Lincoln “usurpou” seus poderes de guerra?

Lincoln “usurpou” seus poderes de guerra?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em uma pergunta anterior, afirmei que Lincoln "usurpou" seus poderes de guerra durante a guerra civil. Esta declaração foi controversa e suscitou comentários ponderados. Pensei em abrir uma nova pergunta a fazer: Lincoln "usurpou" seus poderes de guerra? Ele usou os militares para assumir esses poderes e mantê-los a partir dos freios e contrapesos embutidos na Constituição pelo uso dos militares?

Aqui está minha pesquisa.

O que significa usurpar

Definição de Usurp de Merriam Webster - apreender e manter (cargo, lugar, funções, poderes, etc.) na posse pela força ou sem direito.

Antecedentes - Tempos Extraordinários

O governo anterior do presidente James Buchanan foi congelado em face da insurreição. Antes de Lincoln, James Buchanan acreditar que o sindicato não tinha o direito legal de impedir a sucessão e até mesmo se aliar publicamente aos separatistas do sul em um discurso ao Congresso.

James Buchanan
Buchanan negou o direito legal dos estados de se separarem, mas sustentou que o governo federal legalmente não poderia impedi-los. Ele colocou a culpa pela crise apenas na "interferência intemperante do povo do Norte na questão da escravidão nos Estados do Sul" e sugeriu que se eles "não revogassem suas promulgações inconstitucionais e desagradáveis ​​... os Estados prejudicados, após terem usado pela primeira vez todos os meios pacíficos e constitucionais para obter reparação seriam justificados na resistência revolucionária ao Governo da União.

A administração de Buchanan estava repleta de simpatizantes do sul.

O secretário de guerra de James Buchanan John B. Floyd, foi um ex-governador da Virgínia e futuro general confederado, que usou seu tempo como secretário de guerra da nação para preparar o sul para a secessão. Floyd transferiu armas para os arsenais do sul para facilitar sua captura e uso pelo sul.

As Memórias do General Ulysses S. Grant:
capítulo XVI: A crise que se aproxima

Enquanto isso, a administração do presidente Buchanan olhava impotente e proclamava que o governo geral não tinha poder para interferir; que a Nação não tinha poder para salvar sua própria vida. Buchanan tinha em seu gabinete pelo menos dois membros, que eram tão sérios - para usar um termo moderado - na causa da secessão quanto Davis ou qualquer estadista sulista. Um deles, Floyd, o Secretário da Guerra, espalhou o exército para que grande parte dele pudesse ser capturado quando as hostilidades deveriam começar, e distribuiu os canhões e pequenas armas dos arsenais do Norte em todo o Sul para estarem disponíveis quando a traição os quisesse . A marinha foi espalhada da mesma maneira. O presidente não impediu que seu gabinete se preparasse para a guerra contra seu governo, seja destruindo seus recursos ou armazenando-os no sul, até que um governo de fato fosse estabelecido com Jefferson Davis como presidente e Montgomery, Alabama, como capital. Os separatistas tiveram então que deixar o gabinete. Em sua própria avaliação, eram estrangeiros no país que os dera à luz. Homens leais foram colocados em seus lugares. Traição no ramo executivo do governo foi impedida. Mas o mal já havia sido feito. A porta do estábulo foi trancada depois que o cavalo foi roubado.

Entre o momento em que o presidente Lincoln é eleito e assume o cargo, os primeiros sete estados se separaram.

Lincoln é eleito 6 de novembro de 1860

1 Carolina do Sul: 20 de dezembro de 1860 2 Mississippi: 9 de janeiro de 1861 3 Flórida: 10 de janeiro de 1861 4 Alabama: 11 de janeiro de 1861 5 Geórgia: 19 de janeiro de 1861 6 Louisiana: 26 de janeiro de 1861 7 Texas: 1 de fevereiro de 1861

Lincoln faz juramento em 4 de março de 1861 Batalha de Fort Sumpter 11 de abril de 1861 John Merryman é preso em Md em 25 de maio de 1861 Crise constitucional entre Lincoln e a Suprema Corte 28 de maio de 1861

Que poderes estamos chamando de poderes de guerra de Lincoln?

Especificamente:

(removido o direito de declarar a guerra, pois Lincoln tinha o poder de convocar a milícia estadual para acabar com as insurreições dos Lei da Milícia de 1795 consulte a página 163)

  • o direito de pedir emprestado, orçar e gastar dinheiro sem a aprovação do Congresso
  • ignorar o judiciário, incluindo o Supremo Tribunal
  • suspensão da liberdade de expressão em estados fronteiriços (Maryland)
  • suspensão da liberdade de imprensa em estados fronteiriços (Maryland)
  • a prisão de simpatizantes rebeldes
  • a prisão de dissidentes do norte
  • banir / deportar cidadãos por causa de ofensas verbais

    Liberdades civis em crise
    A afirmação pública da Confederação e de seus líderes pode levar à prisão. Depois que William Kelley brindou com Jefferson Davis, ele foi preso por “linguagem de traição”, enquanto Richard Warner, do Liberty, teve o mesmo destino por dar uma torcida pelo presidente da Confederação. Três jovens foram presas em Frederick por entoar canções separatistas. Thomas John Claggett, também de Frederick, foi preso e preso por cantar “Dixie”.

