Cientista inglês James Smithson estabelece a Smithsonian Institution

Cientista inglês James Smithson estabelece a Smithsonian Institution


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em Gênova, Itália, o cientista inglês James Smithson morre após uma longa enfermidade, deixando um testamento com uma nota de rodapé peculiar. No caso de seu único sobrinho morrer sem herdeiros, Smithson decretou que todo o seu espólio iria para “os Estados Unidos da América, para fundar em Washington, sob o nome de Smithsonian Institution, um Estabelecimento para o aumento e difusão de conhecimento." O curioso legado de Smithson a um país que ele nunca havia visitado despertou atenção significativa em ambos os lados do Atlântico.

Smithson era membro da venerável Royal Society of London desde os 22 anos, publicando numerosos artigos científicos sobre composição mineral, geologia e química. Em 1802, ele derrubou a opinião científica popular ao provar que os carbonatos de zinco eram verdadeiros minerais de carbonato, e um tipo de carbonato de zinco foi posteriormente denominado smithsonite em sua honra.

Seis anos após sua morte, seu sobrinho, Henry James Hungerford, realmente morreu sem filhos e, em 1º de julho de 1836, o Congresso dos Estados Unidos autorizou a aceitação do presente de Smithson. O presidente Andrew Jackson enviou o diplomata Richard Rush à Inglaterra para negociar a transferência dos fundos e, dois anos depois, Rush zarpou de volta para casa com 11 caixas contendo um total de 104.960 soberanos de ouro, oito xelins e sete pence, bem como a coleção de minerais de Smithson , biblioteca, notas científicas e efeitos pessoais. Depois que o ouro foi derretido, chegou a uma fortuna que valia bem mais de $ 500.000. Depois de considerar uma série de recomendações, incluindo a criação de uma universidade nacional, uma biblioteca pública ou um observatório astronômico, o Congresso concordou que o legado apoiaria a criação de um museu, uma biblioteca e um programa de pesquisa, publicação e coleção nas ciências, artes e história. Em 10 de agosto de 1846, o ato que institui o Smithsonian Institution foi transformado em lei pelo presidente James K. Polk.

Hoje, o Smithsonian é composto por 19 museus, incluindo o recém-inaugurado Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana, nove centros de pesquisa nos Estados Unidos e no mundo e o zoológico nacional. Além do Smithsonian Institution Building original, popularmente conhecido como "Castelo", os visitantes de Washington, D.C., visitam o Museu Nacional de História Natural, que abriga as coleções de ciências naturais, o Parque Zoológico Nacional e a Galeria Nacional de Retratos. O National Museum of American History abriga o Star-Spangled Banner original e outros artefatos da história dos Estados Unidos. O National Air and Space Museum tem a distinção de ser o museu mais visitado do mundo, exibindo maravilhas da aviação e da história do espaço, como o avião dos irmãos Wright e Liberdade 7, a cápsula espacial que levou o primeiro americano ao espaço.


James Smithson

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

James Smithson, (nascido em 1765, Paris, França — falecido em 27 de junho de 1829, Gênova [Itália]), cientista inglês que forneceu fundos para a fundação do Smithsonian Institution, Washington, D.C.

Smithson, o filho natural de Hugh Smithson Percy, 1º duque de Northumberland, e Elizabeth Keate Macie, uma descendente direta de Henrique VII, foi educado na Universidade de Oxford. Considerado o melhor químico e mineralogista de sua classe, ele acabou publicando 27 artigos científicos. Por recomendação de Henry Cavendish e outros, ele foi admitido na Royal Society aos 22 anos. O mineral smithsonita (carbonato de zinco) foi batizado em sua homenagem.

Smithson, que nunca se casou, passou grande parte de sua vida na Europa, onde conheceu os principais cientistas. Sua fortuna substancial, herdada principalmente da família de sua mãe, ele a deixou para um sobrinho, Henry James Hungerford, que morreu sem descendência. De acordo com os termos do testamento do Smithson, todo o espólio foi "para os Estados Unidos da América, para fundar em Washington, sob o nome de Smithsonian Institution, um estabelecimento para o aumento e difusão do conhecimento".

Suas razões para fazer seu legado aos Estados Unidos parecem relacionadas ao seu ressentimento pelas circunstâncias de seu nascimento ilegítimo. Ele certa vez escreveu: “Meu nome viverá na memória do homem quando os títulos de Northumberlands e Percys forem extintos e esquecidos”. Em 1904, os restos mortais de Smithson foram transportados para os Estados Unidos sob uma escolta que incluía Alexander Graham Bell e foram enterrados no edifício Smithsonian original.


