Lauchlin Currie

Lauchlin Currie


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Lauchlin Currie nasceu em 1902 em West Dublin, Canadá. Seu pai era operador de frota mercante e sua mãe, professora primária. Após dois anos na St. Francis Xavier University em Nova Scotia (1920-1922), mudou-se para a Inglaterra para estudar na London School of Economics (LSE), onde foi influenciado por economistas de esquerda como Graham Wallas, Hugh Dalton, Richard Tawney e Harold Laski. Currie também foi apresentado às teorias de John Maynard Keynes.

Em 1925, Currie mudou-se para a Universidade de Harvard. Currie perdeu a maior parte do dinheiro dele e de sua família no acidente de Wall Street em outubro de 1929. Seu doutorado A tese, Ativos Bancários e Teorias Bancárias foi concluída em janeiro de 1931. De acordo com Svetlana Chervonnaya, em dois artigos publicados em 1933 O Tratamento do Crédito na Teoria Monetária Contemporânea e Dinheiro, Ouro e Receitas nos Estados Unidos, 1921-32 ", enfatizou Currie a importância do controle sobre a quantidade de dinheiro, em oposição à quantidade ou qualidade do crédito ou empréstimos, e calculou a primeira estimativa da velocidade de renda do dinheiro nos Estados Unidos. " Um de seus alunos foi Paul Sweezy.

Marriner Eccles, que trabalhou para o secretário do Tesouro Henry Morgenthau, foi muito influenciado pelas idéias de Currie, que trabalhou para ele como conselheiro. Eccles foi perante o Comitê de Finanças do Senado em 1933. De acordo com Patrick Renshaw, o autor de Franklin D. Roosevelt , obras públicas, o plano de distribuição interno e refinanciamento de hipotecas agrícolas, enquanto cancelam o que restou da dívida de guerra. "

Currie publicado O Fornecimento e Controle de Dinheiro nos Estados Unidos em 1934. Em novembro de 1934, o presidente Franklin D. Roosevelt nomeou Marriner Eccles governador do Federal Reserve Board. Como William E. Leuchtenburg, autor de Franklin D. Roosevelt e o New Deal (1963), observou: "Eccles mal havia assumido o cargo quando ajudou a redigir uma nova lei bancária que exigia a primeira revisão radical do Sistema da Reserva Federal desde sua adoção em 1913. Eccles desejava colocar o controle do sistema no Casa Branca; diminuir a influência dos banqueiros privados, que ele acreditava terem assumido o sistema; e usar o Conselho de Reserva como uma agência para o controle consciente do mecanismo monetário. A conta bancária de 20.000 palavras introduzida em fevereiro de 1935, refletia o pensamento de Eccles e de alguns membros de sua equipe, especialmente o keynesiano Lauchlin Currie. "

Em 1935, Currie e Eccles redigiram um novo projeto de lei bancário para garantir uma reforma radical do banco central pela primeira vez desde a formação do Federal Reserve Board em 1913. Ele enfatizou os déficits orçamentários como uma forma de sair da Grande Depressão e foi ferozmente resistido por banqueiros e conservadores no Senado. O banqueiro, James P. Warburg, comentou que a conta era: "Curried Keynes ... um grande pedaço de J. Maynard Keynes cozido pela metade ... generosamente temperado com um molho preparado pelo professor Lauchlin Currie." Com forte apoio dos banqueiros da Califórnia, ansiosos por minar o domínio do sistema bancário nacional em Nova York, o Ato Bancário de 1935 foi aprovado pelo Congresso.

Em julho de 1939, o presidente Franklin D. Roosevelt nomeou Currie como seu conselheiro especial para assuntos econômicos e se tornou o primeiro economista da Casa Branca. Em 28 de janeiro de 1941, Currie foi enviado em uma missão a Chungking, China, para encontrar Chiang Kai-shek. Em seu retorno, Currie recomendou que a China fosse incluída no programa de Lend-Lease do governo. Ele foi encarregado da administração do programa de 1941 a 1943. Ele também esteve envolvido na criação da força aérea voluntária americana como os Tigres Voadores para lutar pela China na guerra contra o Japão.

Após a morte de Franklin D. Roosevelt, Currie não se juntou ao governo Harry S. Truman. Em vez disso, ele estabeleceu seu próprio negócio de importação e exportação, Lauchlin Currie & Company na cidade de Nova York. Este empreendimento não teve muito sucesso e sua situação não foi melhorada quando Elizabeth Bentley e Whittaker Chambers afirmaram que Currie fazia parte de uma rede de espionagem chefiada por Nathan Gregory Silvermaster. Currie compareceu perante o Comitê de Atividades Não Americanas (HUAC) em 13 de agosto de 1948. Ele negou essas reivindicações e nenhuma acusação criminal foi movida contra ele.

Em 1950, ele foi convidado para chefiar a primeira das pesquisas gerais de país do Banco Mundial, na Colômbia. Após a publicação, ele foi convidado pelo governo colombiano a retornar como assessor na implementação das recomendações do relatório. Ele aceitou o cargo e em 1954 se casou com uma mulher local. Currie foi chamado para comparecer perante o Comitê McCarran e, quando se recusou a testemunhar, perdeu sua cidadania americana.

As alegações de Elizabeth Bentley e Whittaker Chambers foram investigadas por um ex-oficial da KGB, Julius Kobyakov: "Eu entendo que Currie ou Harry Dexter White, que foram rotulados de subversivos na era McCarthy e estigmatizados novamente pelos telegramas da VENONA, dificilmente seriam considerados heróis do atual estabelecimento histórico americano. Mas se uma opinião profissional for necessária, quanto a se essas pessoas eram agentes soviéticos, minha resposta é não. É fácil falar mal das pessoas que não podem mais se defender e ignorar o fato de que eles, à sua maneira, podem ter ajudado a coalizão anti-Hitler a vencer a guerra mais sangrenta da história. "

Lauchlin Currie morreu de ataque cardíaco em Bogotá, Colômbia, em 23 de dezembro de 1993.

No final dos anos 80, fiz uma extensa pesquisa sobre os materiais de arquivo relacionados ao nosso trabalho de inteligência nos EUA nas décadas de 30 e 40. Do ponto de vista científico / histórico isso era virtual “terra incógnita”, mas o meu interesse não era puramente académico. Naquela época, como vice-chefe do departamento americano, eu estava interessado em utilizar qualquer experiência positiva que pudesse ser adquirida com o estudo desses arquivos. No topo da minha lista estavam, naturalmente, os casos de nossa “penetração” da Casa Branca, do Estado, do Tesouro, etc. Nesse contexto, examinei os arquivos de Lauchlin Currie (PAGE) e Harry Dexter White (LAWER / YURIST ) e ficou desapontado.

Não havia nada no arquivo PAGE que sugerisse que ele algum dia colaborou intencionalmente com a inteligência soviética. O próprio arquivo foi montado no final dos anos 40, quando o dano, causado pelas deserções de Bentley e Chambers, estava sendo acessado.

Na verdade, Currie não era mais do que uma sub-fonte (se minha memória não me falha - na órbita de Nathan Silvermaster). No entanto, no espírito do machismo, muitas pessoas afirmaram que tínhamos um “agente” na Casa Branca. Eu acredito, Akhmerov, como qualquer outra pessoa, era propenso a essa fraqueza. Conseqüentemente, a referência de Gordievsky às suas conversas com Akhmerov sobre esse assunto deve ser considerada como uma pá de sal.

Igualmente inexpressivo era um arquivo em White. Não havia registro de que alguém o tivesse lançado ou recrutado de outra forma e estabelecido os termos de sua cooperação com a inteligência soviética. Não havia nada na forma de arranjos de comunicações clandestinas, etc. Branco, para todos os fins práticos, pode ser categorizado como uma subfonte, o que não necessariamente denigre a qualidade e o valor das informações que foram atribuídas a ele.

Mas para categorizar um indivíduo como agente ou espião é preciso provar que ele cooperou “intencionalmente” com o “serviço de inteligência estrangeiro” e “cumpriu as tarefas” que lhe foram atribuídas. É assim que a inteligência soviética define seus agentes e, acredito, que a inteligência americana funciona da mesma forma.

Entre os membros da minha profissão há uma questão sacramental: “Ele sabe que é nosso agente?” Há fortes indícios de que nem Currie nem White sabiam disso.


Três Cavalheiros de Venona

15 de março de 2001

Inscrever-se para A nação

Pegue A naçãoNewsletter Semanal

Ao se inscrever, você confirma que tem mais de 16 anos e concorda em receber ofertas promocionais ocasionais para programas que oferecem suporte A naçãoJornalismo de. Você pode ler nosso Política de Privacidade aqui.

Junte-se ao Boletim Informativo de Livros e Artes

Ao se inscrever, você confirma que tem mais de 16 anos e concorda em receber ofertas promocionais ocasionais para programas que oferecem suporte A naçãoJornalismo de. Você pode ler nosso Política de Privacidade aqui.

Inscrever-se para A nação

Apoie o jornalismo progressivo

Inscreva-se hoje no nosso Wine Club.

Três Cavalheiros de Venona

Enquanto Stephen Schwartz faz um bom trabalho destruindo o livro Venona de Herbert Romerstein e Eric Breindel, ele elogia o livro Venona de John Earl Haynes e Harvey Klehr [& # 8220A Tale of Two Venonas, & # 8221 Jan. 8/15] . Mas nenhum dos livros questiona a precisão das descriptografias. Todos os autores presumem que a Agência de Segurança Nacional publicou uma verdadeira descriptografia dos cabos soviéticos. Essa suposição é bastante notável em vista da história passada da NSA, que não deu aos estudiosos a oportunidade de verificar a precisão das descriptografias.

A identificação dos indivíduos com nomes falsos pela NSA & # 8217s é outra área questionável. Por exemplo: Os nomes falsos Antena e Liberal, que a NSA disse identificarem Julius Rosenberg, foram inicialmente atribuídos a um Joseph Weichbrod, e foi somente depois que David Greenglass, cunhado de Julius & # 8217s, foi preso, que a NSA disse , Ops, cometemos um pequeno erro. Estranhamente, eu, um espião condenado de boa fé, não pude ser encontrado em lugar nenhum entre as centenas de espiões identificados, mas isso não foi por falta de julgamento.