  • Militares prendendo membros da legislatura de Maryland que nem o Md House nem o Senado puderam formar um quorum para debater a sucessão.

    Liberdades civis em crise
    Quando o Legislativo (de Maryland) se reuniu novamente em setembro, com muitos de seus membros presos e tropas de Wisconsin estacionadas na cidade, nem a Câmara dos Delegados nem o Senado conseguiram reunir um quorum. Nenhum outro debate ocorreu sobre a questão da secessão. Os esforços para se separar assim terminaram na cidade de Frederick, subvertida e silenciada com sucesso pela administração de Lincoln.

  • a suspensão do habeas corpus

  • o uso de tribunais militares em vez de cortes civis para julgar civis
  • o confisco de propriedade dos rebeldes
  • a emancipação dos escravos

O que diz a Constituição

A Constituição divide a responsabilidade pela guerra: Artigo I, dá ao Congresso o poder de:

  • declarar guerra
  • para autorizar um exército e uma marinha,
  • supervisionar as milícias estaduais
  • para "prever a convocação dessas milícias

O Artigo II atribui ao Presidente a responsabilidade de usar essas forças.

A Constituição não menciona "poderes de guerra" de forma alguma.

O uso de poder militar por Lincoln para reforçar seus poderes de guerra

Lincoln e Tanners - grande confronto de escritura

Na Constituição dos Estados Unidos, Artigo 1, Seção 9, de a Constituição estabelece que “o Privilégio do Mandado de Habeas Corpus não será suspenso, a menos que em Casos de Rebelião ou Invasão a Segurança pública o exija”. As origens do habeas corpus remontam à assinatura da Magna Carta na Inglaterra em 1215 e obriga o governo a mostrar a causa a um juiz a prisão ou detenção de uma pessoa.

Em 25 de maio de 1861, as tropas federais prenderam um dono de plantação de Maryland, John Merryman, sob suspeita de que ele estava envolvido com um grupo separatista. O Sr. Merryman não foi julgado, nenhum mandado judicial foi emitido para sua prisão e ele não confrontou nenhuma testemunha contra ele. Em 27 de maio de 1861, o presidente da Suprema Corte, Roger Taney, emitiu um habeas corpus para John Merryman, ordenando ao general George Cadwalader, comandante do Fort McHenry, que apresentasse Merryman e explicasse ao tribunal por que o homem está detido sem um mandado.

O general Cadwalader não cumpriu o mandado do juiz Taney, não compareceu ao tribunal, mas, em vez disso, enviou uma carta a Jutice Taney explicando que o presidente Lincoln havia autorizado os militares a suspender o mandado para facilitar a segurança pública. O juiz Taney, então, encontra Cadwalader em desacato ao tribunal, mas os soldados do Forte McHenry se recusaram a aceitar a notificação.

Lincoln e Tanners - grande confronto de escritura
Em 28 de maio, Taney emitiu uma opinião oral, que foi seguida por uma opinião escrita alguns dias depois. Afirmou que a Constituição pretendia claramente que o Congresso, e não o Presidente, tivesse o poder de suspender o mandado em caso de emergência.

“A cláusula da Constituição que autoriza a suspensão do privilégio do recurso de habeas corpus está no inciso nono do artigo primeiro. Este artigo é dedicado ao Departamento Legislativo dos Estados Unidos e não faz a menor referência ao Departamento Executivo ”, argumentou Taney.

O achado do juiz Taney também é ignorado, ao qual Taney escreve ...

Lincoln e Tanners - grande confronto de escritura
“Tenho exercido todo o poder que a Constituição e as leis me conferem, mas esse poder tem sido combatido por uma força muito forte para que eu possa superar,”

Precedente de poderes de guerra nos Estados Unidos antes de Lincoln

War Powers é um conceito antigo. O romano Lucius Quinctius Cincinnatus em uma época em que Roma era uma república, foram concedidos poderes e autoridade ao imperador para lidar com uma crise marechal. Cincunnatus foi muito influente com George Washington que se imaginou do mesmo molde. Washington até nomeou a sociedade de oficiais da Guerra Revolucionária que fundou a sociedade de Cincunatus.

Washington como Cincinnatus
As representações de Washington como Cincinnatus abundaram nos períodos revolucionário e republicano inicial. Philip Freneau evocou Cincinnatus em um poema escrito por ocasião da renúncia de Washington em dezembro de 1783. Comentando sobre a decisão de Washington de retornar à aposentadoria em Mount Vernon, Freneau escreveu: "Assim Ele, a quem as orgulhosas legiões de Roma influenciaram / Beturn'd, e buscou sua sombra silvestre. "5 Trinta anos depois, em sua" Ode a Napoleão ", Lord Byron elogiou Washington como" o Cincinnatus do Ocidente ".6 Em uma das imagens contemporâneas mais famosas de Washington, a estátua de Jean-Antoine Houdon ( 1785-1791) na rotunda da capital do estado em Richmond, Virgínia, o general aposentado é retratado em trajes civis como "um Cincinnatus moderno", em pé na frente de seu arado.

.

