População da República Tcheca - História

População da República Tcheca - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

República Checa

A Argélia é uma terra composta quase exclusivamente por árabes muçulmanos. A maioria dos argelinos são descendentes dos berberes. O árabe é a língua principal da Argélia, com o francês e o berbere falados por grandes minorias.
GRÁFICO DE POPULAÇÃO
População:
10.235.455 (estimativa de julho de 2006)
Estrutura etária:
0-14 anos: 14,4% (masculino 755.098 / feminino 714.703)
15-64 anos: 71,2% (masculino 3.656.021 / feminino 3.629.036)
65 anos e mais: 14,5% (masculino 576.264 / feminino 904.333) (est. 2006)
Idade Média:
total: 39,3 anos
masculino: 37,5 anos
feminino: 41,1 anos (est. 2006)
Taxa de crescimento populacional:
-0,06% (est. 2006)
Taxa de natalidade:
9,02 nascimentos / 1.000 habitantes (est. 2006)
Índice de mortalidade:
10,59 mortes / 1.000 habitantes (est. 2006)
Taxa de migração líquida:
0,97 migrante (s) / 1.000 habitantes (est. 2006)
Proporção de sexo:
ao nascer: 1,06 homem (s) / mulher
menores de 15 anos: 1,06 homem (s) / mulher
15-64 anos: 1,01 homem (s) / mulher
65 anos e mais: 0,64 homem (s) / mulher
população total: 0,95 homem (s) / mulher (est. 2006)
Taxa de mortalidade infantil:
total: 3,89 mortes / 1.000 nascidos vivos
masculino: 4,24 mortes / 1.000 nascidos vivos
feminino: 3,52 mortes / 1.000 nascidos vivos (est. 2006)
Expectativa de vida no nascimento:
população total: 76,22 anos
masculino: 72,94 anos
feminino: 79,69 anos (est. 2006)
Taxa de fertilidade total:
1,21 filhos nascidos / mulher (est. 2006)
HIV / AIDS - taxa de prevalência em adultos:
menos de 0,1% (est. 2001)
HIV / AIDS - pessoas que vivem com HIV / AIDS:
2.500 (est. 2001)
HIV / AIDS - mortes:
menos de 10 (est. 2001)
Nacionalidade:
substantivo: tcheco (s)
adjetivo: tcheco
Grupos étnicos:
Checo 90,4%, Morávia 3,7%, Eslovaco 1,9%, outros 4% (censo de 2001)
Religiões:
Católico Romano 26,8%, Protestante 2,1%, outros 3,3%, não especificado 8,8%, não afiliado 59% (censo de 2001)
Línguas:
Tcheco
Alfabetização:
definição: NA
população total: 99%
masculino: 99%
feminino: 99% (est. 2003)


Povo da República Tcheca

Os tchecos representam cerca de dois terços da população. Os Morávios se consideram um grupo distinto dentro desta maioria. Uma pequena minoria eslovaca permanece do período federal da Checoslováquia. Uma população polonesa ainda menor existe no nordeste da Morávia, e alguns alemães ainda vivem no noroeste da Boêmia. Os ciganos constituem uma minoria ainda menor, mas distinta, tendo resistido à assimilação em sua maior parte.


As regiões históricas até 1918

A parte da Europa que constitui os estados modernos da República Tcheca e da Eslováquia foi colonizada primeiro pelos celtas, depois pelos germânicos e, finalmente, pelas tribos eslavas ao longo de várias centenas de anos. As principais regiões políticas e históricas que surgiram na área - Boêmia, Morávia e Eslováquia - coexistiram, com um grau de interdependência política em constante mudança, por mais de um milênio antes de se combinarem para formar o moderno estado da Tchecoslováquia em 1918. Cada uma estava sujeita para conquistar cada um sofreu mudanças frequentes de população e convulsões religiosas periódicas e, às vezes, pelo menos dois dos três eram governados por governantes rivais. A Boêmia e a Morávia - as regiões constituintes da República Tcheca - mantiveram laços culturais e políticos estreitos e, na verdade, foram governadas em conjunto durante grande parte de sua história. A Eslováquia, no entanto, que fazia fronteira com o Pequeno Alfold (Pequena Planície Húngara), foi governada pela Hungria por quase 1.000 anos e era conhecida como Alta Hungria durante grande parte do período antes de 1918. Assim, a divisão da Tchecoslováquia no final de 1992 foi com base em diferenças históricas de longa data.


Cultura e demografia da população de Praga

Praga é um ponto turístico cultural e hospeda muitos eventos internacionais. É um local popular para visitantes estrangeiros. Parece também um bom lugar para estrangeiros se estabelecerem, com 14% dos habitantes de Praga sendo estrangeiros.

Praga é uma cidade envelhecida - a mais antiga da República Tcheca, na verdade. A população idosa está aumentando mais rapidamente do que a de crianças.

Curiosamente, mais de 44% da população masculina em Praga são solteiros.

Em um censo recente da população de Praga, 46% não divulgou uma religião, mas daqueles que o fizeram, três quintos são católicos romanos. Muitas pessoas notáveis ​​da história nasceram, morreram ou viveram em Praga. Tem sido um lugar popular para escritores e compositores, o que é indicado em toda a cidade.