Em um memorando muito sincero de 13 de maio de 1950, que o FBI nunca pensou que veria a luz do dia, ele escreve sobre Venona: & # 8220A natureza fragmentária das próprias mensagens, as suposições feitas pelos criptógrafos, ao quebrar as próprias mensagens , e as interpretações e traduções questionáveis ​​envolvidas, além do uso extensivo de nomes falsos para pessoas e lugares, tornam o problema da identificação positiva extremamente difícil. & # 8221 Nunca se saberia disso pela maneira como todos os autores escrevem sobre os cabos descriptografados de Venona .

A importante questão de por que a NSA trouxe o FBI para o projeto deve ser examinada. Certamente, o FBI não tinha experiência em descriptografia além da NSA. O papel do FBI era tentar comparar seus arquivos com a & # 8220a natureza fragmentária das mensagens. & # 8221 E como um exemplo de sua experiência neste jogo, não é preciso ir além do caso Weichbrod citado acima. Tentei obter algumas descrições relacionadas ao meu caso que estavam disponíveis antes de o FBI entrar na arena, mas sem sucesso. Meio século depois, a NSA afirma que permitir que eu veja esses arquivos exporia seus métodos de descriptografia.

São as questões fundamentais relacionadas às descriptografias da NSA & # 8217s que parecem estar fora dos limites para aqueles que escrevem sobre Venona.

Açoitar um livro não confiável sobre Venona com outro, como fez Stephen Schwartz, levanta dúvidas sobre toda a sua discussão. Claro que o livro de Herbert Romerstein, dada a sua autoria, não é credível. Mas a arma escolhida por Schwartz contra ela, um livro de John Earl Haynes e Harvey Klehr, também falhou no teste de probidade e precisão.

Considere, por exemplo, como Haynes e Klehr tratam os casos de três New Dealers: Lauchlin Currie, Harry Dexter White e Alger Hiss. Currie, um canadense formado pela London School of Economics e Harvard, foi o primeiro economista profissional a servir na Casa Branca. Haynes e Klehr usam decodificações Venona de cabogramas soviéticos da Segunda Guerra Mundial para traduzir Currie como um espião para a União Soviética. No processo, Haynes e Klehr entendem seus fatos de maneira errada, retêm fatos relevantes e avaliam as evidências apenas de um lado. Eles sugerem que Currie tentou matar o projeto Venona antes que ele revelasse o tráfego de cabos soviéticos, mas eles ocultam os fatos que expõem sua afirmação como incrível, senão absurda. Afirmam falsamente que Currie fugiu dos Estados Unidos e renunciou à cidadania, quando na verdade voltou à Colômbia com um contrato de dois anos para assessorar o governo na implementação das recomendações de uma missão do Banco Mundial, casou-se com um colombiano e não pôde renovar seu passaporte porque ele residia principalmente na Colômbia (uma base para a não renovação para um cidadão americano naturalizado na época). Para mais informações, consulte Roger Sandilands, & # 8220Guilt by Association? Lauchlin Currie & # 8217s Suposto Envolvimento com Economistas de Washington na Espionagem Soviética, & # 8221 História da Economia Política (Outono de 2000).

Harry Dexter White foi secretário assistente do Tesouro sob FDR e Truman. Em 1941, quando a Rússia foi duramente pressionada em sua frente ocidental contra a Alemanha nazista, o general da KGB Vitaly Pavlov se encontrou com White para almoçar em um restaurante em Washington para pedir aumento da pressão dos EUA sobre o Japão para impedi-lo de atacar as fronteiras do Extremo Oriente da Rússia. Recontando o evento em Operação Neve (1995-96), Pavlov descreve White como um americano patriótico e & # 8220nunca um de nossos agentes. & # 8221 Haynes e Klehr caracterizam o encontro de White & # 8217s com Pavlov (cujo primeiro nome eles erraram) como & # 8220clandestino & # 8221 e , com base em dezenas de documentos de Venona que eles interpretaram erroneamente fora do contexto, nomeie White & # 8220A Espião Mais Altamente Colocado. & # 8221 Para obter mais detalhes, consulte James Boughton, & # 8220The Case Against Harry Dexter White: Still Not Proven, & # 8221 próximo em História da Economia Política (Verão de 2001).

Quanto a Alger Hiss, Haynes e Klehr afirmam que Venona confirma sua culpa porque ele era & # 8220Ales & # 8221 o apelido de um espião descrito em um cabograma de Venona. Fatos que virtualmente impedem tal identidade (entre outros, que Ales era um líder de grupo de inteligência militar e obteve apenas informações militares, enquanto Hiss foi acusado de agir sozinho e obter apenas informações não militares do Departamento de Estado) Haynes e Klehr simplesmente ignoram. Eles também afirmam que o irmão de Alger, Donald, espionou com ele, mas não revelam que mesmo o acusador de Alger & # 8217, Whittaker Chambers, negou que Donald era um espião, nem há vestígio de que ele fosse. Para obter mais informações, consulte meu artigo & # 8220Venona and Alger Hiss & # 8221 em Inteligência e Segurança Nacional (Outono de 2000) e no site do British Universities Film & amp Video Council, www.bufvc.ac.uk, sob & # 8220publications & # 8221 e & # 8220viewfinder. & # 8221

Haynes e Klehr não originaram a prática de interpretar mal os documentos da Venona para apoiar conclusões errôneas. A prática foi iniciada pelo FBI depois que se juntou à equipe Venona em 1948, e foi subsequentemente usada em incontáveis ​​alvos. No início dos anos 1960, por exemplo, os documentos de Venona ajudaram a convencer o chefe da CIA e o caçador de toupeiras James Jesus Angleton, da própria CIA & # 8217, de que o ex-governador de Nova York e embaixador na Rússia Averell Harriman era um agente soviético. Haynes e Klehr simplesmente entraram no movimento trinta anos depois.

Se Schwartz tivesse aplicado ao livro de Haynes e Klehr as mesmas faculdades críticas que aplicou a Romerstein, ele teria descoberto que ambos os livros não são totalmente confiáveis.


Lauchlin Bernard Currie

Lauchlin Bernard Currie (født 8. oktober 1902 i New Dublin i Nova Scotia i Canada, død 23. desember 1993 i Bogotá i Colombia) var en kanadisk-amerikansk økonom og påstått sovjetisk agent.

Currie estudou pela London School of Economics e foi disputado pela Harvard University. Han tjenestegjorde som økonomisk rådgiver para o presidente Franklin Roosevelt sob andre verdenskrig. De 1949 a 1953 ledet han et stort oppdrag para Verdensbanken i Colombia, og ble colombiansk statsborger etter nos EUA hadde nektet å fornye hans pass 1i 954 etter em han hadde avslørt amerikanske koblinger até Nazi-Tyskland. [ trenger referanse ]

Informasjon fra Venonaprosjektet viser at han hadde overført informasjon to sovjetisk etterretning i sin tid on Roosevelts assistent. [ trenger referanse ]


por Irwin Collier 5 anos atrás

Poucos personagens na história da economia são tão estimulantes quanto aqueles que historiadores sérios concluíram que de fato passaram materiais confidenciais para a União Soviética, a saber, Lauchlin Currie e Harry Dexter White. Antes de crescerem e se tornarem economistas com carteirinha, eles também já foram estudantes de pós-graduação. Aqui, do Exame Geral de Harvard para o Grau de Ph.D. temos seus respectivos comitês de exame, históricos acadêmicos, campos de assuntos e assuntos / orientadores de teses.

Lauchlin Currie recebeu seu doutorado em Harvard. em 1931 com a dissertação “Ativos Bancários e Teoria Bancária”.

Harry Dexter White recebeu seu Ph.D. em Harvard. em 1930 com a dissertação “The International Balance of Payments for France, 1880-1913.”

A partir de:
Divisão de História, Governo e Economia, Exames para o Grau de Ph.D., 1926-27, pp. 10-11.

21. Lauchlin Bernard Currie.

Exame Geral em Economia, segunda-feira, 11 de abril de 1927.

Comitê: Professores Young (presidente), Burbank, A. H. Cole, Usher e Wright.

História Acadêmica: St. Francis Xavier College, 1921-22 London School of Economics, 1922-25 Harvard Graduate School, 1925-. B.Sc., Londres, 1925

Assuntos Gerais.

1. Teoria Econômica.
2. História econômica desde 1750.
3. Finanças públicas.
4. Comércio Internacional e Política Tarifária.
5. História da Teoria Política.
6. Dinheiro, serviços bancários e crises.

Assunto Especial: Dinheiro, bancos e crises.

Assunto da Tese: Monetary History of Canada, 1914-26. (Com o professor Young.)

23. Harry Dexter White.

Exame Geral em Economia, quinta-feira, 14 de abril de 1927.

Comitê: Professores Taussig (presidente), Dewing, Elliott, Monroe e Usher.

História Acadêmica: Columbia University, 1921-23 Stanford University, 1924-25 Harvard Graduate School, 1925-. A.B., Stanford A.M., ibid., 1925. Instructor in Economics, Harvard, 1926-.

Assuntos Gerais.

1. Teoria Econômica e sua História.
2. Dinheiro, serviços bancários e crises.
3. História econômica desde 1750.
4. Economia das Corporações.
5. História da Teoria Política.
6. Comércio Internacional.

Assunto Especial: Comércio internacional.

Assunto da Tese: Comércio Exterior da França. (Com o professor Taussig.)

Fonte: Arquivos da Universidade de Harvard. HUC7000.70. Harvard University, Examinations for the Ph.D. Pasta “1926-27”.

Fonte da imagem: Laughlin Currie e Harry D. White de Harvard Class Album 1934.