Abraham Lincoln um homem de ideias página 195 O Secretário de Estado do Presidente Lincoln, Charles Sumner, argumentou que
o poder de guerra do Presidente está acima da Constituição, porque, quando posto em movimento, não conhece outra lei ... O poder civil, em massa e no detalhe, é suplantado, e todos os direitos ficam subordinados a esta magistratura militar. Todas as outras agências, pequenas e grandes, executivas, legislativas e até judiciais, estão absorvidas neste poder triúno transcendente, que, por enquanto, declara sua vontade absoluta, enquanto segura igualmente a balança da justiça e a espada do carrasco.

.

Só que não há menção de "Poderes de Guerra" para o executivo escrito na Constituição.

Lincoln justificou sua aceitação de seus poderes de guerra especiais com base em seu juramento de posse. Seu Juramento presidencial pede que ele "preserve, proteja e defenda a Constituição dos Estados Unidos", e essa foi sua justificativa.

Abraham Lincoln e o Desenvolvimento dos "Poderes de Guerra" da Presidência

Ao conferir ao presidente o título de "comandante-chefe", a Constituição criou uma área incômoda e indefinida de prerrogativa presidencial. O primeiro presidente a enfrentar essa ambigüidade foi Abraham Lincoln, que desenvolveu uma doutrina presidencial de "poderes de guerra" baseada em seu juramento presidencial, na "garantia republicana" da Constituição e na necessidade imposta pela novidade de uma guerra civil. Essa doutrina foi seriamente contestada na época de Lincoln pelo Congresso e pelo Judiciário, e continua sendo uma questão constitucional não resolvida no presente. Mas o uso de tais poderes de guerra por Lincoln é uma demonstração de como uma doutrina destinada a conceder ao presidente poderes unilaterais para anular as salvaguardas das liberdades civis não precisa criar uma ameaça letal ao governo democrático e constitucional.

Poderes de guerra mais modernos

Os poderes de guerra, embora iniciados por Abraham Lincoln como uma manifestação americana, foram assumidos pelos presidentes subsequentes. Eles também eram o nome de um ato do Congresso aprovado em lei em 1973 (Resolução dos Poderes de Guerra) que venceu um Veto Presidencial e tentou impedir o Presidente de comprometer as Forças para a Guerra sem uma declaração do Congresso. Essa lei foi violada por presidentes subsequentes e essas violações nunca foram processadas. Os poderes de guerra continuam sendo um assunto controverso hoje.

Uso moderno de poderes de guerra

  • As apreensões de propriedades alemãs pelos presidentes Wilson e Roosevelt durante as duas guerras mundiais
  • A detenção do presidente Roosevelt dos nisseis em 1942
  • A nacionalização da indústria siderúrgica pelo presidente Truman
  • Presidentes Kennedy, Johnson e Nixon e a Guerra do Vietnã
  • Resgate fracassado de reféns do presidente Jimmy Carter no Irã
  • O presidente Ronald Reagan está enviando fuzileiros navais dos EUA para o Líbano
  • Invasão do presidente Ronald Reagan de Granada
  • O presidente Bill Clinton em 1999, durante a campanha de bombardeio em Kosovo.
  • Uso da Baía de Guantánamo pelo presidente George W Bush como campo de prisioneiros
  • Uso da força militar pelo presidente Barak Obama na Síria


Pergunta Relacionada:

  • O que a Proclamação de Emancipação fez exatamente?

Fontes:

  • Dicionário Webster Merriam: Usurp
  • Os poderes de guerra de Lincoln: parte constituição, parte confiança
  • John B. Floyd, Secretário de Guerra do Presidente Buchanan
  • Wikipedia: John B. Floyd
  • Sociedade do Cincinnatus
  • As memórias do general Ulysses S. Grant
  • Resolução de poderes de guerra
  • Lincoln e Tanners - grande confronto de escritura
  • Abraham Lincoln e o Desenvolvimento dos "Poderes de Guerra" da Presidência
  • Liberdades civis em crise
  • Abraham Lincoln um homem de ideias
  • Movimento de Obama na Síria reacende debate sobre poderes de guerra

Comentários

Mark C. Wallace Apenas curioso. "Usurp" não é uma palavra neutra e também é um verbo transitivo.

Em minha opinião, "usurpar" descreve os eventos à medida que ocorreram e não é negativo. Na minha opinião, o que torna a questão interessante é o fato de que os pais fundadores ERAM a paranóia de incutir na Presidência poderes ditatoriais. Paranóico, a presidência se tornaria uma monarquia de fato. Foi um dos seus medos mais consistentes e por que nos artigos originais da Confederação não havia cargo de presidente. Ditador também foi a acusação feita continuamente contra George Washington por Thomas Jefferson e seus apoiadores. O fato de Lincoln ter feito tanto que os pais fundadores mais temiam, e o fez em defesa da constituição, torna esta questão interessante. O fato de Lincoln ter tomado essas ações, unilateralmente e "se revestindo de imenso poder", numa época em que a nação precisava de um líder ousado o suficiente para tomar tais ações, a meu ver salvou o sindicato. Talvez negativo se você fosse um dos pais fundadores que estava debatendo "poderes de guerra" hipoteticamente em 1790. Talvez negativo se você fosse um contemporâneo de Lincoln em 1862. Mas certamente esta é uma das razões pelas quais Abraham Lincoln entrou para a história como um dos os maiores presidentes americanos. Literalmente, revestindo-se de imenso poder para salvar o sindicato.