População: Situação Demográfica, Línguas e Religiões

Situação demográfica

A República Tcheca tem uma área de 78.866 quilômetros quadrados e uma população de 10.7.7.839 (30 de setembro de 2020). O país é caracterizado por um grande número de municípios geralmente pequenos e uma distribuição relativamente uniforme da população. A capital (Praga) tem 1 milhão 331,5 mil habitantes (30 de setembro de 2020) e existem outras 5 cidades com uma população superior a 100 mil.

Desenvolvimento Demográfico

Desenvolvimento demográfico no período pós-guerra era irregular. Isso se deveu em grande parte a medidas governamentais destinadas a aumentar a taxa de natalidade, por ex. ao dar tratamento preferencial na atribuição de apartamentos a famílias com filhos, ao alargar a duração da licença de maternidade, ao oferecer crédito favorável aos recém-casados.

Depois de 1989, os processos demográficos foram alinhados com o padrão da Europa Ocidental: a esperança de vida aumentou, a taxa de natalidade diminuiu, a idade ao casar e a idade das mulheres ao nascer do primeiro filho aumentou. Novos métodos de contracepção foram disponibilizados às mulheres. Em 1996, a taxa de fecundidade total (número médio de filhos por mulher) caiu para menos de 1,2, de um nível de 1,89 em 1990. Só em 2004 a fecundidade ultrapassou 1,2 filhos por mulher e o número de filhos nascidos subiu para mais de 100 mil. Esse aumento na fertilidade e natalidade deveu-se principalmente ao fato de que grandes coortes dos anos 70 atingiram a idade reprodutiva. No período de 2008-2010, a taxa de fertilidade foi de cerca de 1,5 filhos por mulher. Desde então, a fecundidade tem aumentado ligeiramente (1,71 filhos por mulher em 2019). Em 2019, 112,2 mil crianças nasceram na República Tcheca. A idade média das mães ao nascimento do primeiro filho tem aumentado constantemente desde a década de 1990, chegando a 28,5 anos em 2019. A proporção de nascimentos fora do casamento também aumentou significativamente desde o 1990 (48% em 2019). A expectativa de vida ao nascer tem uma tendência de aumento constante, era de 76,3 anos nos homens e 82,1 anos nas mulheres em 2019.

Impacto na educação

A irregularidade do desenvolvimento demográfico resulta em flutuações do número de alunos / alunos em diferentes níveis educacionais, o que pode causar problemas de capacidade nas escolas. O declínio da fertilidade na década de 1990 levou à diminuição do número de alunos nas escolas secundárias (Střední školy) nos últimos anos. Em 2018, o número de alunos das primeiras séries do ensino médio começou a crescer pela primeira vez desde 1990. De acordo com as análises, o aumento, embora ainda moderado, deve continuar pelos próximos aprox. 10 anos. O maior segmento do ensino médio consiste em alunos do ensino médio profissional com Maturita exame (aproximadamente 44%). No nível superior, tem havido uma tendência decrescente do número total de alunos e novos ingressantes já há uma década. Em contraste, nas escolas básicas (základní školy), o número de crianças está aumentando desde 2010.

A capacidade das escolas no nível pré-primário reflete mudanças legislativas significativas nos últimos anos. Com efeitos a partir de 1 de setembro de 2017, foi introduzido o último ano obrigatório do ensino pré-escolar. Desde 2018, crianças de três anos também são elegíveis para uma vaga na creche (mateřská škola) Isso levou à falta de vagas em creches, especialmente nas grandes cidades e nos arredores. A capacidade das creches varia consideravelmente de acordo com a região. De acordo com a Inspeção Escolar Tcheca, a falta de vagas é mais notável em Praga, Brno e na região da Boêmia Central (Středočeský kraj), mas em algumas regiões, no entanto, os lugares são abundantes. De acordo com a lei, a responsabilidade pela falta de vagas recai principalmente sobre os órgãos organizadores das creches, que na maioria das vezes são municípios e vilas ou distritos urbanos, respectivamente.

Envelhecimento da população demográfica

A República Tcheca, como alguns outros países europeus, está enfrentando o envelhecimento demográfico da população. Em 2019, a parte pré-produtiva da população (0–14 anos) representava 16%, a parte produtiva (15–64 anos) 64,1% e a pós-produtiva (65 anos e mais) 19,9% da população total. De acordo com a previsão de desenvolvimento, a população envelhecerá principalmente devido a faixas etárias mais elevadas, ou seja, o número de idosos aumentará enquanto a proporção da parte produtiva da população diminuirá.

A proporção de estrangeiros com autorização de residência na República Tcheca (estadias permanentes e de longa duração, sem refugiados) era de 5,5% da população em 2019. Ucranianos, eslovacos, vietnamitas e russos são os maiores grupos.

Distribuição da população por idade

População (em%) 1995 2000 2005 2010 2015 2018 2019
0–14 18.3 16.2 14.6 14.4 15.4 15.9 16.0
15–64 68.4 69.9 71.1 70.1 66.3 64.5 64.1
65 e mais 13.3 13.9 14.2 15.5 18.3 19.6 19.9
Total 10 321 344 10 232 027 10 251 079 10 532 770 10 578 820 10 649 800 10 693 939

Nota: em 31 de dezembro do ano em questão.