Cientista inglês James Smithson estabelece a Smithsonian Institution - HISTÓRIA

Em dezembro de 1844, Robert Dale Owen assumiu a causa do aumento e difusão do conhecimento, na época em que seu amigo, o senador de Ohio Benjamin Tappan (que tinha laços estreitos com New Harmony) apresentou um plano para uma faculdade de agricultura, laboratórios químicos, coleções científicas (por exemplo, minerais e fósseis) e palestras populares. O plano começou mal na competição com a preferência mais "aristocrática" do senador Rufus Choate por uma biblioteca nacional.

O tempo passou e o debate continuou. Como o biógrafo de Owen escreve em

Richard William Leopold, Robert Dale Owen, Octagon Books, Nova York, 1969,

Robert Dale Owen, Dicas sobre Arquitetura Pública, Contendo, Entre Outras Ilustrações, Vistas e Planos da Instituição Smithsonian, George P. Putnam, Nova York, 1849.

O livro foi reimpresso em uma segunda edição, limitada a mil cópias, pela DaCapo Press, em 1978, com uma introdução adicional de Cynthia R. Field, Pesquisadora Associada de História da Arquitetura, Smithsonian Institution. Seu parágrafo final fala bem para o livro de Owen:

ENTRADA PRINCIPAL, Frente Norte, INSTITUIÇÃO SMITHSONIAN

Em 1996, a Smithsonian Institution celebrou seu 150º aniversário e um atraente selo dos Estados Unidos foi emitido para comemorar a ocasião. Na foto estava "o castelo" em uma cena semelhante à que estava logo acima. Durante os 150 anos desde que Robert Dale Owen apresentou o projeto de lei que cria o Smithsonian, a Instituição cresceu e se tornou o maior complexo de museus do mundo, abrangendo estes 15 museus (links para suas páginas iniciais):


Sobre o Smithsonian Institution

História do Smithsonian
Em 1826, James Smithson, um cientista britânico, redigiu seu último testamento, nomeando seu sobrinho como beneficiário. Smithson estipulou que, caso o sobrinho morresse sem herdeiros (como faria em 1835), o espólio deveria ir "para os Estados Unidos da América, para fundar em Washington, sob o nome de Smithsonian Institution, um estabelecimento para o aumento e difusão de conhecimento entre os homens. "

Os motivos por trás do legado de Smithson permanecem misteriosos. Ele nunca viajou para os Estados Unidos e parece não ter se correspondido com ninguém aqui. Alguns sugeriram que sua herança foi motivada em parte pela vingança contra a rigidez da sociedade britânica, que negou a Smithson, que era ilegítimo, o direito de usar o nome de seu pai. Outros sugeriram que refletia seu interesse pelos ideais iluministas de democracia e educação universal.

Smithson morreu em 1829 e, seis anos depois, o presidente Andrew Jackson anunciou o legado ao Congresso. Em 1º de julho de 1836, o Congresso aceitou o legado legado à nação e prometeu a fé dos Estados Unidos ao fundo de caridade. Em setembro de 1838, o legado de Smithson, que somava mais de 100.000 soberanos de ouro, foi entregue à casa da moeda na Filadélfia. Reembolsado em moeda americana, o presente totalizou mais de US $ 500.000.

Após oito anos de debates às vezes acalorados, uma Lei do Congresso assinada pelo presidente James K. Polk em 10 de agosto de 1846 estabeleceu a Smithsonian Institution como um fundo a ser administrado por um Conselho de Regentes e um Secretário do Smithsonian.


Conteúdo

De muitas maneiras, a origem do Smithsonian Institution pode ser traçada a um grupo de cidadãos de Washington que, "impressionados com a importância de formar uma associação para promover o conhecimento útil", se reuniram em 28 de junho de 1816 para estabelecer o Columbian Institute for a Promoção das Artes e Ciências. Os oficiais foram eleitos em outubro de 1816, e a organização recebeu uma carta patente pelo Congresso em 20 de abril de 1818 (essa carta expirou em 1838). Benjamin Latrobe, que foi arquiteto do Capitólio dos Estados Unidos após a Guerra de 1812, e William Thornton, o arquiteto que projetou a Octagon House e Tudor Place, serviriam como oficiais. Outros membros proeminentes, que numeraram de 30 a 70 durante a existência do Instituto, incluíam John Quincy Adams, Andrew Jackson, Henry Clay, o juiz William Cranch e James Hoban. Os membros honorários incluíram James Madison, James Monroe, John Adams, Thomas Jefferson e o Marquês de Lafayette. As despesas operacionais foram cobertas com as taxas anuais de $ 5 coletadas de cada membro.