A disputa de conselheiros de política que se tornaram especialistas em desenvolvimento: Currie e Hirschman na Colômbia

Andrés Álvarez, Andrés M. Guiot-Isaac, Jimena Hurtado A disputa de conselheiros de política que se tornaram especialistas em desenvolvimento: Currie e Hirschman na Colômbia. História da Economia Política 1 de abril de 2020 52 (2): 275–306. doi: https://doi.org/10.1215/00182702-8173322

Lauchlin Currie e Albert O. Hirschman trabalharam juntos como consultores do Conselho de Planejamento Nacional na Colômbia na década de 1950. Ambos tinham pouca experiência em economia do desenvolvimento quando chegaram e não concordavam com o funcionamento e as recomendações políticas do conselho. Refazer seus debates sobre questões internas e públicas usando fontes de arquivo mostra como a experiência colombiana marcou suas visões sobre o papel dos assessores políticos, a política de desenvolvimento e os obstáculos aos processos de desenvolvimento. Nossa principal contribuição é mostrar como essa experiência contribuiu para a formação de suas teorias do desenvolvimento, que evoluíram das discussões técnicas sobre a mecânica do crescimento para a necessidade de adoção de uma estratégia de desenvolvimento voltada para questões de economia política.


Lauchlin Currie - História

Os & quotKnappsters & quot regulares (leitores deste websight) se lembrarão de que descobri pela primeira vez o iate a motor personalizado de J. F. Knapp, o Storm King, por causa de um incidente em Bimini envolvendo Ernest Hemingway. Seguindo essa trilha eu realmente encontrei detalhes sobre o próprio barco e dediquei várias páginas a ele e seus dois sucessores Storm King Too e Storm King III

No inverno passado, visitei o Storm King Too à tona em Freeport Long Island, e tão emocionante quanto isso foi encontrar seu rodapé Matthews 47 de 1941, nunca perdi as esperanças para o Storm King original, que sempre me intrigou por causa de seu porto de origem original foi Mastic em 1932 e conheço muito bem o cais. Na verdade, há um pedaço dele em cima da mesa do meu computador.

Já faz algum tempo que recebo os papéis do Lloyd's Yacht Registry, cortesia da Biblioteca do Museu Mystic Seaport em todos os Reis da Tempestade, e dediquei um esforço razoável para localizar seus proprietários subsequentes com sucesso limitado. Pude rastreá-lo desde quando Dodi Knapp a vendeu em 1940 até 1979. Eu sei um pouco sobre quem eram alguns dos proprietários e entrei em contato com suas famílias procurando fotos desta bela cabana tronco de 19 toneladas e 53 pés cruzador. Na semana passada, no entanto, posso ter acertado a chave para tudo. Quando li este artigo nos arquivos do The Washington Post.

Agora, como sei que estamos falando do mesmo barco? Você não está feliz por ter perguntado.

Não sofra pelo Rei Storm ainda porque, como todas as coisas relacionadas a Knapp, sempre parece haver mais nessa história. Lauchlin M. Currie possuía o Storm King desde 1974 até pelo menos 1977, onde foi transportado para casa em Washington DC. O incêndio ocorreu em julho de 1975.

Se o Dr. Currie reparou ou não o dano, não posso dizer, mas ele o vendeu porque em 1979 ainda era portado em Washington DC e seu proprietário era um Robert B. Sprott. Também foi repowered com gêmeos Chrysler 8, portanto sabemos que algum trabalho foi feito após o incêndio. Doutor Currie, você diz. Sim Sim, eu digo, mas não o seu médico comum.

Lauchlin M. Currie não deve ser confundido com Lauchlin Currie da administração Roosevelt. Lauchlin M trabalhou no desenvolvimento da bomba atômica. enquanto Lauchlin sem Currie inicial do meio e ex-assessor presidencial de FDR foi frequentemente acusado de dar a bomba atômica aos russos. mas

O Dr. Currie ou devo dizer Capn 'Currie de The Storm King viveu até a idade madura de 85 anos e morreu em 1983. Em 1955, ele participou da primeira convenção Atoms For Peace em Genebra. Nascido em Chapel Hill NC, ele trabalhou na Union Carbide de 1925-1958.

Eu te digo um pouco disso. Há muito mais. só porque gostaria de transmitir como é tentar fazer pesquisas sobre essa história e por que ainda não há um livro concluído.

Dito isso, gostaria de lançar algumas de minhas anotações na rede mundial de computadores sobre os proprietários subsequentes do Rei Storm Original na esperança sincera de encontrá-la ainda flutuando ou pelo menos descobrir como ela acabou. é claro que fotos dela em bom ou mau estado seriam sempre bem-vindas. Você pode ter certeza de que a seguradora levou parte dela, esperançosamente, no que foi seu pior momento em 20 de julho de 1975!

MAIS UMA VEZ SE VOCÊ SABE ALGUMA COISA.

O primeiro proprietário registrado do Storm King depois que Joseph F. Knapp a vendeu em 1940 foi

John R Cox de Rocky River, Cleveland Ohio

Então, em 1947-48, ela está registrada em:

Edward H. Gulbenkian de Larchmont NY

observação que entrar em contato com o Larchmont Yacht Club fez com que eles se lembrassem do Sr. Gulbenkian, mas não consegui entrar em contato com ninguém de sua família

em 1955, ela agora está registrada em:

Benjamin F. Bunn também de Larchmont NY

Larchmont tem um antigo e histórico iate clube famoso em Long Island Sound

Em 1973 ela agora está registrada para

Vincent V. Capas de Larchmont, NY

uma carta enviada a Vincent Capas de Lake Grove, NY ficou sem resposta, assim como uma carta enviada a Helen Currie, filha de L M Curries, de Manhattan

Em 1975 - 1977 ela está registrada para

e transportado para casa em New Bedford e Nantucket

O último proprietário registrado que encontrei foi em 1979 e foi:

e seu porto de origem era Washington, DC

havia um R. Sprott ainda em Alexandria Va em 1985

E ATUALMENTE MR. ROBERT B. SPROTT EM TODOS OS LUGARES
FORT LAUDERDALE, FLÓRIDA

APENAS UMA BREVE NADA DO LOCAL DA ILHA DE PALMAS DE DODI

Enviei uma carta aos Sprotts da Flórida, mas até agora não ouvi nada. Então por agora


Tag: Lauchlin Currie

A página inicial deste blog cita o falecido grande Whittaker Chambers como fonte de seu título: A atração da terra.

Embora creditando o título ao Sr. Chambers, eu não disse nada sobre ele além disso. No futuro, espero retificar esse descuido, porque, provavelmente na única frase que Arthur Schlesinger Jr. escreveu com a qual eu concordo, & # 8220Whittaker Chambers escreveu uma das autobiografias americanas realmente significativas. Quando algum futuro Plutarco escrever suas Vidas Americanas, ele encontrará em Chambers penetrantes e terríveis percepções da América no início do século XX. & # 8221

Chambers foi, e continua a ser hoje, sessenta anos após sua morte, uma figura controversa. Ele era um espião comunista, quando disseram enfaticamente aos americanos que tal coisa não existia. Ele então se converteu, depois de focar no ouvido de sua filha pequena e se submeter à sua epifania, que insistia que tal maravilha não poderia ter surgido sem um Deus todo-poderoso.

Ele passou à clandestinidade para evitar o assassinato por seus antigos camaradas e emergiu publicamente como jornalista, escrevendo em The American Mercury e, mais notavelmente em Tempo e Vida, duas das famosas publicações de Henry R. Luce, sendo as outras Fortuna e Esportes ilustrados. Luce respeitava e admirava profundamente Whittaker Chambers, mas ele não poderia ter previsto a próxima era explosiva na vida de Chambers & # 8217.

Em 1948, ele foi intimado a testemunhar perante o Comitê de Atividades Não Americanas da Câmara (HUAC). No entanto, esta não foi a primeira vez que ele se apresentou para alertar o governo federal dos Estados Unidos da infiltração comunista em seus mais altos escalões. Quase uma década antes, ele havia falado com um alto funcionário do Departamento de Estado, Adolph A. Berle, identificando células comunistas e nomes de indivíduos com acesso crítico. Berle levou a informação ao presidente Franklin Roosevelt, que prontamente a rejeitou, embora os comunistas nomeados incluíssem seu assistente especial, Lauchlin Currie, que também se tornaria o representante especial do presidente na China, Alger Hiss, que acabaria por presidir sobre a Conferência da Carta das Nações Unidas, e Victor Perlo, que tinha autorização para o projeto de mira de bomba secreta no Campo de Provas de Aberdeen.

Uma revisão superficial dessa década revela vários dos eventos terríveis do século 20, incluindo a queda da China para Mao Tse Tung, a queda da Cortina de Ferro na Europa Central e a criação das Nações Unidas em condições desvantajosas para o Estados Unidos. Pode-se discutir sobre & # 8220 quem perdeu & # 8221 o quê, mas não se pode ignorar o papel desempenhado por agentes que foram identificados por Chambers alguns anos antes de Pearl Harbor.

Em seu depoimento em 1948, Chambers repetiu seu depoimento e foi prontamente denunciado por Alger Hiss, que foi para o túmulo negando ser um agente comunista. O contraste entre os dois homens era dramático. E instrutivo. Bonito, Ivy League, bem falado, arrumado, em forma vs. dentes tortos, desistente da faculdade, resmungão, desgrenhado, saúde fraca. O presidente Harry Truman zombou de Chambers chamando-o de & # 8220Red Herring & # 8221 e se recusou a tomar medidas sobre as acusações.

Hiss acabou sendo condenado por perjúrio.

Allen Weinstein pesquisou o caso extensivamente, acreditando que Hiss não era um espião. Mas ele, como muitos após revisar o registro, passou a acreditar em Chambers. O Projeto Venona, por meio do qual, após a queda da União Soviética, muitos, mas não a maioria, dos arquivos foram decifrados e publicados, confirmou que Hiss estava trabalhando para os soviéticos, como testemunhado por Chambers quatro décadas antes. A lista de americanos nos arquivos era impressionante. Hayden Peake, curador da Central Intelligence Agency & # 8217s Historical Intelligence Collection declarou: & # 8220Nenhum governo moderno foi mais profundamente penetrado. & # 8221

Cada nome no testemunho de Chambers & # 8217 estava nas listas de Venona. E ele é odiado até hoje pelos suspeitos de sempre.