Mark C. Wallace De quem são os poderes usurpados?

Os direitos usurpados do Congresso

  • suspender habeas corpus
  • declarar guerra
  • o direito de pedir emprestado, orçar e gastar dinheiro

Os direitos usurpados do Supremo Tribunal

  • para verificar o Poder Presidencial e garantir que a constitucionalidade da ação federal foi usurpada

O direito de legislar no nível do estado de Maryland foi usurpado de a legislatura de Maryland. Os direitos de reunião, liberdade de expressão e imprensa livres foram usurpados dos cidadãos que foram presos e / ou deportados por exercerem esses direitos.

Mark C. Wallace Como a questão mudaria se indagasse se Lincoln "criou" seus poderes de guerra? -

Se Lincoln tivesse meramente criado esses poderes de guerra, talvez ele ainda fosse um grande presidente. Mas que ele os usurpou no serviço de proteger a constituição, candidatou-se à reeleição em 1864 e permitiu que o povo julgasse suas ações, e foi finalmente bem-sucedido em preservar a união; são tudo o que diferencia Lincoln como um dos maiores.


Em primeiro lugar, vamos dispensar um desacordo:

  • o direito de declarar guerra sem Congresso

Isso não aconteceu. Nenhuma declaração de guerra foi sempre feito para a guerra civil dos EUA. Eu não olhei para o lado confederado disso, mas do ponto de vista da União, tal declaração não teria feito nenhum sentido. Um DoW é entregue a um governo estrangeiro, e emitir um na Confederação exigiria reconhecê-los como um governo legal.

Isso é inteiramente consistente com as ações anteriores dos militares dos EUA sob presidentes anteriores. Não houve declaração de guerra quando Washington reprimiu a Rebelião do Whisky, nem quando Adams usou tropas federais para reprimir a Rebelião de Fries. A única coisa realmente nova e diferente aqui era a escala (ou, se preferir, a gravidade da ameaça).


Quanto ao resto, há um pouco mais de justiça aqui. No entanto, sua linha do tempo está visivelmente carente de menções do Congresso, considerando que o argumento centra-se no exercício de seus poderes. Então, vamos adicionar alguns marcadores:

  • 28 de março de 1861 - Congresso é encerrado (Sessão Especial)
  • 4 de julho de 1861 - o Congresso se reúne para sua primeira sessão.

Todas as coisas de que você está falando aconteceram entre esses dois primeiros itens, e acredito que tudo foi (retroativamente) aprovado pelo Congresso assim que ele se reuniu novamente.

Agora, se fosse considerado necessário e produtivo fazê-lo, o Congresso poderia ter permanecido em sessão para autorizar todas essas ações à medida que surgissem. O novo Congresso era esmagadoramente republicano, então não havia muita chance de eles não aprovarem e havia uma necessidade militar de ação rápida. O Congresso (uma vez que se reuniu novamente) certamente não estava se comportando como se sentisse que seu poder havia sido "usurpado".

Agora, para a próxima pergunta óbvia: por que diabos o Congresso adiar em um momento como este? Não foi normal. Os congressos típicos da época realizaram sua primeira sessão do início de dezembro a algum momento em agosto. Esse conjunto de datas se assemelhava mais a uma segunda sessão típica. Não consigo encontrar nenhuma referência ao motivo exato para isso, mas parece bastante provável que houvesse uma quantidade considerável de membros em 28 de março que representavam estados que estavam se preparando para se separar e, portanto, provavelmente teriam trabalhado para sabotar ativamente o corpo se eles permaneceram em Washington como o ex-secretário de Guerra Floyd vinha fazendo. Sendo mais generoso, o adiamento deu aos congressistas tempo para ir para casa e verificar se seus estados realmente procurado eles voltem para DC. Estava realmente no ar se haveria um Congresso para o qual voltar.

A Suprema Corte estava, sem dúvida, em pior condição, já que todos, exceto 2 de seus membros, eram sulistas ou simpatizantes da escravidão. Também poderia conter sabotadores do tipo Floyd, dispostos a tomar decisões especificamente para ajudar militarmente os confederados.* Obedecer às suas decisões sobre a autoridade do Congresso enquanto o Congresso estava fora de sessão para se pronunciar pode ser considerado suicida tolo.

Perceba que muitas das ações em questão visavam impedir que Maryland deixasse o sindicato. Uma rápida olhada em um mapa mostrará que se isso tivesse acontecido, toda a posição de Washington DC provavelmente teria sido insustentável, e o "sindicato" teria se deparado com a perspectiva de tentar dirigir um governo e levantar tropas para proteger próprio do Exército Confederado sem capitólio.

Em suma, esta era uma situação super incomum, e uma em que a estrita obediência à letra e não ao espírito da Constituição provavelmente não teria feito nada além de condená-la.

* - No caso, apenas um membro do SCOTUS renunciou (em 30 de abril, 2 meses e meio após a separação de seu estado) e ingressou na Confederação. Infelizmente para ele, seu estado também não confiava nele, e ele teve que passar o resto da guerra em Nova Orleans.


É realmente uma boa ideia usar a definição de USURP - “Apreender e manter (cargo, lugar, funções, poderes, etc.) na posse pela força ou sem direito”, E para responder à pergunta “De quem são os poderes usurpados?”.