O Instituto propôs vários compromissos. Isso incluiu o estudo da vida das plantas e a criação de um jardim botânico no Capitol Mall, um exame da produção mineral do país, melhoria no manejo e cuidado do gado e a redação de uma história topográfica e estatística dos Estados Unidos. Relatórios deveriam ser publicados periodicamente para compartilhar esse conhecimento com o grande público, mas por falta de recursos, inicialmente isso não ocorreu. O Instituto se reuniu pela primeira vez no Hotel Blodget's, mais tarde no Departamento do Tesouro e na Prefeitura, antes de receber uma residência permanente em 1824 no edifício do Capitólio.

A partir de 1825, sessões semanais foram organizadas durante as sessões do Congresso para a leitura de produções científicas e literárias, mas isso continuou por apenas um curto período de tempo, pois o número de participantes diminuiu rapidamente. Oitenta e cinco comunicações de 26 pessoas foram feitas ao Congresso durante toda a vida da sociedade, com mais da metade relacionada à astronomia ou matemática. Dentre todas as atividades planejadas pelo Instituto, apenas algumas foram efetivamente implementadas. Duas foram a criação de um jardim botânico e um museu que foi projetado para ter um status nacional e permanente. A primeira ocupava o espaço onde se encontra o atual Jardim Botânico.

O museu continha espécimes de zoologia, botânica, arqueologia, fósseis, etc., alguns dos quais foram repassados ​​ao Smithsonian Institution após sua formação. O estatuto do Instituto expirou em 1838, mas seu espírito viveu na Instituição Nacional, fundada em 1840. Com a missão de "promover a ciência e as artes úteis e estabelecer um museu nacional de história natural", esta organização continuou a pressionar o Congresso estabelecer um museu que fosse estruturado em termos muito semelhantes aos que finalmente foram incorporados à fundação da Smithsonian Institution. Seu trabalho ajudou a desenvolver uma filosofia subjacente que impulsionou a busca e o desenvolvimento do conhecimento científico que beneficiaria a nação e, ao mesmo tempo, edificaria seus cidadãos. [12]

O cientista britânico James Smithson (1765-1829) deixou a maior parte de sua riqueza para seu sobrinho Henry James Hungerford. Quando Hungerford morreu sem filhos em 1835, [13] a propriedade passou "para os Estados Unidos da América, para fundar em Washington, sob o nome de Smithsonian Institution, um estabelecimento para o aumento e difusão de conhecimento entre os homens", de acordo com O testamento de Smithson. [14] O Congresso aceitou oficialmente o legado legado à nação e prometeu a fé dos Estados Unidos ao fundo de caridade em 1 de julho de 1836. [15] O diplomata americano Richard Rush foi despachado para a Inglaterra pelo presidente Andrew Jackson para coletar o legado . Rush voltou em agosto de 1838 com 105 sacos contendo 104.960 soberanos de ouro. Isso é aproximadamente $ 500.000 na época, o que equivale a $ 12.152.000 em 2020 ou equivalente a £ 9.520.034 em 2019. No entanto, quando se considera o PIB da época, pode ser mais comparável a $ 220 milhões no ano de 2007. [16] [17 ]

Uma vez que o dinheiro estava em mãos, oito anos de disputa no Congresso se seguiram sobre como interpretar o mandato um tanto vago de Smithson "para o aumento e difusão do conhecimento". [15] [17] Infelizmente, o dinheiro foi investido pelo Tesouro dos EUA em títulos emitidos pelo estado de Arkansas, que logo entrou em default. Após acalorado debate, o representante de Massachusetts (e ex-presidente) John Quincy Adams persuadiu o Congresso a restaurar os fundos perdidos com juros [18] e, apesar dos projetos de dinheiro para outros fins, convenceu seus colegas a preservá-lo para uma instituição de ciência e ensino . [19] Finalmente, em 10 de agosto de 1846, o presidente James K. Polk assinou a legislação que estabeleceu a Smithsonian Institution como uma instituição fiduciária dos Estados Unidos, a ser administrada por um Conselho de Regentes e um secretário do Smithsonian. [15] [20]

