supporting the greatness we are about to witness on the pitch.

For more information on Brazilian Soccer History visit Brazilian Football.

History of Soccer

Soccer Word Origin comes from shortening Football Association. Read more about the origin of the word soccer, and how Football Association ended up simply Soccer. 

Who Invented Soccer? Where was the first soccer ball kicked with purpose to score a goal? When did the game get organized with a much needed rules?

Soccer Quotes to inspire, educate, motivate, laugh, think etc.

Soccer Ball History shows when the first soccer ball was invented, and where it originated.

History of soccer in America goes back much further than I originally thought.

Brazil Soccer History is filled with great moments, trophies, and great soccer players.

Mexico Soccer History is not as rich, as many other Central, and South American Countries.

Italian Soccer History is filled with trophies, great players, and many scandals.

England Soccer History is very old, and dates back to 1324, when a young man got hurt during a game as he kicked the ball.

Soccer Timeline takes you through the history of soccer, and important years throughout soccer history.

History of Soccer Cleats dates back to 1525, when the first pair of soccer cleats were discovered in England's King Henry VIII wardrobe.

World Cup History Timeline covers all the important years, dates, and information about the greatest tournament ever organized. World Cup is played every 4 years, in a different Country.


An In-depth Look at the Carnival History

The Carnival History of Brazil is quite intriguing and informative. The first pre Lent carnivals happened in Italy. Carnival came from the word Carne Vale which translates to ‘Goodbye to Meat”. Since then the term carnival was used to signal the start of a 40 day abstinence period known as Lent.

Ramon Moreira | Bookers International

The carnivals that were conducted in Italy were quite similar to the carnivals in South America, minus all the wild partying and Samba music. The carnivals of Italy were simple costumed festivals which were accompanied by merry making and music. The practice of the carnivals first spread to Spain, France, and other European countries and then it reached the Americas and spread into Portugal and Brazil.

The African influence

Although the practice of carnivals originated from Europe, African influence is evident in the Brazil carnivals that we see today. Carnival history dictates that this began when Brazil became a colony of Portugal. Due to the African slave trade, the carnivals adapted the tribal practices which included parading around the village which was actually done to ward off all the bad spirits in the area. People began to use costumes and tribal masks during the celebrations. Feathers were also used in many of the African costumes and this symbolized rebirth and the rise of the spirits which are also important components of the modern day Brazilian carnival.

The birth of Samba in Brazil

In Brazil, places like Praca Onze and Cidade Nova are considered as the heart of Samba dance and music. According to Carnival history, back in the 1600s slave trading was practiced in South America. The slaves that came to Brazil brought with them their culture and love for music. As time went by, slaves who originated from Angola and West Africa started to mingle with the locals of Brazil and shared with them their love for Samba. Since then Samba has become an integral part of the Brazilian Carnival.

The Samba Schools of Brazil

One of the most important moments in carnival history happened in the early 1920s when Samba started to become popular among the locals of Brazil. People who had a passion for samba, whether it be dance or the music itself, started to meet up with each other and started forming clubs and groups to share and enhance their love for Samba.

Brasiliana Fotográfica

These small social gatherings then evolved into associations that we know off today. As time went by, the leaders of each Samba school decided to hold competitions to develop a healthy competition between each school and to promote each school’s love for Samba. According to carnival history it was in 1932 when the very first Samba School Parade happened. The Association of Schools of Samba City was also created and they now organize the parades at the Rio Carnival.

The Sambodromo

The Sambodromo is the heart of the Rio Carnival. It is where all 13 top Samba Schools will perform and show the audience which Samba School is the best. In the olden days, the parades where not held at a Sambadrome or any specific location.

Ramon Moreira | Bookers International

The parades were held in the old streets of Rio. But because of the improvement of the performances, the Governor of Rio commissioned the Sambadrome and was this venue was first used in the 1984 Brazil Carnival. The Sambodrome is composed of stands and a 700 meter avenue where you will find food courts and waiting areas. The Samba carnival that we know off today is the result of continued improvement. The Carnival in Brazil is one of the most popular Carnivals to attend and is also known for impeccable performances, groovy samba music, and colorful costumes.


Brazilian History

The indigenous Indian population in Brazil was widely scattered when Admiral Pedro Cabral, a Portuguese explorer, reached the coast of Brazil on April 22, 1500. During the first permanent Portuguese settlement in Brazil history the Portuguese found a widely scattered group of about one million people, all indigenous to the country. The initial important economic cycle in Brazil history was based upon sugarcane which was in great demand in Europe at the time. The sugarcane fields which were found along the coastline were worked fiercely by native labor and so sugarcane planted its roots in Brazilian economy and society with many people prospering greatly from the crop. Once the Portuguese realised that the number of indigenous people they had toiling in the fields for them would not be enough they started importing millions of slaves from Africa and history began writing quite an interesting story.

According to Brazilian history the field laborers and common slaves became really unhappy with their situations and started revolting against their superiors. They started escaping from the plantations and tried to build their own settlements in more secluded regions so they could have their own communities. The largest settlement of runaway slaves in the Americas was in the 1670's and 1680's and grew into a kingdom of roughly 30,000 people. Eventually the settlements that the previous slaves erected were destroyed by armed troops and government which in some cases ended in violence and bloodshed. The end of slavery as it was known ended in 1888 and by then the Africans had started to mix with the European Brazilian population through work rights and and basic merging of cultures and they became a significant section of the Brazilian population.

In Brazilian history during the first two centuries of the colonial period, other European powers took a stab at establishing their own colonies in several areas of Brazilian territory. There was a major attraction to the abundant natural resources and massive area of virgin land. As the history of colonial Brazil played out, Spanish and Portuguese looked for new land to colonize in defiance of the Treaty of Tordesillas, which essentially created a deep rift between the Portuguese and the Spanish.. From 1555 to 1567 French colonists made an attempt to settle in present-day Rio de Janeiro and again from 1612 to 1614 in the area which is now São Luís.

Brazil Map

In the history of colonial Brazil their was yet another invasion, this time by the Dutch. This attempt the Dutch made at colonizing the area went on for some time was seen as a major problem to the Portuguese who had already settle on the land and thought of it as exclusively theirs. . The Dutch began pillaging the coast and between 1630 and 1654 and they managed to set up a more permanent and well controlled stretch of the coast. The Dutch receded from the area in 1661 after many years of open and sometimes vicious war. The initial Brazil attraction was said to be the tropical soil as it was believed to be extremely fertile according to the first Portuguese settlers. In present day Brazil's soils produce 70 million tons of grain crops per year but the output is attributed more to the amount of land being worked and not so much because of the fertility of the soil. A more present-day Brazil attraction would include their plentiful natural resources which are in abundance and consist of timber, petroleum, uranium, tin, platinum, phosphate, nickel iron, ore, gold and bauxite.


Assista o vídeo: 500 Anos em 1 Hora. História do Brasil