O jogo do ódio (Gilles de Becdelièvre)

O jogo do ódio (Gilles de Becdelièvre)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Com seu último romance "O jogo do ódio", o autor da Vendéia Gilles de Becdelièvre encena a França de 1659. Nos papéis principais: a regente Ana da Áustria, o cardeal de Mazarin, Fouquet e Colbert, que se despedaçam num país à beira da ruína e que aqui descobrimos aspectos pouco conhecidos das suas personalidades. Uma obra que assume um sabor muito particular face à actualidade e aos costumes políticos contemporâneos ...

1659, a França está à beira da falência: a guerra com a Espanha ainda não terminou, os impostos são pagos apenas pelos pequenos e as receitas mal cobrem um terço das necessidades de financiamento do país. O rei Luís XIV é jovem; Ana da Áustria, o regente, tem pouco conhecimento dos assuntos de Estado.

Só Mazarin é capaz de governar o país, graças aos seus dois “conselheiros” Fouquet, co-superintendente de finanças e Colbert, secretário onipresente encarregado dos assuntos pessoais do cardeal. Esses três personagens que trabalham para a França são ambiciosos, querem poder, se odeiam, mas são indispensáveis ​​um ao outro tendo apenas uma coisa em comum: a necessidade cada vez maior de dinheiro, para as necessidades do Estado, enquanto cada um fica mais rico no processo! Enquanto Fouquet é charmoso e gracioso, Mazarin é corretivo e Colbert ataca e observa nas sombras.

Com base em trechos de Memórias, cartas e testemunhos, Gilles de Becdelièvre conta-nos de maneira muito viva e, portanto, muito interessante, este período da história da França, de janeiro de 1659 a setembro de 1661, na forma de uma tragédia em dois. atos, resultando no fim de Fouquet e no advento de Colbert. Ao longo desta obra, que por vezes vira comédia, o ódio instala-se entre estes personagens e não passa de travessuras, armadilhas, desfalque de uns descobertos por outros, desfalque e tráfico a serviço de ambas as partes, denúncias de outros. alguns, demonstração de charme e lisonja para os outros.

Qualquer semelhança com pessoas ou situações existentes só pode ser pura coincidência ... e ainda!

O Jogo do Ódio, de Gilles de Becdelièvre. Edtions Télémaque, outubro de 2014.


Vídeo: Jogo da Vida com Bella Marcatti! Luz, Câmera, Comédia!


Comentários:

  1. Quennel

    Eu acho que isso é uma boa idéia. Concordo com você.

  2. Kejin

    Eu compartilho sua opinião plenamente. A ideia é ótima, eu a apoio.

  3. Dakazahn

    É difícil dizer.

  4. Fejind

    An aspiring radio operator got the SOS signal wrong ... If you find four balls and two dicks in your house - don't flatter yourself, you just get fucked in the ass. ... Programmers don't die ... they lose their memory ... Acceleration: what our fathers can do, we don't give a damn. the forest was smoked ...

  5. Osckar

    Quero dizer, você está errado. Entre vamos discutir. Escreva para mim em PM.

  6. Abraham

    Esta informação é verdadeira



Escreve uma mensagem