Portanto, para usurpar o poder, deve-se: a) Usar o poder que não tem direito de usar; E
b) Impedir que quem tem direito a fazer uso da faculdade o exerça.

Os direitos usurpados do Congresso: Lincoln usou alguns direitos reservados ao Congresso no momento em que a) o Congresso fisicamente não podia exercer esses direitos (porque não estava em sessão) eb) o exercício imediato desses direitos era necessário para que o presidente cumprisse seu dever constitucional “com o melhor de minha capacidade, preservar, proteger e defender a Constituição dos Estados Unidos ”. No entanto, em nenhum momento Lincoln impediu o Congresso de exercer poderes legislativos; pelo contrário, após a Confederação abrir as hostilidades contra o exército dos EUA, Lincoln convocou o Congresso para uma sessão extraordinária em 4 de julho de 1861 (normalmente, a sessão do Congresso não ocorreria até dezembro do mesmo ano).

O direito de legislar no nível do estado de Maryland: Lincoln impediu que alguns membros da legislatura de Maryland exercessem seu poder legislativo, mas não legislou no nível do estado de Maryland.

Nos casos do Congresso e da legislatura de Maryland, a legalidade e a constitucionalidade das ações de Lincoln podem ser questionadas e discutidas, mas não constituem usurpação pela Definição de Merriam Webster.

Falando sobre os direitos usurpados da Suprema Corte - de quais casos e decisões específicas da Suprema Corte você está falando? Os juízes da Suprema Corte também atuaram como juízes de um tribunal federal para diferentes distritos, mas suas ações individuais nessas funções não constituem poderes da Suprema Corte.


Lincoln disse em seu primeiro discurso de posse que o único recurso dos estados minoritários era a revolução.

Portanto, se for para concordar, então, tecnicamente, Lincoln não poderia ter usurpado nada, porque a maioria dos funcionários do estado o apoiava; e sua discrição combinada determinaria o juiz final de seus próprios poderes.

Falando objetivamente, entretanto, a Constituição não deveria ser definida pelos funcionários estaduais combinados nos governos estadual e federal; mas pelo povo unânime de cada um dos estados, respectivamente, caso contrário, a Constituição não teria sentido em limitar o governo federal contra tal maioria. Que foi precisamente o objetivo sob os políticos da União e seus respectivos benfeitores. Como Lincoln disse em seu primeiro discurso de posse:

Este país, com suas instituições, pertence às pessoas que o habitam. Sempre que se cansarem do governo existente, podem exercer seu direito constitucional de emendá-lo ou seu direito revolucionário de desmembrá-lo ou derrubá-lo.

E, claro, uma alteração exige mais números do que qualquer lei federal à qual o povo poderia se opor, apresentando assim um Catch-22, pelo qual os estados minoritários só tinham revolução contra a maioria tanto em estados quanto em números, alegando que "Os estados têm seu status na União, e eles não têm nenhum outro status legal. Se eles rompem com isso, eles só podem fazê-lo contra a lei e pela revolução. "2

Portanto, se alguém concordar que a União era de fato uma única nação, e que o governo federal, portanto, detinha a autoridade nacional suprema sobre os estados individuais, então, tecnicamente, a ação federal não foi um ato de guerra e, portanto, não cairia na guerra. -poderes agir. No entanto, se eles concordarem com isso, então os fatos não são realmente importantes: apenas narrativas orientadas pela agenda.


Lincoln & ldquousurp & rdquo seus poderes de guerra? - História

Surah 2: 23-24, 98 Surah 3: 110 Surah 4: 47-56 Surah 5: 49-54 Surah 8:12 Surah 9: 5 Surah 9:14 Surah 12: 110 Surah 14: 15-18 Surah 19:46 Surah 29:40 Surah 36: 13-18 Surah 37: 167-179 Surah 38: 11-14 Surah 47: 4

Êxodo 22:18 Levítico 20: 26-27 Levítico 24: 11-16, 23 Números 15: 30-36 Números 31: 1-18 Deuteronômio 13: 1-16 Deuteronômio 17: 3-5 I Samuel 15

Relações islâmico-judaicas https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic–Jewish_relations

& # 34Fui vitorioso por meio do terror. & # 34 Muhammad, fundador do Islã Bukhari :: Livro 4 :: Volume 52 :: Hadith 220

“A escravidão faz parte do Islã. A escravidão faz parte da jihad, e a jihad permanecerá enquanto houver o Islã. Os muçulmanos que afirmam que o Islã é contra a escravidão são ignorantes, não estudiosos. Eles são apenas escritores. Quem diz essas coisas é um infiel. ” O xeque Saleh Al-Fawzan - Conselho Sênior de Clérigos, o órgão religioso mais importante da Arábia Saudita - o livro mais conhecido de Al-Fawzan, "Al-Tawheed - Monoteísmo", diz que a maioria dos muçulmanos são politeístas e, portanto, seu sangue e dinheiro estão à sua disposição por “verdadeiros muçulmanos”.