Fonte: Escritório de Estatística Tcheco

Pirâmide Populacional da República Tcheca 2019

Fonte: Escritório de Estatística Tcheco

Estatísticas vitais e de emprego

1) População com 15 anos ou mais Fonte: Pesquisa por Amostra de Força de Trabalho (LFSS).

Fonte: Escritório de Estatística Tcheco

Legislação e Bibliografia:

Línguas oficiais e minoritárias

o a língua oficial é o checo, que pertence à família de línguas eslavas ocidentais. Os dialetos regionais não possuem o status de uma língua e como os grupos de pessoas que usam dialetos são pequenos, o dialeto não é um problema nas escolas.

As pessoas têm liberdade para declarar sua pertença a uma minoria nacional e o gozo dos direitos relacionados. Tradicional minorias nacionais incluem eslovacos, poloneses e alemães. Morávios e silesianos falam tcheco.

Os ciganos são um minoria étnica. O seu número exacto não pode ser definido, uma vez que depende se os indivíduos se declaram ciganos ou não. No censo oficial de 2011 (5 135 pessoas declararam-se ciganas), o número era metade do do censo anterior, a estimativa qualificada é de 240 mil pessoas.

Informações sobre educação de minorias estão disponíveis em Medidas de apoio para alunos na primeira infância e educação escolar no Capítulo 12.

Legislação e Bibliografia:

Religiões

O Estado é denominacionalmente neutro, o que significa que não existe uma religião oficial. A liberdade religiosa é garantida e todos têm o direito de expressar sua própria religião ou crença.

O tradicionalmente baixo número de pessoas praticando religiões diminuiu ainda mais, após um curto período de crescimento após 1989. No censo de 2011, 14% de todos os habitantes afirmaram pertencer a uma denominação, outros 7% declararam-se crentes que não pertencem a uma denominação. O restante das pessoas é descrente (34%) ou não respondeu à pergunta (45%). No entanto, pesquisas sociológicas confirmaram repetidamente que a questão da baixa religiosidade na população tcheca é mais complicada. Uma grande proporção de tchecos (entre 40 e 50%) acredita em alguma forma de transcendência (Deus como força, espírito ou energia).

Devido aos desenvolvimentos históricos (o movimento de reforma no início do século 15 e a forte contra-reforma associada à chegada da dinastia dos Habsburgos que resultou na recatolização massiva à força após 1627), a Igreja Católica Romana (74% de todos crentes) é a maior igreja. A Igreja Evangélica dos Irmãos Tchecos e a Igreja Hussita da Tchecoslováquia são as outras duas igrejas mais importantes. Em janeiro de 2021, havia 42 igrejas e sociedades religiosas registrado (a condição para registro é de no mínimo 300 seguidores adultos).

Escolas só se abriu a influências religiosas depois de 1989, tanto no currículo (reintrodução da possibilidade de ensinar religião como disciplina, e a introdução de informações sobre igrejas na história e educação cívica), quanto na organização (o estabelecimento de escolas denominacionais , abolindo as restrições quantitativas aos estudos teológicos). O ensino religioso nas escolas públicas é regido por lei - consulte os detalhes no Programa-Quadro de Educação para o Ensino Básico no Capítulo 5. Para informações sobre as escolas confessionais, consulte Organização do Ensino Privado no Capítulo 2.


Um olhar histórico sobre Chicagoland Tcheca

Como a maioria dos grupos étnicos que imigraram para a América, os tchecos (às vezes chamados de boêmios) vieram para cá em busca de uma vida melhor. A América era conhecida como a terra da oportunidade e da prosperidade, e um grande número de emigrados tchecos encontrava-se em Chicago.

Em meados do século 19, as pessoas que viviam nas terras tchecas da Boêmia e da Morávia estavam sob o domínio do Império Habsburgo. Isso tornou o povo súditos de uma monarquia cuja religião oficial era o católico romano e cuja língua oficial era o alemão. A maioria dos emigrados tchecos fugiu de seu país natal em busca de liberdade religiosa e política e para alcançar prosperidade econômica. Mais tarde, durante a era da Guerra Fria, uma das principais razões para a emigração tcheca foi o desejo de escapar do comunismo.

Chicago foi o destino de muitos desses imigrantes recém-chegados. Após a chegada dos primeiros colonos tchecos de Chicago na década de 1850, muitos enviaram cartas ao antigo país, estendendo Pozdrav z Chicaga, e gabando-se de terrenos disponíveis, empregos abundantes, liberdade religiosa e a perspectiva de empreendedorismo, oportunidades que não existiam em sua terra natal.

Durante a década de 1860, Chicago estava no caminho certo para se tornar a principal metrópole do Meio-Oeste. Estrategicamente localizada nos Grandes Lagos, Chicago serviu como um centro de ferrovias e com o tempo se tornou um gigante na indústria e no comércio. Havia uma abundância de oportunidades de emprego para os imigrantes recém-chegados nos depósitos, madeireiras e centenas de fábricas localizadas na área de Chicago. No entanto, a vida em Chicago não era fácil. Como todas as áreas urbanas da época, a cidade era suja, os bairros superlotados e pouco higiênicos e as condições opressivas de trabalho eram inseguras para dezenas de milhares de imigrantes que trabalhavam por longas horas em empregos de baixa remuneração. Os tchecos estavam no centro da luta dos trabalhadores para organizar e formar sindicatos que lutaram por salários mais altos e melhores condições de trabalho em Chicago.