Embora o primeiro secretário do Smithsonian, Joseph Henry, quisesse que a instituição fosse um centro de pesquisa científica, [21] também se tornou o depositário de várias coleções do governo de Washington e dos Estados Unidos. [22] A Expedição de Exploração dos Estados Unidos da Marinha dos EUA circunavegou o globo entre 1838 e 1842. [23] A viagem reuniu milhares de espécimes de animais, um herbário de 50.000 espécimes de plantas e diversos reservatórios e minerais, pássaros tropicais, potes de água do mar e artefatos etnográficos do sul do Oceano Pacífico. [23] Esses espécimes e artefatos tornaram-se parte das coleções do Smithsonian, [24] assim como aqueles coletados por várias pesquisas militares e civis do oeste americano, incluindo a Mexican Boundary Survey e Pacific Railroad Surveys, que reuniu muitos artefatos nativos americanos e naturais espécimes de história. [25]

Em 1846, os regentes desenvolveram um plano de observação do tempo em 1847, o dinheiro foi destinado para pesquisas meteorológicas. [26] A instituição se tornou um ímã para jovens cientistas de 1857 a 1866, que formaram um grupo chamado Megatério Clube. [27] O Smithsonian desempenhou um papel crítico como instituição parceira dos EUA nos primeiros intercâmbios científicos bilaterais com a Academia de Ciências de Cuba. [28]

Museus e edifícios Editar

A construção do Smithsonian Institution Building ("o castelo") começou em 1849. Projetado pelo arquiteto James Renwick Jr., seus interiores foram concluídos pelo empreiteiro geral Gilbert Cameron. O prédio foi inaugurado em 1855. [29]

A primeira expansão do Smithsonian veio com a construção do Arts and Industries Building em 1881. O Congresso havia prometido construir uma nova estrutura para o museu se a Exposição do Centenário da Filadélfia de 1876 gerasse receita suficiente. Sim, e o edifício foi projetado pelos arquitetos Adolf Cluss e Paul Schulze, com base nos planos originais desenvolvidos pelo Major General Montgomery C. Meigs, do Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos. Foi inaugurado em 1881. [30]

O National Zoological Park foi inaugurado em 1889 para acomodar o Departamento de Animais Vivos do Smithsonian. [31] O parque foi projetado pelo arquiteto paisagista Frederick Law Olmsted. [31]

O Museu Nacional de História Natural foi inaugurado em junho de 1911 para acomodar de forma semelhante o Museu Nacional do Smithsonian nos Estados Unidos, que anteriormente ficava no Castelo e, em seguida, no Edifício das Artes e Indústrias. [32] Esta estrutura foi projetada pelo escritório de arquitetura D.C. de Hornblower & amp Marshall. [33]

Quando o filantropo de Detroit Charles Lang Freer doou sua coleção particular para o Smithsonian e fundos para construir o museu que a abrigaria (que foi chamado de Galeria Freer), foi uma das primeiras grandes doações do Smithsonian de um indivíduo particular. [34] A galeria foi inaugurada em 1923. [35]

Mais de 40 anos se passariam antes que o próximo museu, o Museu de História e Tecnologia (rebatizado de Museu Nacional de História Americana em 1980), fosse inaugurado em 1964. Foi projetado pela firma mundialmente conhecida de McKim, Mead & amp White. [36] O Anacostia Community Museum, um museu de "fachada experimental" criado por iniciativa do secretário Smithsonian S. Dillon Ripley, inaugurado no bairro Anacostia de Washington, DC, em 1967. [37] [38] [39] No mesmo ano, o Smithsonian assinou um acordo para assumir o controle do Cooper Union Museum for the Arts of Decoration (agora Cooper Hewitt, Smithsonian Design Museum). [40] A National Portrait Gallery e o Smithsonian American Art Museum foram inaugurados no Old Patent Office Building (construído em 1867) em 7 de outubro de 1968. [41] A reutilização de um edifício mais antigo continuou com a abertura da Renwick Gallery em 1972 na galeria de arte projetada por Renwick em 1874 construída originalmente pelo filantropo local William Wilson Corcoran para abrigar a Galeria de Arte Corcoran. [42]

O primeiro novo prédio do museu a ser aberto desde o Museu Nacional de História Natural foi o Museu e Jardim de Esculturas Hirshhorn, inaugurado em 1974. [43] O Museu Nacional do Ar e do Espaço, o maior do Smithsonian em termos de área, inaugurado em junho de 1976 . [44]