& # 34O Islã é a religião da luta. Ninguém deve acreditar que a guerra que estamos travando é a guerra do Estado Islâmico. É a guerra de todos os muçulmanos. É a guerra dos muçulmanos contra os infiéis. & # 34 Abu Bakr al-Baghdadi

& # 34Nós [muçulmanos] pegamos o Jizya, que é nosso de qualquer maneira. A situação normal é tirar dinheiro do kuffar [não muçulmano]. Eles nos dão o dinheiro. Você trabalha, dê-nos o dinheiro, Allahu Akhbar. Nós pegamos o dinheiro. & # 34 Anjem Choudary

https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_slavery_in_the_Muslim_world https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_views_on_slavery https://en.wikipedia.org/wiki/Jewish_views_on_slavery http://www.rense.com/general69 /invo.htm http://www.breitbart.com/national-security/2016/01/29/here-is-no-god-and-karl-marx-is-his-prophet-the-links-between- communism-islam-and-slavery / http://davidduke.com/jewish-role-african-slave-trade-highlighted-new-dutch-jewish-book/ https://www.youtube.com/watch?v= xGBkR-ygwhQ https://www.youtube.com/watch?v=52qakhOYMwo https://www.youtube.com/watch?v=sQ-CsYTPfbw https://www.youtube.com/watch?v=3NXC4Q_4JVg http://www.arabslavetrade.com/ http://survincity.com/2010/11/the-slave-trade-and-neutering-of-slavs-in-the/ https://www.youtube.com/ watch? v = D1dk7s1glhc https://www.youtube.com/watch?v=Ov9GFPmoOPg http://www.inthenameofallah.org/Islam%20&%20African%20Slave%20Trade.html http://africanhistory.about.com /od/slavery/a/IslamRoleSlavery01.htm http://takimag.com/article/islams _role_in_slavery_jim_goad / print # axzz42oNRrvn2 https://www.youtube.com/watch?v=sQ-CsYTPfbw

Mateus 28: 8-15 João 5: 9-18 João 7: 1-13 João 8: 31-59 João 9: 13-34 João 10: 19-39 João 11: 5-57 João 18:12 - 19:22 João 20: 18-19 Atos 4: 1-18 Atos 5: 17-30 Atos 7: 51-59 Atos 8: 1-3 Atos 10: 34-39 Atos 11:26 - 12:11 Atos 13: 44-50 Atos 14: 1-6, 19 Atos 17: 1-7, 10-13 Atos 18: 12-16 Atos 21: 27-36 Atos 23: 12-21 Atos 24-26

Revenue Act de 1862 https://en.wikipedia.org/wiki/Revenue_Act_of_1862 Décima sexta emenda à Constituição dos Estados Unidos http://en.wikipedia.org/wiki/Sixteenth_Amplement_to_the_United_States_Constitution Federal Reserve System http://en.wikipedia.org/ wiki / Federal_Reserve_System Ordem Executiva 6102 http://en.wikipedia.org/wiki/Executive_Order_6102 Dívida Nacional dos EUA, Dívida Total dos EUA, Passivos não financiados dos EUA http://www.usdebtclock.org/ Contribuições de presentes para reduzir a dívida em poder do público http : //www.treasurydirect.gov/govt/reports/pd/gift/gift.htm Bem-vindo ao Trade Ticker - o contador instantâneo da web apenas para o déficit comercial dos EUA. http://americaneconomicalert.org/ticker_home.asp CPI Inflation Calculator http://www.bls.gov/data/inflation_calculator.htm http://beta.foreignassistance.gov/explore http://beta.foreignassistance.gov/

http://www.treasurydirect.gov/NP/debt/current http://www.treasurydirect.gov/ http://www.opm.gov/policy-data-oversight/data-analysis-documentation/federal-employment -reports / historical-tables / total-governamental-Employment-since-1962 / http://www.opm.gov/policy-data-oversight/data-analysis-documentation/federal-employment-reports/#url=Historical- Tabelas www.whitehouse.gov/sites/default/files/omb/budget/fy2015/assets/hist01z1.xls http://www.whitehouse.gov/sites/default/files/omb/budget/fy2015/assets/hist. pdf www.whitehouse.gov/sites/default/files/omb/budget/fy2015/assets/hist.zip http://www.whitehouse.gov/omb/budget/Historicals/ http://www.census.gov/ econ / currentdata / dbsearch? program = FTD & ampstartYear = 1992 & ampendYear = 2014 & ampcategories = BOPGS & ampdataType = BAL & ampgeoLevel = US & ampadjusted = 1 & ampsubmit = GET + DATA http://www.census.gov/econ/ https://www.cia.gov/library/publications / the-world-factbook /

Operação Ajax Operação Northwoods & # 34Freedom Fighter & # 34 Mujahideen USS Liberty Itens militares dos EUA exportados ou transferidos para o Iraque na década de 1980 GAO / NSIAD-94-98 http://www.gao.gov/assets/220/219171.pdf Assistência para o Estado de Israel - Arquivo ID-83-51 EUA http://archive.gao.gov/f0102/121769.pdf Israel: Código de pedido de assistência estrangeira dos EUA IB85066 https://www.fas.org/sgp/crs/mideast /IB85066.pdf http://ronpaulinstitute.org/archives/peace-and-prosperity/2015/june/11/us-joint-chief-dempsey-to-israel-we-will-defend-you/ http: // www.cnn.com/2015/05/13/politics/obama-saudi-gcc/ EUA defendem venda de bombas coletivas para a Arábia Saudita http://www.presstv.com/Detail/2015/05/03/409322/US -Saudi-Arabia-Yemen-cluster-bombs Obama proclama: & # 39Não estamos em guerra com o Islã & # 39 http://www.cnn.com/2015/02/18/politics/obama-speech-extremism-terror- summit / index.html Obama & # 39s & # 34Multi-way Jesus & # 34 aponta para o universalismo http://standupforthetruth.com/2012/09/obamas-many-ways-jesus-points-to-universalism/ Bar ack Obama: The God Factor Entrevista (EXCLUSIVO) http://cathleenfalsani.com/2004/03/28/barack-obama-the-god-factor-interview-exclusive/ Bush: Todas as religiões oram ao & # 39 mesmo Deus & # 39 http://www.wnd.com/2007/10/43906/ Cristãos e muçulmanos adoram o mesmo deus? http://www.renewamerica.com/columns/baldwin/071023