Os bairros de imigrantes de Chicago eram muito isolados, seus habitantes preferiam viver, adorar (se assim desejassem), socializar e fazer negócios com pessoas de seu mesmo grupo étnico. Os tchecos de Chicago se estabeleceram juntos em áreas onde a habitação era acessível e sua língua nativa e costumes podiam ser entendidos por outras pessoas ao seu redor. A religião também desempenhou um papel na decisão de onde alguns imigrantes tchecos se estabeleceriam na cidade. Os tchecos de fé católica organizaram a igreja de São Venceslau em 1863 e mandaram construir o prédio em 1866 nas ruas Des Plaines e De Koven, no lado oeste da cidade. Esta área, fora do distrito central, nas proximidades das ruas 12th e Canal, era conhecida como Praha. Embora o nome do bairro não seja mais usado em Chicago, a área em si seria para sempre lembrada como o ponto de origem do Grande Incêndio de Chicago de outubro de 1871. Foi essa conflagração histórica que deslocaria muitos dos residentes de Praha para o lado oeste inferior no vizinhança da 18th Street e da Blue Island Avenue, uma área que ficaria conhecida como Pilsen.

Após o incêndio, Pilsen começou a desenvolver durante a noite. A propriedade da terra era particularmente importante para os tchecos, que a identificavam com riqueza, e os corretores da Boêmia vendiam lotes às famílias, que construíam pequenas casas de madeira ou tijolo nas partes traseiras dos lotes. Homens boêmios começaram a construir e emprestar organizações onde os poupadores podiam juntar seu dinheiro. Os membros podiam então pedir dinheiro emprestado para construir estruturas de tijolos mais substanciais na frente de seus lotes, que poderiam abrigar pequenos negócios e apartamentos. Esses proprietários empreendedores puderam usar o dinheiro gerado pelos aluguéis para pagar suas propriedades a uma taxa avançada. Muitos boêmios iniciaram pequenos negócios, como bares, mercearias e mercados de carne, e outros estabelecimentos de varejo, onde outros imigrantes que moravam nas proximidades dos negócios podiam fazer compras para suas necessidades diárias. No final da década de 1870, Pilsen estava explodindo em crescimento, e o principal distrito comercial do bairro, a 18th Street, estava surgindo novos negócios todos os dias.

A comunidade tcheca em Chicago estava dividida por religião. Muitos imigrantes rejeitaram a religião católica assim que chegaram à América. Alguns optaram por igrejas protestantes, mas muitos se identificaram como livres pensadores ou racionalistas. Uma fonte estimou que um terço a metade dos imigrantes se afastaram do catolicismo, outra fonte estimou que até 70% dos tchecos em Chicago se consideravam não religiosos, ou seja, nem católicos nem protestantes. Essa dicotomia resultou no desenvolvimento de instituições paralelas entre os tchecos, e o bairro de Pilsen exemplificou essa divisão. Pilsen viu a construção de igrejas em todo o espectro religioso, incluindo igrejas protestantes, igrejas católicas como São Vito e São Procópio, que foi fundada em 1875 nas ruas 18th e Allport, e até mesmo uma sinagoga judaica. Os Livre-pensadores da Boêmia (Svobodná Obec), fundada em 1870, ofereciam batismos, casamentos e funerais seculares para seus seguidores. Em 1877, eles lideraram organizações fraternas tchecas no estabelecimento do não-sectário Bohemian National Cemetery na esquina de Crawford (agora Pulaski Road) e Foster Avenues.

Os imigrantes tchecos estavam na vanguarda no estabelecimento de sociedades fraternas e benevolentes para ajudar a preservar sua cultura e servir como redes de segurança para famílias atingidas pelo desemprego, doença ou morte. Essas instituições também se desintegraram em linhas religiosas, católicas e não católicas. Uma das maiores organizações nacionais, originalmente fundada por Freethinkers, C.S.P.S., ou Česko-Slovanský Podporující Spolek (Sociedade Tcheca de Benevolência Eslava) teve seu edifício nas ruas 18th e maio. O C.S.P.S. sobrevive até hoje como CSA Fraternal Life, com sede no subúrbio de Chicago, Oak Brook. As organizações de ginástica Sokol também eram muito populares: Plzenský Sokol foi fundada em 1879 na 18th Street com a Ashland Avenue. O slogan do movimento Sokol era “um espírito sólido em um corpo são”.

Com empresas, igrejas e organizações estabelecidas, a colônia Pilsen Bohemian tornou-se uma comunidade intrincada e autossustentável, onde as pessoas tinham pouca necessidade de viajar para fora dos limites de sua vizinhança. Isso inspirou os residentes de Pilsen a estender a mão para seus amigos e parentes em casa e incentivá-los a vir para a América. Pilsen serviria de porta de entrada para os tchecos recém-chegados do velho país na virada do século XX.