Onze anos depois, o Museu Nacional de Arte Africana e a Galeria Arthur M. Sackler foram inaugurados em um novo museu subterrâneo conjunto entre a Galeria Freer e o Castelo Smithsonian. [45] [46] [47] A reutilização de outro prédio antigo veio em 1993 com a abertura do Museu Postal Nacional no antigo prédio dos Correios da cidade de 1904, a poucos quarteirões do shopping. [48]

Em 2004, o Smithsonian inaugurou o Museu Nacional do Índio Americano em um novo prédio próximo ao Capitólio dos Estados Unidos. [49] Doze anos depois quase no mesmo dia, em 2016, o último museu foi inaugurado: o Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana, em um novo prédio perto do Monumento a Washington. [50]

Mais dois museus foram estabelecidos e estão sendo planejados para eventual construção no shopping: o Museu Nacional do Latino Americano e o Museu Nacional de História da Mulher.

Editar campanhas de capital

Em 2011, o Smithsonian empreendeu sua primeira campanha de arrecadação de fundos de capital. [51] O esforço de $ 1,5 bilhão levantou $ 1 bilhão na marca de três anos. Os funcionários do Smithsonian tornaram a campanha pública em outubro de 2014 em um esforço para levantar os US $ 500 milhões restantes. Mais de 60.000 indivíduos e organizações doaram dinheiro para a campanha quando ela se tornou pública. [52] Isso incluiu 192 presentes de pelo menos US $ 1 milhão. [52] Membros dos conselhos de administração de vários museus Smithsonian doaram US $ 372 milhões. [52] O Smithsonian disse que os fundos arrecadados iriam para a conclusão do edifício do Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana e reformas do Museu Nacional do Ar e do Espaço, Museu Nacional de História Americana e Galeria Renwick. [52] Uma quantidade menor de fundos iria para iniciativas educacionais e digitalização de coleções. [52] Em setembro de 2017, o Smithsonian afirmou ter levantado $ 1,79 bilhão, com três meses restantes no calendário formal da campanha. [53]

Separadamente da campanha de capital principal, o Smithsonian começou a arrecadar fundos por meio do Kickstarter. [54] Um exemplo é uma campanha para financiar a preservação e manutenção dos chinelos de rubi usados ​​por Judy Garland por seu papel como Dorothy Gale no filme de 1939 O feiticeiro de Oz. [55]

Dezenove museus e galerias, bem como o National Zoological Park, compõem os museus Smithsonian. [56] Onze estão no National Mall, o parque que fica entre o Lincoln Memorial e o Capitólio dos Estados Unidos. Outros museus estão localizados em outras partes de Washington, D.C., com mais dois na cidade de Nova York e um em Chantilly, Virgínia.

O Smithsonian tem laços estreitos com 168 outros museus em 39 estados, Panamá e Porto Rico. [56] Esses museus são conhecidos como museus afiliados ao Smithsonian. Coleções de artefatos são dadas a esses museus na forma de empréstimos de longo prazo. O Smithsonian também tem um grande número de exposições itinerantes, operadas por meio do Smithsonian Institution Traveling Exhibition Service (SITES). [57] Em 2008, 58 dessas exposições itinerantes foram para 510 locais em todo o país. [56]

O Smithsonian Institution anunciou em janeiro de 2015 que está em negociações para construir seu primeiro espaço de exposição permanente no exterior dentro do Parque Olímpico Rainha Elizabeth de Londres. [58]

Editar coleções

As coleções do Smithsonian incluem 156 milhões de obras de arte, artefatos e espécimes. O Museu Nacional de História Natural abriga 145 milhões desses espécimes e artefatos, que são, em sua maioria, animais preservados em formaldeído. O Centro de Busca de Coleções possui 9,9 milhões de registros digitais disponíveis online. As Bibliotecas da Instituição Smithsonian possuem 2 milhões de volumes de biblioteca. Os Arquivos Smithsonian armazenam 156.830 pés cúbicos (4.441 m 3) de material de arquivo. [59] [60]

O Smithsonian Institution tem muitas categorias de exposições que podem ser visitadas nos museus. Em 1912, a primeira-dama Helen Herron Taft doou seu vestido de inauguração ao museu para começar a exibição do vestido da primeira-dama no Museu Nacional de História Americana, [61] uma das exposições mais populares do Smithsonian. [62] O museu exibe tesouros como o Star-Spangled Banner, o chapéu de chaminé usado pelo presidente Abraham Lincoln, os chinelos de rubi usados ​​por Judy Garland em O feiticeiro de Oz, e o urso de pelúcia original que recebeu o nome do presidente Theodore Roosevelt. [63] Em 2016, os curadores do museu Smithsonian Air & amp Space restauraram o modelo grande Empreendimento do original Jornada nas Estrelas Séries de TV. [64]