Ben Swann Truth in Media: O que a mídia não está dizendo sobre a Síria https://www.youtube.com/watch?v=GCBhyzRELLw

Ben Swann https://www.facebook.com/BenSwannRealityCheck/videos/vl.410401892503111/970632976334986/?type=1&theater Petraeus Quer que a Al Qaeda combata o ISIS? Esse plano é maluco? Fmr. O general David Petraeus quer usar combatentes da Al Qaeda para enfrentar o ISIS. Já tentamos esse tipo de coisa antes? Sim, mas daquela vez foi CONTRA a Al Qaeda

Ben Swann Truth in Media: O que a mídia não está dizendo sobre a Síria https://www.youtube.com/watch?v=GCBhyzRELLw http://truthinmedia.com/tag/al-nusra-front/ http: / /truthinmedia.com/tag/al-qaeda http://truthinmedia.com/tag/syria/ https://www.facebook.com/BenSwannFullDisclosure

Audiolivro de A Origem das Espécies 3- Luta pela Existência (1/2) https://www.youtube.com/watch?v=uk_t4g2mSuE A Origem das Espécies 3- Livro em áudio da Luta pela Existência (2/2) https: // www .youtube.com / watch? v = RXCHVmLatO4 Defesa de plantas e animais https://www.youtube.com/watch?v=Sf-0mUgz3KA Ciência - Como os animais se protegem - Inglês https://www.youtube.com/watch ? v = 65K7l2jzMjc O direito de autodefesa http://www.oxfordbibliographies.com/view/document/obo-9780199796953/obo-9780199796953-0028.xml Direitos naturais, direito comum e o direito de autodefesa em inglês http : //www.americanbar.org/publications/insights_on_law_andsociety/14/fall-2013/natural-rights--common-law--and-the-english-right-of-self-defens.html Locke e autodefesa http : //www.americanthinker.com/blog/2013/02/locke_and_self-defense.html

Perguntas frequentes sobre pesquisa e citação de decisões judiciais tribais http://www.tribal-institute.org/lists/citation_help.htm Soberania e lei dos índios americanos (Série de bibliografia dos nativos americanos) 16 de março de 2009 por Wade Davies e Richmond L. Clow http: / /www.amazon.com/gp/search?index=books&linkCode=qs&keywords=9780810862364

& # 34É apropriado nos alarmarmos ao primeiro experimento sobre nossas liberdades. Consideramos este ciúme prudente o primeiro dever dos cidadãos e uma das características mais nobres da última Revolução. The free men of America did not wait till usurped power had strengthened itself by exercise, and entangled the question in precedents. They saw all the consequences in the principle, and they avoided the consequences by denying the principle. We revere this lesson too much soon to forget it."

James Madison, 20 June 1785

Wherever the real power in a Government lies, there is the danger of oppression. In our Governments, the real power lies in the majority of the Community, and the invasion of private rights is chiefly to be apprehended, not from the acts of Government contrary to the sense of its constituents, but from acts in which the Government is the mere instrument of the major number of the constituents. - letter to Thomas Jefferson (17 October 1788) Since the general civilization of mankind, I believe there are more instances of the abridgment of the freedom of the people by gradual and silent encroachments of those in power, than by violent and sudden usurpations but, on a candid examination of history, we shall find that turbulence, violence, and abuse of power, by the majority trampling on the rights of the minority, have produced factions and commotions, which, in republics, have, more frequently than any other cause, produced despotism. If we go over the whole history of ancient and modern republics, we shall find their destruction to have generally resulted from those causes. - Speech at the Virginia Convention to ratify the Federal Constitution A pure Democracy, by which I mean a Society consisting of a small number of citizens, who assemble and administer the Government in person, can admit of no cure for the mischiefs of faction. A common passion or interest will, in almost every case, be felt by a majority of the whole a communication and concert result from the form of Government itself and there is nothing to check the inducements to sacrifice the weaker party, or an obnoxious individual. Hence it is, that such Democracies have ever been spectacles of turbulence and contention have ever been found incompatible with personal security, or the rights of property and have in general been as short in their lives, as they have been violent in their deaths. Theoretic politicians, who have patronized this species of Government, have erroneously supposed, that by reducing mankind to a perfect equality in their political rights, they would, at the same time, be perfectly equalized and assimilated in their possessions, their opinions, and their passions. - Federalist No. 10