No início do século XX, os tchecos haviam feito muito para se estabelecer na cidade de Chicago. O fluxo de novos imigrantes continuou, e os primeiros colonizadores tchecos foram sendo assimilados e cada vez mais arraigados na fibra da América. Os imigrantes tchecos tendiam a ser mais alfabetizados do que muitos outros grupos étnicos - 97% dos que chegaram depois de 1890 sabiam ler e escrever em sua língua nativa - e valorizavam muito a educação formal. Os filhos dos primeiros imigrantes receberam uma educação de qualidade e alguns até buscaram o ensino superior nas faculdades, universidades, direito e escolas de medicina da cidade. A cultura e a arte também floresciam na comunidade boêmia nessa época. Em Pilsen, o Thalia Hall, construído em 1892 nas ruas 18th e Allport, serviu de palco para produções teatrais tchecas e outros eventos culturais importantes para a comunidade. Česká Beseda (Bohemia Club), fundado em 1899, estava localizado em 3659 W. Douglas Boulevard no bairro de Lawndale em 1912. A elite tcheca de Chicago, bem como a elite tcheca visitante do resto dos Estados Unidos e terras tchecas, frequentava o clube. Este era o lugar para seus membros refinados celebrarem e curtirem a literatura, o drama e a música dos mais celebrados e talentosos artistas tchecos. Em 1900, a comunidade checa de Chicago apoiou seis grupos de atores não profissionais e uma empresa profissional, o Grupo Teatral Ludvík. Os jornais tchecos também floresceram e os editores estavam entre as vozes mais influentes na comunidade. Os jornais, como outras instituições, refletiam as crenças da comunidade: havia diferentes jornais para católicos, socialistas, livres-pensadores, independentes, etc. Tão prolíficas eram as impressoras que havia até boletins ou diários para grupos de interesses especiais, incluindo feministas e agricultores . Dizia-se que cada causa tinha sua própria imprensa boêmia - exceto a causa da Lei Seca.

Com a paisagem de Chicago em contínua expansão e o povo boêmio se tornando cada vez mais móvel, era natural que sua comunidade crescesse. Na virada do século XX, os boêmios começaram sua migração para o oeste, para o que poderia se tornar conhecido como Česká Kalifornie (tcheca da Califórnia), nas proximidades da 26th Street e da California Avenue. O distrito de Pilsen, há muito estabelecido em Chicago, a leste do bairro, estava ficando lotado para muitos de seus residentes boêmios. Havia também muitos filhos boêmios-americanos de primeira geração de imigrantes que estavam obtendo sucesso econômico e queriam ter suas próprias casas, que serviam como o símbolo máximo de possuir um pedaço do Novo Mundo. Česká Kalifornie, ou Lawndale-Crawford como o bairro também era conhecido, ainda era em grande parte subdesenvolvido e tinha muitos terrenos para construir novas moradias. A outra grande vantagem da República Tcheca da Califórnia era sua proximidade com muitas fábricas que forneciam empregos estáveis ​​e bem remunerados para boêmios dispostos e trabalhadores.

Não demorou muito para a palavra se espalhar. O povo boêmio queria viver entre seus compatriotas e, assim que souberam das vantagens e da prosperidade da Califórnia tcheca, começaram a migrar para lá em grande número. Em uma época de crescente preconceito anti-imigrante e sentimento nativista nos Estados Unidos, esses recém-chegados não agradaram a muitos dos colonos originais de Lawndale-Crawford, e os boêmios não receberam uma recepção calorosa e foram vistos com desconfiança e preconceito . Os primeiros colonos do bairro se sentiram ameaçados por esse grupo que falava uma língua diferente, tinha nomes engraçados e, o pior de tudo, bebia cerveja. Como resultado, muitos dos colonos originais do bairro se mudaram e, na Primeira Guerra Mundial, os boêmios se tornaram o grupo étnico dominante na Califórnia tcheca.

O bairro checo da Califórnia se expandiu para oeste para incluir as pequenas comunidades de Lawndale e Crawford nas proximidades da 26th Street e da Crawford Avenue (Pulaski Road). Negócios com temas étnicos agora ocupavam a 26th Street e todos os outros distritos comerciais da área. “Česká Kalifornie” era agora conhecido como o centro da vida, cultura e negócios tchecos em Chicago. O bairro era abundante em teatros, Sokols, (Sokol Chicago e Sokol Havliček-Tyrš), salões, igrejas e escolas. A Califórnia tcheca tinha várias escolas primárias e secundárias públicas de primeira classe, incluindo Farragut e Harrison Technical. O bairro também tinha duas escolas Bohemian Freethinker: Vojta Náprstek, que foi construída em 1911 na Avenida S. Homan 2548, e Jan Neruda, localizada na 2659 S. Karlov, construída em 1912.

A maior onda única de imigração tcheca para os Estados Unidos aconteceu na década de 1900-1910, quando mais de 95.000 tchecos chegaram aos Estados Unidos. Onde os primeiros imigrantes vinham principalmente de áreas rurais e pequenas cidades, eram predominantemente tchecos urbanos, trabalhadores qualificados que sabiam ler e escrever. Enquanto os tchecos abraçavam avidamente seu país de adoção, eles não esqueceram sua pátria, e quando a Primeira Guerra Mundial estourou, muitos imigrantes tchecos e jovens tcheco-americanos de primeira geração se ofereceram para lutar pela independência de sua terra natal, seja com os legionários tchecos (recrutas que desertaram do exército dos governantes austro-húngaros das terras tchecas) ou do exército americano. Em 5 de maio de 1918, o professor Tomáš G. Masaryk, que se tornaria o primeiro presidente da recém-formada Tchecoslováquia após a guerra, veio a Chicago para reunir líderes políticos americanos e o povo tcheco de Chicago para apoiar sua visão de uma Tchecoslováquia independente e democrática. Esta visita histórica aumentou a conscientização sobre a causa dos oprimidos em todo o Império Austro-Húngaro, incluindo os povos tcheco e eslovaco. No final da Grande Guerra, o povo tcheco, após 400 anos de domínio estrangeiro, finalmente teve seu próprio país, com o nascimento da Tchecoslováquia.