Acesso aberto Editar

Em fevereiro de 2020, o Smithsonian disponibilizou 2,8 milhões de itens digitais ao público sob a Creative Commons Zero Public Domain Dedication, com o compromisso de lançar mais itens no futuro. [65]

A seguir está uma lista de centros de pesquisa Smithsonian, com seus museus afiliados entre parênteses:

Também digno de nota é o Smithsonian Museum Support Center (MSC), localizado em Silver Hill, Maryland (Suitland), que é a principal instalação externa de conservação e coleções de vários museus Smithsonian, principalmente o Museu Nacional de História Natural. O MSC foi inaugurado em maio de 1983. [71] O MSC cobre 4,5 acres (1,8 ha) de terra, com mais de 500.000 pés quadrados (46.000 m 2) de espaço, tornando-o um dos maiores conjuntos de estruturas no Smithsonian. Possui mais de 19 km de gabinetes e mais de 31 milhões de objetos.

Edição do Smithsonian Latino Center

Em 1997, o Smithsonian Latino Center foi criado como uma forma de reconhecer os latinos em toda a Smithsonian Institution. O objetivo principal do centro é colocar contribuições latinas para as artes, história, ciência e cultura nacional nos museus e centros de pesquisa do Smithsonian. [72]

O centro é uma divisão da Smithsonian Institution. [73] Em maio de 2016, o centro é dirigido por um diretor executivo, Eduardo Díaz. [74]

Edição de História

No momento de sua criação, o Smithsonian Institution tinha outras entidades dedicadas a outros grupos minoritários: Museu Nacional do Índio Americano, Galeria Freer-Sackler para Artes e Culturas Asiáticas, Museu de Arte Africana e Museu Nacional do Patrimônio Africano-Americano e Cultura. [75]

A abertura do centro foi motivada, em parte, pela publicação de um relatório chamado "Negligência intencional: The Smithsonian and U.S. Latinos". [75]

De acordo com documentos obtidos por The Washington Post, quando a ex-diretora executiva do Centro Latino, Pilar O'Leary, assumiu o cargo pela primeira vez, o centro enfrentou funcionários que tinham "sérios problemas de desempenho". Não existiam planos de desempenho para o pessoal e existiam obrigações financeiras não cumpridas para com os patrocinadores. A qualidade do site era ruim e o centro não tinha um gerente de relações públicas, um diretor de programas, suporte de recursos humanos adequado ou declaração de missão coesa. [75]

Depois de tempos difíceis nos primeiros anos, o centro melhorou. De acordo com o Smithsonian, o centro "apoia pesquisas acadêmicas, exposições, programas públicos e educacionais, conteúdo baseado na web e plataformas virtuais, coleções e arquivos. [Ele] também gerencia programas de liderança e desenvolvimento profissional para latinos jovens, acadêmicos emergentes e profissionais de museus. " [72] Hoje, o site apresenta um museu virtual de alta tecnologia. [76]

Programa de Jovens Embaixadores Editar

O Programa de Jovens Embaixadores (YAP) do Smithsonian Latino Center é um programa do Latino Center que alcança estudantes latinos do ensino médio com o objetivo de incentivá-los a se tornarem líderes em artes, ciências e humanidades. [77]

Os alunos selecionados para o programa viajam para Washington, D.C. para um "seminário de enriquecimento" que dura aproximadamente cinco dias. Posteriormente, os alunos retornam às suas comunidades para realizar um estágio remunerado de um mês. [73]

Pilar O'Leary lançou o programa quando atuou como diretora executiva do Smithsonian Latino Center. [78] De acordo com o Centro Latino, O'Leary disse à imprensa em 2007: "Nosso objetivo é ajudar nossos Jovens Embaixadores a se tornarem a próxima geração de líderes nos campos das artes e cultura. Este programa incentiva os alunos a se orgulharem de suas raízes e aprender mais sobre sua herança cultural para inspirá-los a educar o público em suas próprias comunidades sobre como os latinos estão enriquecendo o tecido cultural da América. " [73]

A Instituição publica Smithsonian revista mensal e Ar e espaço revista bimestral. Smithsonian foi o resultado do Secretário do Smithsonian S. Dillon Ripley perguntando ao editor aposentado do Vida revista Edward K. Thompson para produzir uma revista "sobre coisas pelas quais a Smithsonian Institution está interessada, pode estar ou deveria estar interessada". [79] Outro secretário do Smithsonian, Walter Boyne, fundou Ar e espaço. [80] [81]

A organização publica sob as marcas Smithsonian Institution Press, [82] Smithsonian Books, [83] e Smithsonian Institution Scholarly Press. [84]

O Smithsonian concede vários prêmios para reconhecer e apoiar trabalhos meritórios.