With respect to the words "general welfare," I have always regarded them as qualified by the detail of powers connected with them. To take them in a literal and unlimited sense would be a metamorphosis of the Constitution into a character which there is a host of proofs was not contemplated by its creators. - Letter to James Robertson Of all the enemies to public liberty war is, perhaps, the most to be dreaded, because it comprises and develops the germ of every other. War is the parent of armies from these proceed debts and taxes and armies, and debts, and taxes are the known instruments for bringing the many under the domination of the few. In war, too, the discretionary power of the Executive is extended its influence in dealing out offices, honors, and emoluments is multiplied and all the means of seducing the minds, are added to those of subduing the force, of the people. The same malignant aspect in republicanism may be traced in the inequality of fortunes, and the opportunities of fraud, growing out of a state of war, and in the degeneracy of manners and of morals engendered by both. No nation could preserve its freedom in the midst of continual warfare. - "Political Observations" (1795-04-20) also in Letters and Other Writings of James Madison If Congress can do whatever in their discretion can be done by money, and will promote the general welfare, the Government is no longer a limited one possessing enumerated powers, but an indefinite one subject to particular exceptions. It is to be remarked that the phrase out of which this doctrine is elaborated, is copied from the old articles of Confederation, where it was always understood as nothing more than a general caption to the specified powers, and it is a fact that it was preferred in the new instrument for that very reason as less liable than any other to misconstruction. - Letter to w:Edmund Pendleton If Congress can apply money indefinitely to the general welfare, and are the sole and supreme judges of the general welfare, they may take the care of religion into their own hands they may establish teachers in every State, county, and parish, and pay them out of the public Treasury they may take into their own hands the education of children, establishing in like manner schools throughout the Union they may undertake the regulation of all roads other than post roads. In short, every thing, from the highest object of State legislation, down to the most minute object of police, would be thrown under the power of Congress for every object I have mentioned would admit the application of money, and might be called, if Congress pleased, provisions for the general welfare. - Remarks on the House floor, debates on Cod Fishery bill (February 1792) The government of the United States is a definite government, confined to specified objects. It is not like the state governments, whose powers are more general. Charity is no part of the legislative duty of the government. - Speech, House of Representatives, during the debate "On the Memorial of the Relief Committee of Baltimore, for the Relief of St. Domingo Refugees" (1794-01-10)

Notwithstanding the military establishments in the several kingdoms of Europe, which are carried as far as the public resources will bear, the governments are afraid to trust the people with arms. And it is not certain, that with this aid alone they would not be able to shake off their yokes. But were the people to possess the additional advantages of local governments chosen by themselves, who could collect the national will and direct the national force, and of officers appointed out of the militia, by these governments, and attached both to them and to the militia, it may be affirmed with the greatest assurance, that the throne of every tyranny in Europe would be speedily overturned in spite of the legions which surround it. Let us not insult the free and gallant citizens of America with the suspicion, that they would be less able to defend the rights of which they would be in actual possession, than the debased subjects of arbitrary power would be to rescue theirs from the hands of their oppressors. Let us rather no longer insult them with the supposition that they can ever reduce themselves to the necessity of making the experiment, by a blind and tame submission to the long train of insidious measures which must precede and produce it. The argument under the present head may be put into a very concise form, which appears altogether conclusive. Either the mode in which the federal government is to be constructed will render it sufficiently dependent on the people, or it will not. On the first supposition, it will be restrained by that dependence from forming schemes obnoxious to their constituents. On the other supposition, it will not possess the confidence of the people, and its schemes of usurpation will be easily defeated by the State governments, who will be supported by the people. On summing up the considerations stated in this and the last paper, they seem to amount to the most convincing evidence, that the powers proposed to be lodged in the federal government are as little formidable to those reserved to the individual States, as they are indispensably necessary to accomplish the purposes of the Union and that all those alarms which have been sounded, of a meditated and consequential annihilation of the State governments, must, on the most favorable interpretation, be ascribed to the chimerical fears of the authors of them. James Madison The Federalist No. 46 The Influence of the State and Federal Governments Compared New York Packet Tuesday, January 29, 1788

United States Constitution https://en.wikipedia.org/wiki/United_States_Constitution United States Bill of Rights https://en.wikipedia.org/wiki/United_States_Bill_of_Rights

"The Golden Rule or ethic of reciprocity is a maxim, ethical code or morality that essentially states either of the following: One should treat others as one would like others to treat oneself (directive form). One should not treat others in ways that one would not like to be treated (cautionary form, also known as the Silver Rule)." - http://en.wikipedia.org/wiki/Golden_Rule - http://en.wikipedia.org/wiki/Silver_Rule "In the golden rule of Jesus of Nazareth, we read the complete spirit of the ethics of utility. To do as one would be done by, and to love one's neighbour as oneself, constitute the ideal perfection of utilitarian morality." -John Stuart Mill

In everything, therefore, treat people the same way you want them to treat you, for this is the Law and the Prophets. ―Matthew 7

Jesus declared, YOU SHALL LOVE THE LORD YOUR GOD WITH ALL YOUR HEART, AND WITH ALL YOUR SOUL, AND WITH ALL YOUR MIND. This is the great and foremost commandment. The second is like it, YOU SHALL LOVE YOUR NEIGHBOR AS YOURSELF. On these two commandments depend the whole Law and the Prophets. ―Matthew 22