Sendo um povo com uma mente muito cívica, os boêmios entraram prontamente na arena política nas esferas municipal e estadual. Os boêmios conquistaram posições de destaque no governo local e em organizações cívicas. Nas primeiras décadas do século XX, os distritos tchecos de Chicago, que incluíam Pilsen, Lawndale-Crawford, Merigold (Nový Tábor) e Town of Lake, eram representados por vereadores boêmios e outras autoridades municipais. Em 1907, Adolph Sabath foi eleito para representar um distrito de Chicago na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, cargo que ocupou até 1952. Também havia tchecos em cargos importantes no governo do condado, servindo como juízes, policiais e bombeiros, bem como outros como John Cervenka, que foi eleito tesoureiro da cidade de Chicago em 1923, e John Toman, que foi eleito xerife do condado de Cook em 1934. O auge da ascensão dos tchecos ao topo do mundo político de Chicago foi a eleição de 1931 de Antonin Josef Čermák, residente tcheco da Califórnia, como prefeito de Chicago. Anton Cermak foi um político brilhante que foi o arquiteto do que se tornaria a máquina democrata de Chicago. Tchecos e outros grupos de imigrantes em Chicago se reuniram em torno de Cermak, garantindo sua vitória sobre o atual prefeito “Big Bill” Thompson. Anton Cermak mudou a face da política de Chicago, seu impacto se estendendo até o século XXI. A comunidade tcheca, assim como o resto de Chicago, ficou atordoada e devastada por seu assassinato em 1933. Logo após seu assassinato, a cidade de Chicago prestou homenagem a seu amado prefeito assassinado, rebatizando a 22nd Street, Cermak Road. Esta rua em particular foi escolhida. pela homenagem por seu trajeto pelos bairros tchecos de Chicagoland.

Chegando a apenas 10.000 em 1870, a população de imigrantes tchecos e descendentes de segunda geração em Chicago havia crescido para cerca de 200.000 em 1920. Proprietários e gerentes tchecos podiam ser encontrados em praticamente todos os comércios e negócios, incluindo construtoras, restaurantes, mercearias, joias lojas, estúdios de fotografia, empresas imobiliárias, estúdios de música, escritórios de advocacia, madeireiros, agências de viagens e firmas de importação-exportação. Em 1924, 15 bancos estaduais e federais em Chicago eram controlados por tchecos e também controlavam mais da metade dos ativos das associações de construção e empréstimo de Chicago. Nas décadas de 1920 e 1930, a comunidade checa de Chicagoland havia alcançado seu auge. Durante este tempo, a imigração diminuiu e os tchecos estavam se movendo mais para o oeste para as novas subdivisões nas áreas suburbanas do

Cidade de Cícero e Cidade de Berwyn. Os checos viram nesta área uma nova terra de oportunidades. Havia muito terreno para construir moradias modernas e estabelecer negócios que sem dúvida teriam sucesso com a grande quantidade de pessoas que se mudavam para lá. Em Cícero, fábricas como a Western Electric Hawthorne Works forneciam muitos empregos para a nova classe média étnica da área de Chicago. Os tchecos ajudaram a transformar Cícero e Berwyn em cidades modernas de classe mundial. O principal distrito comercial da Cermak Road tornou-se um destino de compras para os tchecos em toda a área de Chicago e abrigava alguns dos edifícios mais importantes da comunidade tcheca, como o edifício Sokol Slávský na Cermak Road e a Lombard Avenue em Cícero. Berwyn e Cicero também foram o lar de escolas altamente conceituadas que educaram gerações de tchecos. Muitos desses alunos passaram a frequentar instituições de ensino superior e ingressaram nas fileiras profissionais de trabalhadores na área de Chicago. Esses subúrbios eram o orgulho do povo tcheco-americano, lar de dezenas de milhares de famílias tchecas de várias gerações, e muitos aspiravam a se mudar para lá. Costumava-se dizer: "Se você fosse um tcheco morando em Berwyn, você tinha conseguido". O povo tcheco era conhecido por manter casas imaculadas e sua frugalidade, especialmente após a Grande Depressão, era lendária na área de Chicago. Alguns tchecos se mudaram para o oeste, para subúrbios como Brookfield, enquanto os tchecos mais ricos se estabeleceram em Riverside e Oak Park. Como faziam em seus antigos bairros, os tchecos buscaram e conquistaram cargos eletivos em Cícero e Berwyn, incluindo o de prefeito. Nas décadas que se seguiram aos anos 1920, Cícero viu prefeitos com os sobrenomes tchecos de Klenha, Stedronsky e Sandusky. Por quase metade do século 20, Berwyn viu prefeitos tchecos administrarem sua cidade com nomes como Janda, Novotny, Janura, Mraz, Kriz, Dolezal e Vacin.