  • A medalha James Smithson, o maior prêmio da Smithsonian Institution, foi criada em 1965 e é concedida em reconhecimento às contribuições excepcionais à arte, ciência, história, educação e tecnologia.
  • A medalha do bicentenário James Smithson, criada em 1965, é concedida a pessoas que fizeram contribuições importantes para o avanço das áreas de interesse do Smithsonian.
  • A Medalha Hodgkins, criada em 1893, é concedida por contribuições importantes para a compreensão do ambiente físico.
  • A Medalha Henry, criada em 1878, é concedida a indivíduos em reconhecimento por seus serviços, conquistas ou contribuições distintas para o prestígio e crescimento do Smithsonian Institution.
  • A Langley Gold Medal é concedida por investigações meritórias em conexão com a ciência da aerodromia e sua aplicação à aviação. [85]

O Smithsonian Institution foi estabelecido como uma instituição de confiança por ato do Congresso. [86] Mais de dois terços da força de trabalho do Smithsonian de cerca de 6.300 pessoas são funcionários do governo federal. O Smithsonian Office of Protection Services supervisiona a segurança nas instalações do Smithsonian e faz cumprir as leis e regulamentos dos Parques da Capital Nacional junto com a Polícia de Parques dos Estados Unidos.

O orçamento do presidente para 2011 propôs pouco menos de US $ 800 milhões em apoio ao Smithsonian, ligeiramente aumentado em relação aos anos anteriores. As exposições da instituição são gratuitas, embora em 2010 a Comissão de Déficit recomendasse taxas de admissão. [87] [88]

Conforme aprovado pelo Congresso em 10 de agosto de 1846, a legislação que criou a Smithsonian Institution exigia a criação de um Conselho de Regentes para governar e administrar a organização. [86] Este conselho de 17 membros se reúne pelo menos quatro vezes por ano e inclui como ex officio membros, o presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos e o vice-presidente dos Estados Unidos. O chefe nominal da instituição é o chanceler, cargo que tradicionalmente tem sido exercido pelo presidente do tribunal. Em setembro de 2007, o conselho criou o cargo de Presidente do Conselho de Regentes, cargo atualmente ocupado por Steve Case. [89]

Outros membros do Conselho de Regentes são três membros da Câmara dos Representantes dos EUA nomeados pelo presidente da Câmara, três membros do Senado, nomeados pelo presidente pro tempore do Senado e nove cidadãos membros, indicados pela diretoria e aprovados pelo Congresso em resolução conjunta assinada pelo presidente dos Estados Unidos. [90] Os regentes que são senadores ou representantes servem pela duração de seus mandatos eleitos, enquanto os regentes cidadãos servem um máximo de dois mandatos de seis anos. Os regentes são remunerados em regime de meio período.

O diretor executivo (CEO) do Smithsonian é o secretário, que é nomeado pelo Conselho de Regentes. O secretário também atua como secretário do Conselho de Regentes, mas não é um membro votante desse órgão. O secretário do Smithsonian tem o privilégio de usar da palavra no Senado dos Estados Unidos. Em 18 de setembro de 2013, o secretário G. Wayne Clough anunciou que se aposentaria em outubro de 2014. O Conselho de Regentes do Smithsonian disse que pediu ao regente John McCarter Jr. para liderar um comitê de busca. [91] Em 10 de março de 2014, o Conselho do Smithsonian selecionou David Skorton, médico e presidente da Cornell University, como o 13º secretário do Smithsonian. Skorton assumiu as rédeas da instituição em 1 de julho de 2015. [92] Após o anúncio da renúncia de Skorton em 2019, o Conselho selecionou Lonnie Bunch III, o diretor fundador do Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana do Smithsonian, como o 14º secretário. [93]

Secretários da Smithsonian Institution Edit

    , 1846–1878, 1878–1887, 1887–1906, 1907–1927, 1928–1944, 1944–1952, 1953–1964, 1964–1984, 1984–1994, 1994–1999, 2000–2007, 2008–2015 [92 ], 2015–2019, 2019 – presente

Enola Gay exibir Editar

Em 1995, a polêmica surgiu em torno da exposição no Museu Nacional do Ar e Espaço com a exibição do Enola Gay, a Superfortress usada pelos Estados Unidos para lançar a primeira bomba atômica usada na Segunda Guerra Mundial. A American Legion and Air Force Association acreditava que a exposição apresentava apenas um lado do debate sobre os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki, e que enfatizava o efeito nas vítimas sem discutir seu uso no contexto geral da guerra [ citação necessária ] O Smithsonian mudou a exposição [ citação necessária ], exibindo a aeronave apenas com dados técnicos associados e sem discussão de seu papel histórico na guerra.