Whittaker Chambers escreveu a autobiografia americana verdadeiramente clássica e profundamente comovente, Testemunha, do qual levei o título para este blog.

Ele também escreveu o que muitos consideraram um ensaio explosivo sobre a conferência de Yalta com a presença de Franklin Roosevelt, Winston Churchill e Joseph Stalin, os aliados da Segunda Guerra Mundial, em 1945. Explosivo porque Stalin foi nosso & # 8220ally & # 8221 e o ensaio não refletiu positivamente sobre as intenções da União Soviética & # 8217s. A equipe da Time and Life levantou-se indignada e uma & # 8220delegação & # 8221 visitou o editor da Chambers & # 8217 para pedir que o ensaio não fosse publicado. O editor, T. S. Matthews ficou tão abalado que segurou o artigo por uma semana, mas acabou publicando-o. O tempo foi inundado com o que hoje chamaríamos de & # 8220hate mail & # 8221 junto com solicitações de cancelamento. Como a Time poderia questionar os motivos de nosso fiel aliado comunista?

O ensaio era & # 8220Ghosts on the Roof & # 8221. O czar assassinado e sua família descem & # 8220com a suavidade dos morcegos & # 8221 sobre o telhado de seu antigo palácio e encontram a musa da história que já está lá. Eles passam a discutir a conferência agora se desenrolando sob eles e o Czar anuncia sua admiração descarada por Stalin e sua própria conversão ao marxismo, & # 8220Que estadista! Que visão! Que poder! & # 8221, exclama ele. & # 8220E agora & # 8230 os maiores estadistas do mundo vieram a Stalin. Quem, senão ele, teria o senso de aptidão histórica para entretê-los em meu palácio expropriado! & # 8221

Sentado ao lado de um presidente Roosevelt gravemente enfermo estava Alger Hiss. Roosevelt morreria 3 meses depois.

Três anos depois, quando a presciência de Chambers & # 8217 não podia ser ignorada, Tempo republicou o ensaio, dizendo que valia a pena uma segunda leitura.


Albert Hirschman, Lauchlin Currie, la teoría de los & quoteslabonamientos & quot, y el & quotgran impulso & quot de Paul Rosenstein-Rodan

Strathprints foi projetado para permitir que os usuários acessem o resultado da pesquisa da Universidade de Strathclyde. A menos que de outra forma explicitamente declarado no manuscrito, Copyright © e Moral Rights para os artigos neste site são retidos pelos autores individuais e / ou outros proprietários de copyright. Verifique o manuscrito para obter detalhes sobre quaisquer outras licenças que possam ter sido aplicadas. Você não pode se envolver em distribuição adicional do material para quaisquer atividades lucrativas ou qualquer ganho comercial. Você pode distribuir livremente o url (https://strathprints.strath.ac.uk/) e o conteúdo deste artigo para fins de pesquisa ou estudo privado, educacional ou sem fins lucrativos sem permissão prévia ou cobrança.

Qualquer correspondência relativa a este serviço deve ser enviada ao administrador do Strathprints:

O repositório institucional Strathprints (https://strathprints.strath.ac.uk) é um arquivo digital dos resultados de pesquisa da University of Strathclyde. Foi desenvolvido para disseminar resultados de pesquisas de acesso aberto, expor dados sobre esses resultados e permitir que

* DOI: https://doi.org/10.18601/01245996.v20n39.03. Una versión

ante-rior de este escrito fue presentada en mi nombre por Mario García en la conferencia de la Asociación Latinoamericana de Historia del Pensamien-to Económico (ALAHPE), Universidad de los Andes, Bogotá, Colômbia, 1 de diciembre de 2017. Traducción de Alberto Supelano e Luis Loren-te. Recepção: 01/09/2018, aceitação: 05/11/2018. Sugerencia de citación: Sandilands, R. (2018). Albert Hirschman, Lauchlin Currie, la teoría de los “eslabonamientos” y el “gran impulso” de Paul Rosenstein-Rodan. Revista de Economía Institucional, 20(39), 53-68.

uma Professor emérito de Economía, Universidad de Strathclyde, Glasgow, Reino Unido,

CURRIE, LA TEORÍA

DE LOS “ESLABONAMIENTOS” Y EL

“GRAN IMPULSO”

DE PAUL ROSENSTEIN-RODAN

Albert Hirschman, Lauchlin Currie, la teoría de los “eslabonamientos” Rosenstein Rodan e o “Gran Impulso” de Paul Rosenstein-Rodan

Resumo. Este escrito apresenta um trabalho inédito de 1970 del distinguido economista del desarrollo Lauchlin Currie (1902-1993) sobre o famoso artículo de 1944 acerca do "Gran Impulso" de Paul Rosenstein-Rodan, que vivido no debate sobre o crecimiento balanceado e desbalanceado no que Albert Hirschman (1915 - 2012) fue un partícipe importante. Tanto Currie como Hirschman fueron asesores económicos del gobierno colombiano y aquí se contrastan sus respectivos pontos de vista sobre a planeación del desarrollo. Em particular, se muestra que o artigo de Currie de 1970 esclarece la teoría que sirve de base al Plan Nacional 1971-1974 de Colombia, que él diseñó y ayudó a ejecutar, y cuyas innovaciones institucionales han tenido un impacto duradero en la historia econômica reciente de Colombia.

Palabras clave: Lauchlin Currie, Albert Hirschman, crecimiento balanceado, creci-miento desbalanceado, Gran Impulso, eslabonacreci-mientos JEL: E10, E14, E16. Albert Hirschman, Lauchlin Currie, teoria das ligações e Paul Rosenstein O ‘Big Push’ de Rodan

Resumo. seu artigo apresenta um trabalho não publicado de 1970, escrito pelo distinto economista do desenvolvimento Lauchlin Currie (1902-93) sobre o famoso ensaio de Paul Rosenstein Rodan de 1944 sobre o "Big Push", que levou ao debate sobre o crescimento equilibrado e desequilibrado em que Albert Hirschman ( 1915-2012) foi um contribuidor importante. Currie e Hirschman foram consultores econômicos importantes do governo colombiano e aqui suas respectivas visões sobre o planejamento do desenvolvimento são contrastadas. Em particular, é mostrado como o artigo de Currie de 1970 esclarece a teoria que serve de base para o Plano Nacional da Colômbia de 1971-74, que ele projetou e ajudou a executar, e cujas inovações institucionais tiveram um impacto duradouro na história econômica recente da Colômbia.

Palavras-chave: Lauchlin Currie, Albert Hirschman, crescimento equilibrado, crescimento desequilibrado, Grande impulso, ligações JEL: E10, E14, E16.

Albert Hirschman, Lauchlin Currie, a teoria dos “encadeamentos” de Rosenstein Rodan e o “Grande Impulso” de Paul Rosenstein-Rodan

Resumo. Este texto apresenta um trabalho inédito de 1970 do reconhecido economista do desenvolvimento Lauchlin Currie (1902-1993) sobre o famoso artigo de 1944 referente ao “Grande Impulso” de Paul Rosenstein-Rodan, que levou ao debate do crescimento balanceado e desbalanceado no que Albert Hirschman (1915-2012) foi um partícipe importante. Tanto Currie quanto Hirschman foram assessores econômicos do governo colombiano, e aqui se contrastam seus respectivos pontos de vista sobre o planejamento do desenvolvimento. Em particular, mostra-se que o artigo de Currie de 1970 esclarece a teoria que serve de base para o Plano Nacional 1971-1974 da Colômbia, que ele desenhou e capacita a executar e fornecer inovações institucionais têm tido um impactoouro na história econômica recente da Colômbia. Palavras-chaves: Lauchlin Currie, Albert Hirschman, crescimento balanceado, crescimento desbalanceado, Grande Impulso, encadeamentos JEL: E14, E10, E16.

teoría del “Gran Impulso” de Paul Rosenstein-Rodan (1943), da luz sobre um periodo signiicativo do desarrollo económico reciente da Colômbia durante o cual Currie exerceu uma gran inluencia como alto asesor de política.

Fui assistente de investigação de Currie na Universidad Simon Fraser de junio a setiembre de 1970. Em abril de 1971, Currie, quien había ijado su residencia na Colômbia desde 1949, exceto por 5 anos, regresó allí por uma petición urgente del presidente Misael Pastrana para asesorar a Roberto Arenas, el novo diretor do Departamento Nacional de Planeación (DNP) 2. Currie dejó de lado el projeto de su

Livro para concentrar em Guías para uma nova estrategia de desarrollo (Currie, 1971) que Pastrana sintetizada em sua Mensaje Presidencial al Congreso em julho de 1971. Luego siguió El plano de las cuatro estrategias, presentado em diciembre, cuyas directrices trazó Currie.

Este plano hacía énfasis en (1) um novo sistema de crédito indexado para vivienda, projetado para induzir um grande aumento no local-nario del ahorro e um aumento correspondente da demanda real de vivienda (principalmente urbana) e de infraestructura conexa (2 ) tasas de câmbio realistas para promover as exportações (3) incentivos para aumentar a produtividade agrícola, na previsão do aumento esperado na demanda de alimentos y materias primas y (4) uma mejora da distribuição do ingreso com a criação de em-pleos urbanos mejor remunerados para trabajadores rurales migrantes. Desde hacía tiempo, Currie estaba interesado nos temas que motivaron o artículo seminal de Paul Rosenstein-Rodan de 1943, en el que argumentaba a necesidad de um plano de industrialização de “Gran Impulso” para romper los viciosos entrelazados del subdesarrollo, que parecían atrapar a millones de trabajadores en el desempleo encubierto y en una pobreza rural extrema.