A área de Cícero e Berwyn continuou como o novo centro da comunidade tcheco-americana até a década de 1980, enquanto as populações tchecas nos antigos bairros de Pilsen e na Califórnia tcheca começaram a diminuir na década de 1960 e quase desapareceram no final dos anos 1970. A história dos tchecos em Chicagoland é a quintessência da história da imigração americana de pessoas que vêm ao Novo Mundo em busca de uma vida melhor e de alcançar seu objetivo. Na verdade, a imigração tcheca continua em Chicago hoje. Jovens imigrantes chegam regularmente da República Tcheca para trabalhar e frequentar escolas em Chicago.

Embora ainda haja vários tchecos morando em Cícero e Berwyn, a maioria mudou-se mais para o oeste e além, tendo-se assimilado ao grande caldeirão de povos e culturas da América. Os descendentes dos imigrantes tchecos de Chicago têm muito orgulho de sua herança e realizações, e alguns ainda pertencem a organizações onde sua cultura, tradições e história tchecas são celebradas e mantidas vivas para as gerações futuras. Há piqueniques anuais, clubes femininos tchecos, cabanas masculinas checas, grupos de dança e Sokols. Organizações antigas como Česká Beseda, a Bohemian Lawyers Association e o Czechoslovak Garden Club ainda estão ativas e organizações mais recentes, como a Moravian Cultural Society, a Czech and Slovak American Genealogical Society de Illinois e Friends of Bohemian National Cemetery (um grupo dedicado ao restauração e preservação do cemitério), estão ganhando espaço.

O estabelecimento de um Centro Comunitário Checo-Americano na área de Chicago proporcionará um centro muito necessário onde esses vários grupos podem realizar suas reuniões e eventos para o público em geral. Pedimos seu apoio e ajuda financeira neste empreendimento histórico. Faça parte da história contínua da Czech Chicagoland.


Tchecos

The Czech people are the largest ethnic group in the country with its population accounting for 63.7% of the country’s population, translating to 6.7 million people. The group was initially called the Bohemians because of their initial settlement in Bohemia during the late Iron Age. However, they migrated into the various modern day settlements in the 20th century. Czechs are also found in US, UK, Italy, Germany, and Canada. Czechs are believed to have been brought into the Czech Republic by their forefather Cech or by Václav Havel who established a dynasty that ruled for 400 years up to 1306. Some of the notable figures associated to Czechs include Charles IV, a Holy Roman Emperor, Vaclav Hava who was the last president of Czechoslovakia and the first president of Czech Republic. Czechs are famous for sports, music, art and literature. The ethnic group lives mainly in three regions of Czech Republic, namely Bohemia, Czech Silesia, and Moravia.


The Geography of Czech Republic

Total Size: 78,866 square km

Size Comparison: slightly smaller than South Carolina

Geographical Coordinates: 49 45 N, 15 30 E

World Region or Continent: Europa

General Terrain: Bohemia in the west consists of rolling plains, hills, and plateaus surrounded by low mountains Moravia in the east consists of very hilly country

Geographical Low Point: Elbe River 115 m

Geographical High Point: Snezka 1,602 m

Climate: temperate cool summers cold, cloudy, humid winters

Major cities: PRAGUE (capital) 1.162 million (2009), Brno, Ostrava


10 Facts About Refugees in the Czech Republic


Although the current refugee crisis is the worst humanitarian crisis since WWII, the uptick of Syrian refugees coming into Europe in 2015 has been continuously met with hostility from post-communist Central European countries, such as the Czech Republic. Discussed below are the leading facts about refugees in the Czech Republic and their implications.

10 Key Facts about Refugees in the Czech Republic

  1. The Czech President, Miloš Zeman, opposes the quota system (which is based on a country’s population and wealth) proposed by the EU but has not yet followed Slovakia and Hungary in challenging the courts. Rather than meeting the quota to take in about 2,600 refugees, Czech leaders are now discussing broader security steps.
  2. The Czech Republic, along with Hungary, Poland and Slovakia have the most opposition towards the quotas set by the EU.
  3. Before the Syrian refugee crisis, there was only one detention center located in Bělá-Jezová. There are now three the center located in Bělá-Jezová has been dedicated to vulnerable migrants, such as families with women and children.
  4. Under the 2015 EU relocation quota, the Czech Republic has to accept around 4,300 people seeking asylum, which is about 410 refugees per one million of its population.
  5. In 2015, 3,644 people made up the population of refugees in the Czech Republic.
  6. In 2016, 1,475 people applied for internal protection. The government granted asylum to 148 applicants and subsidiary protection for 302 people.
  7. President Zeman has stated, “Our country simply cannot afford to risk terrorist attacks like what occurred in France and Germany. By accepting migrants we would create fertile ground for barbaric attacks,” according to his spokesman Jiri Ovcacek.
  8. The Czech Republic accepted 12 refugees and does not plan to take in anymore according to Interior Minister Milan Choyanec. The EU may take action against the Czech Republic in September if they continue to deny refugees.
  9. Since May 2016, there has been no offer of resettlement by the Czechs for any refugee within the EU program.
  10. President Zeman has stated that all refugees must prove that they are politically persecuted if they seek asylum and “the fact itself that they come from a country in which fighting is underway is no reason for being granted it.”