Currie viajó a Colombia por vez primera em 1949 como jefe de la primera misión de país del Banco Mundial. Rosenstein-Rodan foi criado no Banco Mundial desde 1947 anos, antes de la misión de

Cu-1 Publicado con el amable permiso de Elizabeth Currie, hija de Currie. 2 Diretor da Arenas fue jefe del Centro de Investigaciones para el

Desarro-llo (CID) de la Universidad Nacional, en remplazo de Currie cuando este viajó no Canadá em 1967.

rrie, organizó una revisión preliminar de la información disponible sobre a Colômbia. Lionel Robbins, um quien Currie conocía (pero no íntimamente) desde sus días de estudiante na London School of Economics (LSE), 1922-1925, fue uno de los candidatos a jefe de la misión na Colômbia, pero no aceptó3.

Originario de Nueva Escocia, Currie estudou durante os anos na Universidad San Francisco Javier, pero se transferido para a LSE em 1922 e luego para Harvard em 1925, donde Allyn Young exerceu a maior influência profunda na obra posterior. Rosenstein-Rodan, Ragnar Nurkse y otros, como Hans W. Arndt (1955) e Maiju Perälä (2006) reconocieron también la inluencia de Young en su pensamiento sobre el “Gran Impulso” y en el debate sobre el “crecimiento balanceado-desbalanceado” 4.

Después de that Young partiera de Harvard para enseñar en la LSE em 1927, Currie completó su tesis de doctorado sobre “Activos bancarios y teoría bancaria” (enero de 1931) na direção de John H. Williams, pero mantuvo contato com Young, incluyendo una visita a Londres em 1928 para hablar sobre su trabajo de doctorado. Allí, Young le comentó su satisfacción por las ideas que había plasmado en su próximo discurso presidencial ante la Asociación Británica, que daría en septiembre, titulado “Rendimientos crecientes y progreso económico” (publicado no Economic Journal em diciembre de 1928, três meses antes de su muerte prematura).

Em Harvard, Currie fue professor assistente de Ralph Hawtrey e Joseph Schumpeter (que remplazaron a Young mientras estuvo de licencia en Londres). En el verano de 1934, Jacob Viner, asesor es-pecial de la Tesorería de Estados Unidos, lo reclutó en su grupo de “cerebros jóvenes” para proponente reformas al Sistema de la Reserva

3 Michele Alacevich (2009, cap.2) ofrece detalles sobre el reclutamiento

y un relato ponderado de las tensiones entre Currie y Hirschman en 1952-1956, ambos estabelecidos na Colômbia. Un relato menos ponderado se encuentra en la excelente biografia de Hirschman, de Jeremy Adelman (2013), reseñada en Sandilands (2015b). Ver también Sandilands (2015a) e mi bio-grafía de Currie (Sandilands, 1990).

4 Allyn Abbott Young (1876-1929) fue presidente de la American

Eco-nomic Association, Ia American Statistical Association e Ia British Association, un récord único. O discurso presidencial sobre “rendimientos crecientes” de 1928 ante a Asociación Británica fue fundamental no debate sobre o “gran impulso” e sigue influyendo na teoria moderna do “crecimiento endógeno” (Sandilands, 2009). Currie dedicó gran parte de sua carrera pos-terior a explicar sus implicaciones teóricas y políticas, incluida una publi-cación póstuma (Currie, 1997). Para su homenaje a Young como profesor, ver Sandilands (1999).

Federal que fortalece o controle monetário. En la Tesorería se associou com Marriner Eccles, otro asesor especial que luego fue nomeado presidente da Junta de la Reserva Federal. El llevó allí a Currie y poco depois de aprobó la Ley Bancaria de 1935, que relejaba várias das reformas que Currie había recomendado en la Tesorería.

Currie liderou el grupo del New Deal que defende as políticas de estímulo a través del gasto público (Stein, 1969, p. 165), y de 1939 a 1945 trabajó en la Casa Blanca como asesor en asuntos econômicos del Franklin Roosevelt. Durante este tempo intervino nas operações de arrendamiento y préstamo na China devastada por la guerra, a la que visitó em 1941 e 1942 para conversas mantener com Chiang Kai-shek (donde también conoció em Zhou En-lai). En 1943-1944 fue jefe encargado de la Foreign Economic Administration, e en febrero de 1945 encabezó una misión tripartita a la neutral Suiza para promover que se congelara el oro nazi en los bancos suizos y se detuvieran los suministros a las fuerzas alemanas que pasaban por Suiza a Italia.

Cuando la misión del Banco Mundial llegó a Bogotá en julio de 1949 encontró that muchos ediicios del centre de la ciudad aún es-taban en cenizas debido al “Bogotazo” ocasionado por el asesinato de Jorge Elier Gaitán, unéc líder político popular. El informe de Currie, publicado em setembro de 1949, encontró unas condiciones seme-jantes a las que descripía Rosenstein-Rodan en su artículo de 1943, donde concluía la necesidad de un “Gran Impulso” para absorver la masa de pobres rurais que permanecían no campo em uma situação de desempleo disfrazado.

El informe hacía énfasis en las deicientes conexiones de trans-porte y comunicaciones between lo que eran en esencia cuatro regiones relativamente aisladas. El mejoramiento de esas conexiones era im-prescindible para integrar um mercado nacional e conseguir assim um tamaño de demanda suiciente para impulsar la productividad general en Colombia, siguiendo las ideas de Adam Smith (y de Allyn Young).

Las prácticas agrícolas tradicionais, intensivas en trabajo, eran de baja productividad, y las altas tasas de natalidad agravaban esa baja productividad, pues aumentaban la presión sobre la tierra y dessalentaban las técnicas intensivas en capital, mucho más pro-ductivas. Este era um de los círculos viciosos del subdesarrollo que luego destacando outros como, por ejemplo5, Ragnar Nurkse (1963)

5 Currie apoyó a Leibenstein contra a "visão calmada" de Hirschman ante

el aumento de la población. Também criticou la interpretación de Nurkse y Rosenstein-Rodan (quienes reconocían la influencia de Young) como teóricos

y Harvey Leibenstein (1957). Grande parte das melhores regiões do país, em particular la relativamente plana y fértil Sabana de Bogotá, se utiliza para o pastoreo extensivo de ganado em vez do cultivo intensivo de produtos agrícolas. Un impuesto a la tierra era unas de las soluciones recomendadas.

Com o tempo, sem embargo, a Revolução Verde aumentó nota-blemente a produtividade agrícola. Esto redujo las necesidades de trabalho por tonelada de producto mucho más rápido que o crecimiento de la demanda (relativamente inelástica), incluso depois de tomar en cuenta las oportunidades de exportación. Muy pocos observadores entendieron que, en estas condiciones, un aumento de la productividad no es lo mism que un aumento de la producción, y aun menos un aumento del empleo rural. El resultado neto es, en cambio, el despla-zamiento de trabajadores, es decir, más desempleo disfrazado y más pobreza rural. Esto es cierto incluso frente a innovaciones intensivas en trabajo, como nuevas semillas y fertilizantes, aun en ausencia de tractores u otras prácticas intensivas en capital. Creer lo contrario es cometer una falacia de composición: lo que es cierto para algu-nos agricultores inovadores –que necesitan más trabalhadores para atender una cosecha prefeito– no es cierto cuando a totalidad de los agricultores intentan inovar. Duplicar el producto mientras que la demanda crece mucho menos da como resultado menores ingresos agrícolas y desplazamiento de trabajadores.

Currie encontró poco acerca de este conjunto de diiculdades em sua revisão da literatura sobre o Gran Impulso (incluido Hirschman), pero era central em sua percepção do problema desde que llegó na Colômbia em 1949 e, em especial, na década de 1960 até o final lanzó una campaña política concertada en favor de un plan masivo de “rompimiento”, Operación Colombia (Currie, 1961), ampliado después en su premiado libro Desarrollo económico acelerado: la necesidad y los medios (1966)6.

de um “crecimiento balanceado”, aunque en otro lugar Currie criticó a Nurs-ke por su excesivo énfasis en la oferta de ahorros y de capital como restr-ciones autónomas que impedían el crecimiento. En cambio, subrayó que el ahorro y la inversión dependían de una restrción endógena que limitaba la demanda, pero que podria relajarse, de manera no inflacionaria, al elimi-nar algunas imperfecciones del mercado en setor clave (ver más adelante).

6 En su reseña de este libro, Hirschman (1967) puso en duda la creencia

de Currie de que la oferta agrícola fuera elástica rechazó su afirmación de que la redistribución de la tierra no ayudaría y criticó su plan de 'rompimien-to' afirmando que exigiría una intervención con máxima eficiencia “durante al menos una generación” antes de que la fuerza de trabalho rural se pudiera reducir a menos de 10% do total, e mostrándolo como um “gran impulso”

En el artículo que aquí se presenta, Currie avaliou a crítica que hizo Hirschman al “Gran Impulso” propôs por Rosenstein-Rodan, que implicaba um planejamento integral de diversos setores para superar indivisibilidades e complementaridades a través de um programa de inversão simultânea, respaldado por la ayuda exterior. Mientras que unas pocas inversiones no podrían generar demanda suiciente para atraer empresas que necesitan una escala de operación tecnicamente eiciente, un 'Gran Impulso' superaría este problema y haría competitiva la industria moderna frente a las artesanías tradicionaises intensivas en trabajo, pero de bajos salarios y baja productividad7.

Currie criou que Hirschman e outros autores habían desviado a atenção do problema de si era necesario ou factible un Gran Impulso hacia otro theme muy distinto: si el Gran Impulso de Rosenstein-Rodan implicaba um crecimiento “balanceado” ou “desbalanceado” además, sin deinir claramente esos términos.

También criticó como “un problema totalmente falso” el argumento de Hirschman (1958, p. 63) de que

la ventaja del crecimiento ‘gangorra’ 8 sobre el ‘crecimiento balanceado’, en

el que cada atividade se expande perfeitamente ao ritmo de las demás, é que o primeiro deja un amplio margen de acción para novas decisões de inversão inducidas y, por tanto, economiza nuestro recurso principal escaso: la auténtica toma de decisiones.

Porque, escriba Currie, “a possibilidade de uma expansão donde cada atividade está perfeitamente sincronizada com as demás em um país subdesarrollado (¡o desarrollado!) Es ridícula”.

nada realista. Pero aplaudió su “encomiable deseo de abordar la situación actual con los medios disponibles en vez de esperar algún deus ex machina, bien sea ayuda extranjera a gran escala, mejores términos de intercambio, un mercado común interregional o una revolución ”.

7 Este é um ponto clave na reformulação da teoria do grão

impulso-so de Paul Krugman (1993), quien hace referencia particular a Hirschman (1958). Alacevich (2007, p. 13, n. 23) também defiende a ideia de Hirschman de financiar projetos, como su propuesta de construir uma planta siderúrgica em Paz de Río, Colômbia, que se justifica a solo por sus eslabonamientos técnicos de insumo-producto y sus posibles economia interna de escala, contra a ideia de Currie, que considera o impacto global do plano de “gran impulso” sobre a demanda agregada e seus consiguientes efeitos acumulativos para promover nova inversão.

8 ‘See-saw’ se aplica aqui a ‘proyectos aislados e inesperados’, aunque,

ade-más de sorpresa también sugiere intermitencia en contraposición a un plan coordinado [N. de los T.].

En una economía en crecimiento existe desequilibrio dondequiera que los precios cambien antes que los costos. La explotación de esas oportunidades de ganancia genera economías externas pecuniarias para o resto de la economía (ver Scitovsky, 1954). Las fuerzas per-turbadoras y compensatorias aseguran assim que el desequilibrio, y no el equilibrio, sea característica de uma economia de mercado que funciona livremente. Currie quería promover esos desequilibrios favo-rables, que aceleran el crecimiento, eliminando los bloqueos artiiciales que limitan la competencia y la libre movilidad de los recursos. No buscaba crear tensiones ni desequilibrios que opusieran Calcula a dichas fuerzas propicias al crecimiento.

En cambio, Hirschman, con el em de economizar o “principal recurso escasso” da economia subdesarrollada, defender a criação deliberada de cuellos de botella, tensiones y desequilibrios que él creía que podían provocar inversiones inducidas con mayor facilidad.

A esto podía contribuir su ‘Principio de la Mano Escondida’, es decir, el ocultamiento deliberado de los costos y beneicios reales de los proyectos para que los industriales emprendieran proyectos en los que, de otro modo, não arriesgarían su dinero. Hirschman sugere que de esa manera la estrategia produciría beneicios netos para la economía en conjunto, aunque los empresarios iniciales perdieran su dinero (es decir, los inversionistas, pero no los planiicadores). Tam-bién ignora los efectos adversos de esas pérdidas sobre la disposición de eventuales inversionistas futuros. De ahí el reproche de Currie de que el Principio de la Mano Escondida “nenhum solo es una propuesta econômica discutível, sinos um ejemplo de moralidad aún más dudosa” 9.

Hirschman sugere además que esos beneicios serían tanto mayo-res cuanto más intensas fueran las economías externas netas generadas. Y la ganancia se lograría mejor identiicando las industrias mejor conectadas con otras a través de um mayor number of “eslabonamien-tos hacia adelante y hacia atrás”, o con coicientes técnicos insumo-producto mais altos. Hirschman (1958, pp. 106-07) tiene un cuadro que clasiica las diferentes industrias conforme a este criterio, y mide la interdependencia y las complementariedades por la proporción de sus compras y ventas interindustriales hacia atrás y hacia adelante. Esta clasiicación se presenta como indicadores porcentuales cuyo

9 Bent Flyvbjerg (2017) revisó Projetos de desenvolvimento observados de Hirschman

(1963) y concluyó que el respaldo empírico a una “mano escondida” bene-volente era débil y estaba sujeto al “optimismo y a sesgos de muestra”. Era más a menudo una mano escondida Malévola. Cuestionó igualmente that la “mano escondida” pudiese respaldar la teoría del “empujoncito” en economía del comportamiento, como sostenía Cass Sunstein (2015).

nivel sería independiente del valor absoluto de las ventas10. Además, (a)

esas ventas se habrían medido con base en el producto anterior, no com base na demanda potencial futura (que Hirschman nunca discute en este contexto) y (b) las tablas de insumo-producto usado tienen coeicientes ijos, mientras que en realidad las relaciones varían cuando aumenta el tamaño del mercado.

No embargo, lo que sorprendió a Hirschman fue que “la industria con mayores eslabonamientos es la del hierro y el acero. ¡Seguramente, cuando los países subdesarrollados prestan atención a esta industria, no lo hacen simplemente, como algunos creen, por el prestigio que tiene! ” (1958, p. 108).

Por ello, Hirschman (1957) apoyó em 1950 un proyecto promovido por fuertes grupos de presión y, pese a las recomendaciones contrarias del Banco Mundial (y de Currie), ayudó a crear una acería integral fuertemente subsidiada em uma região e pobre remoto da Colômbia . No embargo, con esto ignoraba that también existen eslabonamientos negativos. En este projeto siderúrgico, los efeitos negativos se debían a la mala qualidade do mineral de hierro local, a los custos exorbitantes de transporte y minería, ya las consuencias de proibir la import-tación del acero mucho más y de mejor calidad que antes se importaba de Venezuela. Las industrias usuarias, los contribuyentes y los consumidores inales sufrieron las consecuencias durante as varias décadas. Pero la política y los intereses regionales prevalecieron, y Hirschman escribió con excesivo optimismo que este proyecto “será probablemente [. ] un impulso al desarrollo mucho más efectivo que cualquier otro programa para proporcionar uma esta região un monto de capital social superior al que podrá pedir durante muchos años ”(ibíd.).

Alacevich (2007, pp. 9-14 e 2009, pp. 98-102 e 176-77) e Currie (1981, cap.12) presentaron una historia detallada de este proyecto. El primero sugeriu que existia “racionalidades ocultas”, tanto en el “enfoque de préstamos para projetos” desbalanceado e incrementa-lista de Hirschman, como en el “enfoque de préstamos para

progra-10 En esto, Hirschman difiere de Nurkse (1953) cuyas

complementarieda-des interindustriales “horizontales” y “verticales” permitían que os setores individuais crecieran a tasas diferentes de acuerdo con sus diferentes elas-ticidades de demanda es decir, que preveía un balance entre la oferta sec-torial y un crecimiento desigual de las demandas setoriales. Esto significa que los diferentes setores não debían expandirse todos a la misma tasa o de acuerdo con los coeficientes insumo-producto. Esta flexibilidade é consistente com o modelo de crecimiento de líderes de Currie, expuesto en Currie (1974) para explicar a teoria subyacente ao plano nacional colombiano de 1972-1974. Ver también Chandra (2006) e Chandra y Sandilands (2006).

mas ”balanceado e integral de Currie. O projeto desta industria siderúrgica inalmente tuvo un desarrollo más lento que el propuesto bol, y por ello Alacevich considera que los protagonistas no estaban tan distanciados. Adelman (2015, p. 401) sugeriu também que, neste caso, existia una “centralidad de efectos secundarios” en forma de eslabonamientos y tensiones. Así, según estos estudiosos, aunque la siderúrgica de Colombia nunca llegó a ser rentable, ese error se puede mostrar como un éxito cuando se ignoran sus aspectos negativos.

Pero hay una diferença fundamental entre las consuencias de las complementariedades y efeitos secundários según Hirschman y según Currie. Una industria doméstica de hierro y acero puede tener el mayor número de interdependencias, pero el asunto principal es si también tiene una gran demanda, tanto inmediata como futura, a precios competitivos no subsidiados.

Incluso con subsidios a su industria siderúrgica, Colômbia tiene que importar la mitad de la demanda local de acero, y su producción local representa una proporción muy pequeña del PIB, así tenga mu-chos eslabonamientos con otras industrias. Para Currie, esto signiica that no es una industria that pueda desempeñar un papel líder para elevar la tasa de crecimiento general de la economía. Sería, en cambio, una industria “seguidora”, que depende do crecimiento geral de la economía y de la demanda derivada de ese crecimiento11.

En otras palabras, la composición industrial or setorial del PIB no es lo único que importa. El tamaño también importa, tanto presente como futuro, assim como el tamaño total de la economía en cuestión. Ambos tamaños estão relacionados, por supuesto. Assim, Currie buscaba un Gran Impulso, pero también un balance between la oferta y la deman-da potenciales en los niveles sectoriales. El esfuerzo debía ser concentrado y não difuso, concentrado en poços estratégicos estratégicos que não deben ser elegidos de acuerdo con los coeficientes insumo-producto, sino por el tamaño de su demanda potencial y por el impacto regulado sobre o resto de la economía a través de las elasticidades de oferta y de demanda recíprocas. Su enfoque sigue la idea de Young (1928) y se apoya en las interrelaciones that podrían producir rendimientos crecientes, acumulativos y autosostenibles, que se logran mejor en la

11 Currie (1974) precisa las condiciones que debe reunir un setor para

fungir como líder potencial signif icativo, en vez de simples seguidor. Currie (1983) vuelve a discutirlas al tiempo que examina diferentes conceptos de “multiplicador”, incluido el “multiplicador insumo-producto”. Sostenía que este último não se pode calcular sin conocer as elasticidades precio e ingreso de la demanda real o “recíproca” de que hablaron J. B. Say y A. Young.

medida en que las fuerzas competitivas del mercado equilibran con éxito la oferta y la demanda tanto a nivel setorial como general:

En una visión incluyente, no vemos o mercado como o canal de salida para los productos de una industria específica y, por ello, externo a esa industria, sino como el canal de salida para todos los bienes de la eco-nomía, assim que el tamaño del mercado está determinado y definido por el volume total de la producción. Si esta afirmación requer pre-cisión alguna, es que el mercado en este sentido amplio –el de um agregado de todas as actividades productivas ligadas entre sí por el comercio– implica que debe haber algún tipo de balance entre as diferentes actividades, es decir, que deben mantener ciertas proporciones entre sí.