Although these facts are disheartening, the Czech Republic maintains its embassy in Damascus, Syria. The Czech Republic will also continue to provide humanitarian aid to Syria, as well as provide help for refugees in Syria, Lebanon and Turkey.


Bibliografia

Agnew, Hugh L. Origins of the Czech National Renascence , 1993.

Bradley, John F. Lidice: Sacrificial Village , 1972.

Demetz, Peter. Prague in Black and Gold: Scenes in the Life of a European City, 1997.

Dubček, Alexander. Hope Dies Last: The Autobiography of Alexander Dubček , edited and translated by Jiří Hochman, 1993.

Hašek, Jaroslav. The Good Soldier Švejk and His Fortunes in the World War , translated by Cecil Parrott, 1973.

Hermann, A. H. A History of the Czechs , 1975.

Heymann, Frederick G. John Žižka and the Hussite Revolution , 1955.

——. George of Bohemia: King of Heretics , 1965.

Holy, Ladislav. The Little Czech and the Great Czech Nation: National Identity and the Post-Communist Transformation of Society , 1996.

Horecky, Paul L., ed. East Central Europe: A Guide to Basic Publications , Part 2: "Czechoslovakia," 1969.

Iggers, Wilma A. Women of Prague: Ethnic Diversity and Social Change from the Eighteenth Century to the Present, 1995.

——, ed. The Jews of Bohemia and Moravia: A Historical Reader, 1992.

Kerner, Robert J., ed. Czechoslovakia: Twenty Years of Independence , 1945.

Korbel, Josef. The Communist Subversion of Czechoslovakia, 1938–1948: The Failure of Coexistence, 1959.

——. Twentieth-Century Czechoslovakia: The Meaning of Its History , 1977.

Kovtun, George J., comp. Czech and Slovak History: An American Bibliography , 1966.

Kriseová, Eda. Václav Havel: The Authorized Biography , translated by Caleb Crain, 1993.

Leff, Carol Skalnik. The Czech and Slovak Republics: Nation versus State , 1997.

Linehan, Edward J. "Czechoslovakia: The Dream and the Reality." Geografia nacional 133 (2): 151–193, 1968.

Morison, J. Czech and Slovak Experience , 1992.

Nyrop, Richard F., ed. Czechoslovakia: A Country Study , 1982.

Odložilík, Otakar. "Slavonic Cities III: Prague." Slavonic and East European Review 24 (1):81–91, 1946.

Pounds, Norman J. G. Europa Oriental , indivíduo. 9, 1969.

Rechcígl, Miloslav, Jr., ed. The Czechoslovak Contribution to World Culture , 1964.

——. Czechoslovakia Past and Present , 1968.

Sadler, John E., ed. Comenius , 1969.

Salivarova, Zdena. Summer in Prague. Transl. by Marie Winn, 1973.

Salzmann, Zdenek. "Interethnic Relations in a Multi-national State: The Czech-Slovak Case." No Three Contributions to the Study of Socialist Czechoslovakia , University of Massachusetts Department of Anthropology Research Reports, no. 22, 1983.

——. "Czechs." In David Levinson and Melvin Ember, eds., American Immigrant Cultures: Builders of a Nation , 1997.

——, and Vladimír Scheufler. Komárov: A Czech Farming Village , 2nd enlarged ed., 1986.

Sayer, Derek. The Coasts of Bohemia: A Czech History , 1998.

Selver, Paul. Masaryk: A Biography , 1975.

Skilling, H. Gordon, ed. Czechoslovakia 1918–88: Seventy Years from Independence , 1991.

Spinka, Matthew. John Hus: A Biography , 1968.

Suda, Zdeněk L. Zealots and Rebels: A History of the Communist Party of Czechoslovakia , 1980.

Thomson, S. Harrison. Czechoslovakia in European History , 2nd ed., 1953.

Wallace, William V. Checoslováquia , 1976.

Wechsberg, Joseph. Prague: the Mystical City , 1971.

Wheaton, Bernard, and Zdenek Kavan. The Velvet Revolution: Czechoslovakia, 1988–1991 , 1992.

Wolchik, Sharon L. "The Status of Women in a Socialist Order: Czechoslovakia, 1948–1978." Slavic Review 38 (4): 583–602, 1979.

——. Czechoslovakia in Transition: Politics, Economics and Society , 1991. ——. "Czechoslovakia." No The Columbia History of Eastern Europe in the Twentieth Century , edited by Joseph Held, 1992.

——. "Women and Work in Communist and Post–Communist Czechoslovakia." In Hilda Kahne and Janet Z. Giele, Women's Work and Women's Lives: The Continuing Struggle Worldwide , 1992.


Assista o vídeo: RESPONDENDO PERGUNTAS SOBRE A REPÚBLICA TCHECA.


Comentários:

  1. Albern

    Bravo, acho que é uma ideia brilhante.

  2. Ampyx

    Você está absolutamente certo. Também há algo nele para mim, parece um bom pensamento. Concordo com você.

  3. Ketaur

    Obrigado a Afur pelo post útil. Eu li na íntegra e aprendi muito valor para mim.

  4. Thierry

    Quick response, a sign of intelligence)



Escreve uma mensagem