Interpretada bajo la luz of this idea amplia del market, la frase antes citada de Adam Smith equivale a decir that la division del trabajo de-pende, en gran parte, de la division del trabajo (1928, p. 533).

La pregunta es si las fuerzas del mercado, en especial en los países menos desarrollados, operan con suiciente vigor para que este proceso de causalidad acumulativa funcione con eicacia.

La respuesta de Currie fue que o volume de trabalho rural despla-zado por la Revolución Verde (en todas as manifestaciones) imponía uma carga excesiva sobre o mecanismo de movilidad na Colômbia (e em muitos outros países) bajo las instituciones vigentes. Gran parte de los trabajadores desplazados se refugiaban en una agricultura de subsistencia, mientras otros migraban a pueblos y ciudades que no podian proporcionarles suicientes empleos bien remunerados. El desempleo, aberto y disfrazado, lorecía, assim que el crecimiento total del ingreso, especialmente en términos per cápita, era anémico.

Currie pensava que os mecanismos da mobilidade estão gravemente debilitados por unas distorsiones especíicas do mercado que surgiram da larga historia de inlación a tasas cronicamente altas e inestables. El dinero no era neutral porque la inlación monetaria discriminaba seriamente en contra dos setores muy importantes, reprimiendo sua demanda mucho más que la de otros setores: el de vivienda, que depende de uma hipotecaria de inanciación a largo plazo, y el exportador.

En la inanciación de vivienda, la inlación de dos integrais llevó las tasas de interés nominales a niveles del 16%. Esto crea un grave problema de lujo de caja para los nuevos prestatarios, aunque la tasa sea uma veces negativa en términos reales, porque las primeras cuotas filho casi exclusivamente para pago de intereses y su monto depende de la alta tasa nominal aplicada. Al mismo tiempo, el principal provedor de hipotecas era el Banco Central Hipotecario, un cuasi-monopolio estatal que reconocía a los ahorradores cerca de 10%, una

remu-neración aún más negativa en términos reales. Eles vão disuadir a los ahorradores de colocar sus ahorros em los bancos preferían tener oro, dólares o joyas. Puesto que la mayoría de las personas dependen de hipotecas para inanciar la compra de vivienda, el reducido volume de ahorro reduzir aún más la demanda efectiva de vivienda. Además, las altas tasas de interés nominales, combinadas con el igualmente grave problem of tasas muy variables como consecuencia de una alta volatilidad de la inlación, aumentaban el riesgo para los bancos, que exigían altas cuotas iniciales y ijaban plazos máximos de 15 años, en vez de los 25 o 30 años que aplican outros países. Todos estos elemen-tos tenían un grave efecto represivo sobre la demanda de vivienda, assim como sobre los préstamos al gobierno para grandes projetos de infraestructura asociados a la vivienda.

Los problemas causados ​​por la inlación eran mucho menos gra-ves para la inanciación de corto plazo, es decir, para los préstamos comerciales para “capital de trabalho” de las industrias o para crédito de consumo. La discriminación atuaba principalmente contra el largo plazo. Este mismo afeta a movimentação de trabalhadores da agricultura de bajos ingresos hacia empleos urbanos de prefeito remu-neración, com grave detrimento nenhum solo del crecimiento sino también de una mejor distribución del ingreso.

Al mismo tiempo, y estrechamente ligado ao problema de la vivien-da, la inlación reprimía artiicialmente las exportaciones debido a la creencia errónea, pero generalizada, de que la inlación era un fenó-meno estructural más que un fenenó-meno monetario, y que la continua depreciación de la tasa de cambio era una causa más que un síntoma. Assim, o banco central prefería controlar a tasa de câmbio na vez de la oferta de dinero e o gasto deicitario. Una tasa de cambio cróni-camente sobrevaluada hacía poco competitivas las exportaciones (y también la sustitución de importaciones). Todo esto reducía el empleo urbano y la oferta de vivienda para quienes migraban del campo em busca de una vida mejor. También signiicaba que los ingresos reales estaban por debajo de su potencial, y esto afectaba la demanda real de bienes de consumo y de servicios en todos los ámbitos. ¿En qué parte da literatura sobre o Gran Impulso y el crecimiento balanceado se explicó esto de modo tan contundente como en las publicaciones de Currie y en sus inumerables informa y memorandos a las au-toridades de política?

Esa era la teoría. Las principales reformas institucionais necesarias para conseguir um câmbio positivo consistente en (1) introducir un nuevo sistema indexado y competitiva de inanciación de vivienda,

(2) um regime de tasa de mudança que se ajusta com a inserção para manter a competição das exportações e (3) um incesante esfuerzo por parte de Currie, quien era uma autoridade no tema, para convencer a los ministérios mundiais, al banco central ya los estu-diantes mais brilhantes do país de los efeitos nocivos de uma teoria e uma política monetária errônea.

Esto apuntaba a separar la banca central de la banca de desarrollo, permitindo que o banco central se concentre no controle monetário e no último mantener a expansão da oferta monetária na linha com o crecimiento da economia real (que é o principal determinante de a demanda real de dinero no inlacionaria). Mientras la administración del banco central estuviese dominada por los minis-tros encargados del gasto, el control monetario estaría en riesgo. Y si el control monetario estaba en riesgo, también lo estaban la inlación, la vivienda, las exportaciones, el empleo y el crecimiento económico en general. Entre tanto, la banca de desarrollo –y en especial la i-nanciación de largo plazo, incluidas las hipotecas– debía depender de ahorros reales provenientes de ingresos reales, y no de dinero nuevo, para que los préstamos no fueran inlacionarios.

¿Cómo ayudaba la inanciación indexada de vivienda? O princípio básico era estabelecer uma tasa de interés reais, por ejemplo, del 4% sobre as cuentas indexadas de ahorros e del 6% sobre las hipotecas indexadas de los prestatarios. Esto haría dos cosas. En primer lugar, alentaría el ahorro real en una decena de nuevas corporaciones inancieras de vivienda, en libre competencia, conocidas como Corporaciones de Ahorro y Vivienda (CAV), que podrían atraer depósitos en unidades de poder adquisitivo (UPAC), cuyo equivalente nominal se reajustaría diariamente por el índice de precios al consumidor12,

y a las que se garantizarían unos intereses ijos en términos reales.

12 Rosenstein-Rodan (1984, p. 214) se preocupó por la “indivisibilidade de

la oferta de ahorro ”que se necessita para conseguir um“ alto quantum mí-nimo de inversión ”. Pensaba que existía una “elasticidad precio de la oferta de ahorro cero (o muy baja) ”, pero una elasticidad ingreso alta y con una mayor tasa de crecimiento una vez se lograba superar cierto umbral mínimo crítico. Currie, en cambio, tenía mucha más confianza en la respuesta de los ahorros ante un rendimiento real más alto, una elasticidad precio that ac-tuaría en paralelo con la elasticidad ingreso. Los resultados justificaron am-pliamente el optimismo de Currie. Ver Sandilands (1990, cap. 10) el cap. 11 também descreve o papel clave de Currie no diseño urbano inovador e na captura por parte do Governo de las valorizaciones de la tierra, cuyo precio subía a medida que crecía la población urbana, sen que mediara inversión alguna de sus propietarios. Ver también Currie (1976).

En segundo lugar, o grande aumento de los ahorros sem podria saturar o aumento de sua demanda, que seria igual (o mayor) gra-cias a que las cuotas que debian pagar los prestatarios se calculaban ahora con las bajas tasas reales y no con las nominales, de manera que disminuían en monto nominal pese a que pagaban una tasa de interés real positiva.

Aunque una parte de los mayores ahorros captados por las CAV representa um traslado de ahorros que antes captaban otras ins-tituciones inancieras, que se vieron obligadas a recortar el crédito de consumo, no hubo una caída de la demanda del consumidor ni de la inversión empresarial porque los salarios y las ganancias aumentaron a medida que la economía conseguía una mayor tasa de crecimiento.

This tasa más alta se podria haber sostenido durante um periodo más largo –por el efecto endógeno de “rendimientos crecientes” de Young– si las autoridades monetarias y iscales no hubiesen frenado el crecimiento con otras politicas erróneas. También hubo aquies-cencia con ciertos grupos de interés, principalmente prestatarios que, uma vez obtuvieron sus hipotecas (antes muy difíciles de conseguir), empezaron a presionar para disminuir o aumento de sus cuotas debido a la indexación del UPAC con los precios, en detrimento de los ahorradores. Este é redujo la iniciação para futuros solicitantes de hipotecas y debilitó o efecto dinamizador de la construcción de vivienda como sector líder.

Se puede concluir que no es suiciente superar el umbral crido inicial. O esfuerzo e o compromisso de las autoridades de politica deben ser sostenidos.

No embargo, existe una tendencia subyacente que tiende a prolon-gar una mayor tasa de crecimiento en forma endógena –porque ella misma oferece oportunidades cada vez mayores para aumentar la especialización a medida que se amplia el mercado– y esto puede reducir el daño de los errores políticos, los desastres naturales y otros eventos exógenos.

Se pode aprender muito sobre o debate provocado pelo artigo seminal de Rosenstein-Rodan em 1943 aún más do importante artigo sobre rendimientos macroeconómicos crecientes de Allyn Young, de las discusiones entre Albert Hirschman e Lauchlin Currie sobre dichos temas e de las reformas institucionais impulsadas por Currie , quien creía que las ideas no eran solo “petites idées” para jugar, sino para usar.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Alacevich, M. (2007). Primeiros debates sobre economia do desenvolvimento revisitados.

Washington DC: Documento de trabalho 4441 do Banco Mundial.

Alacevich, M. (2009). A economia política do Banco Mundial: o primeiro

anos. Stanford: University Press.

Adelman, J. (2013). Filósofo mundano: A odisséia de Albert O. Hirschman.

Princeton NJ: Princeton University Press.

Arndt, H. W. (1955). Economias externas em crescimento econômico. Econômico

Registro, 31(1-2), 192-214.

Chandra, R. (2006). Estratégia de crescimento do "setor líder" de Currie:

avaliação. Journal of Development Studies, 42(3), 490-508.

Chandra, R. e Sandilands, R. J. (2006). O papel das economias externas pecuniárias e retornos crescentes de escala na teoria do aumento

retorna. Revisão da Economia Política, 18(2), 193-208.

Currie, L. (1961). Operación Colombia: un programa nacional de desarrollo

económico e social. Barranquilla: Cámara Colombiana de la Construcción.

Currie, L. (1971). Diretrizes para uma nova estratégia de desenvolvimento. Bogotá:

Departamento Nacional de Planeación.

Currie, L. (1974). O modelo líder de crescimento do setor em desenvolvimento

países. Journal of Economic Studies, 1(1), 1-16.

Currie, L. (1976). Domando a megalópole: um projeto para o crescimento urbano.

Currie, L. (1981). O papel dos consultores econômicos em países em desenvolvimento.

Westport CT: Greenwood Press.

Currie, L. (1983). O ‘multiplicador’ na literatura econômica. Diário de

Estudos Econômicos, 10(3), 42-48.

Currie, L. (1997). Implicações de uma teoria endógena de crescimento em

O conceito macroeconômico de Allyn Young de retornos crescentes. História

de Economia Política, 29(3), 413-443. Trad. al español Currie, L. y

Sandilands, R. Implicaciones de una teoría del crecimiento endógeno en el concepto macroeconómico de rendimientos crecientes de Allyn

Novo. Revista de Economía Institucional, 15(1), 95-126.

Flyvbjerg, B. (2017). A pesquisa do megaprojeto foi pioneira na economia comportamental? O caso de Albert O. Hirschman. En B. Flyvbjerg (ed.).

O manual Oxford de gestão de megaprojetos, (pp. 155-193). Nueva

York: Oxford University Press.

Hirschman, A. O. (1957). Política de investimento e ‘dualismo’ em

países subdesenvolvidos. American Economic Review, 47(5), 550-570.

Hirschman, A. O. (1958). A estratégia de desenvolvimento econômico. Novo

Haven: Yale University Press.

Hirschman, A. O. (1963). Projetos de desenvolvimento observados. Washington DC:

The Brookings Institution.

Hirschman, A. O. (1967). Revisão da aceleração do desenvolvimento: O

necessidade e os meios, por Lauchlin Currie. Economico americano

Análise, 57(3), 611-613.

Krugman, P. (1993). Rumo a uma contra-contra-revolução no desenvolvimento

teoria. En L.H. Summers y S. Shah (eds.). Proceedings of the World

Conferência do Banco sobre Economia do Desenvolvimento 1992 (pp. 15-62).

Leibenstein, H. (1957). Atraso econômico e crescimento econômico. Nueva

Nurkse, R. (1953). Problemas de formação de capital em países subdesenvolvidos.

Oxford: Oxford University Press.

Perälä, M. (2006). Olhando para o outro lado da moeda: Allyn Young

e a teoria do desenvolvimento inicial. Jornal da História da Economia

Pensei, 28(4), 461-488.

Rosenstein, R. P. (1943).Problemas de industrialização do Oriente e

Sudeste da Europa. Economic Journal, 53(210-211), 202-211.

Rosenstein, R. P. (1984). Natura fecit saltum: Análise do

processo de crescimento desequilibrado. En G. M. Meier e D. Seers (eds.). Pioneiros em

desenvolvimento (pp. 205-221). Oxford: Oxford University Press.

Sandilands, R. J. (1990). A vida e a economia política de Lauchlin Currie:

New Dealer, conselheiro presidencial e economista de desenvolvimento. Durham,

Sandilands, R. J. (1999). Novas evidências sobre o estilo de Allyn Young e

influência como professor. Journal of Economic Studies, 26(6), 453-479.

Sandilands, R. J. (2009). Solovian e a nova teoria do crescimento na perspectiva de Allyn Young sobre retornos crescentes macroeconômicos.

História da Economia Política, 41 (suplemento anual), 285-303.

Sandilands, R. J. (2015a). A missão do Banco Mundial de 1949 à Colômbia e as visões concorrentes de Lauchlin Currie e Albert

Hirsch-man. História do Pensamento e Política Econômica, 21-38. Trad. al español

Sandilands, R. La misión del Banco Mundial a Colombia de 1949, y

las visiones opuestas de Lauchlin Currie y Albert Hirschman, Revista

de Economía Institucional, 17(32), 213-232.

Sandilands, R. J. (2015b). Filósofo mundano: A odisséia de Albert O.

Hirschman. Jornal da História do Pensamento Econômico, 37(4), 674-680.

Scitovsky, T. (1954). Dois conceitos de economias externas. Diário de

Economia política, 62, 143-151.

Stein, H. (1969). Revolução Fiscal na América. Chicago: Chicago

Sunstein, C. R. (2015). A mão escondida de Albert Hirschman. Prefácio para

Albert O. Hirschman, Projetos de desenvolvimento observados, 3ª ed.,

Washington, DC: Brookings Institution.

Young, A. A. (1928). Retornos crescentes e progresso econômico. Econômico

Diário, 38(152), 527-542. Trad. al español: Young, A. A. (2009).

Rendimientos crecientes y progreso económico, Revista de Economía


2.1. Currie’s e Hirschman’s P rior D esvelopment P olicy E xperience

33 Nem Currie, nem Hirschman eram especialistas em desenvolvimento quando chegaram à Colômbia. Embora Currie tenha trabalhado como um importante conselheiro econômico no Federal Reserve, 1934-39, e depois como conselheiro do presidente Roosevelt na Casa Branca para assuntos econômicos, 1939-45, seu único contato com um país subdesenvolvido foram duas visitas à China em 1942 e 1943. Seu envolvimento lá foi inicialmente para investigar as causas da inflação do tempo de guerra na China, mas ele então se envolveu com o programa civil de empréstimo-arrendamento para a China. Ele também foi o chefe interino da Administração Econômica Estrangeira, 1943-44 e no início de 1945 chefiou uma missão de guerra à Suíça como emissário do presidente Roosevelt. Ele deixou o serviço público após a morte de Roosevelt em abril de 1945 para trabalhar como consultor privado em projetos que incluíam negócios privados com a China, Argentina e México. Hirschman tinha ainda menos conhecimento em economia do desenvolvimento. Depois de receber uma formação heterodoxa em economia estatística na Europa, ele emigrou para os Estados Unidos no início de 1941 e trabalhou na Universidade de Berkeley por três anos antes de se alistar no Exército dos EUA em fevereiro de 1944, servindo no Norte da África e na Itália. Após a guerra, ele trabalhou como economista no Departamento de Comércio dos EUA e no Federal Reserve Board e foi o representante do Fed no Programa de Recuperação Europeia, onde seu trabalho incluiu lidar com problemas de controle de câmbio (Adelman, 2013 2016). Paradoxalmente, Currie e Hirschman acabaram como conselheiros estrangeiros no emergente “terceiro mundo” (Escobar, 1995), escapando, intencionalmente ou involuntariamente, do macarthismo.

34 Portanto, sua primeira estada na Colômbia foi formativa para eles. Foi determinante de forma negativa, como uma experiência da qual eles tentam se distanciar depois, especificamente, de alguns aspectos de seu trabalho como assessores estrangeiros da Missão do BIRD e do Conselho Nacional de Planejamento de acompanhamento. Esse processo de demarcação é produtivo porque permite apresentar visões alternativas sobre o desenvolvimento. Ambos desenvolveram uma compreensão ampla do desenvolvimento, livre de qualquer reducionismo econômico, como um processo de tomada de decisão. É neste sentido que nos propomos a interpretar a afirmação de Deas (2012, 148) de que "[n] nem um nem outro acreditava tanto na economia do desenvolvimento."

35 Mas sua visão do desenvolvimento certamente diferia quanto ao lugar que atribuíam à política e às partes interessadas. Currie, por sua vez, afirma que não existe economia do desenvolvimento, mas sim economia aplicada a condições particulares prevalecentes nos países em desenvolvimento. Ele está ciente do papel decisivo que as partes interessadas desempenham na implementação de qualquer política, o que explica a quantidade de tempo que ele gasta se comunicando com políticos importantes, incluindo Ministros e Presidentes, a fim de influenciar suas decisões, elogiando suas ações quando foram apoiados e em linha com o conselho técnico em vez de apontar possíveis erros ou mal-entendidos. Currie vê o aconselhamento econômico como um tipo de transferência de tecnologia dependente da capacidade administrativa e do nível de competência dos atores locais. Nesse sentido, aconselhar é uma arte (Currie, 1981, 188), utilizando uma rigorosa análise teórica e disciplina mental que deve considerar as circunstâncias prevalecentes para atingir os objetivos desejados (Currie, 1981, 208). Um especialista deve ajustar a teoria à situação em questão e identificar as forças transformadoras para promovê-las (Currie, 1981, 231). Em um contexto de baixa capacidade administrativa e insignificante educação econômica avançada, o especialista atua como uma espécie de guia. Essa não era a opinião de Hirschman. Para ele, mais do que orientar, o especialista pode atuar como catalisador do debate público, alguém que não necessariamente tem as respostas, mas pode ajudar na sua articulação.


Arquivo: Lauchlin Currie 17 de julho de 1939.tiff

Clique em uma data / hora para ver o arquivo como ele apareceu naquele momento.

Data horaMiniaturaDimensõesDo utilizadorComente
atual21:45, 3 de junho de 20133.900 × 3.130 (11,64 MB) Canoe1967 (conversa | contribs) recortado
21:38, 3 de junho de 2013 />5.007 × 4.001 (19,14 MB) Canoe1967 (conversa | contribs) Página criada pelo usuário com UploadWizard

Você não pode sobrescrever este arquivo.


Assista o vídeo: Cátedra Currie 2018