Censura de "Estações da Vida e Terra" Editar

Em 2003, uma exposição do Museu Nacional de História Natural, Subhankar Banerjee's Estações de Vida e Terra, com fotos do Arctic National Wildlife Refuge, foi censurado e transferido para o porão por funcionários do Smithsonian porque temiam que o assunto fosse politicamente polêmico demais. [94]

Em novembro de 2007, The Washington Post críticas internas relatadas foram levantadas em relação ao manejo da exposição no Ártico pela instituição. De acordo com documentos e e-mails, a exposição e sua apresentação associada foram editadas em níveis elevados para adicionar "incerteza científica" em relação à natureza e ao impacto do aquecimento global no Ártico. O Secretário Interino do Smithsonian Cristián Samper foi entrevistado pelo Publicar, and claimed the exhibit was edited because it contained conclusions that went beyond what could be proven by contemporary climatology. [95] The Smithsonian is now a participant in the U.S. Global Change Research Program. [96]

Copyright restrictions Edit

The Smithsonian Institution provides access to its image collections for educational, scholarly, and nonprofit uses. Commercial uses are generally restricted unless permission is obtained. Smithsonian images fall into different copyright categories some are protected by copyright, many are subject to license agreements or other contractual conditions, and some fall into the public domain, such as those prepared by Smithsonian employees as part of their official duties. The Smithsonian's terms of use for its digital content, including images, are set forth on the Smithsonian Web site. [97] [98]

In April 2006, the institution entered into an agreement of "first refusal" rights for its vast silent and public domain film archives with Showtime Networks, mainly for use on the Smithsonian Channel, a network created from this deal. Critics contend this agreement effectively gives Showtime control over the film archives, as it requires filmmakers to obtain permission from the network to use extensive amounts of film footage from the Smithsonian archives. [99]


The International History of the Smithsonian

The Smithsonian’s Office of International Relations (OIR) has been the central point for Institution-wide advice, insight, analysis, and coordination of all of its international activities since 1988. However, the Smithsonian has been involved in international projects since its inception and a Smithsonian office coordinating international activities in one form or another has existed under multiple names for over a century. The founder of the Smithsonian, James Smithson, was British and is quoted as saying, “The man of science has no country the world is his country – all men his countrymen.” While an American institution, the Smithsonian has never limited itself to the United State geographical borders.

The mandate of the Smithsonian is to be an “establishment for the increase and diffusion of knowledge.” Working on all seven continents and in more than 140 countries, we are a truly global organization, uniquely positioned to collectively harness our worldwide networks, partnerships, and knowledge.

The Smithsonian’s Office of International Relations works to support the Institution’s mandate by linking the deep expertise of the Smithsonian’s body of researchers, curators, educators, and professionals with partners and colleagues around the planet. It is through our collections, deep research, and strategic partnerships that the Smithsonian can most effectively address our world’s increasingly complex challenges—and also stimulate truly meaningful, lasting impact across the globe.

Congress authorized acceptance of the Smithson bequest. The Smithsonian Institution was established with funds from James Smithson (1765–1829), a British scientist who left his estate to the United States to found “at Washington, under the name of the Smithsonian Institution, an establishment for the increase and diffusion of knowledge.”

United States Attorney General Jeremiah S. Black rules that the Smithsonian is the National Museum of the United States and that it can receive federal appropriations to care for the National Collections. These collections came from James Smithson’s bequest as well as from the U.S. Exploring Expedition (1838-1842) the first American circumnavigation of the world. The Expedition's collection added immeasurably to the Smithsonian's importance and prestige.

The International Exchange Program officially begins. The program was created to provide communication between scientific and literary societies through exchange of publications. Also, by publishing lists of correspondents, participating learned societies, and periodicals received, libraries were given valuable information to assist their collection building. In a pre-internet world this service was an information superhighway.

The Canal Zone Biological Area (CZBA) in Panama is given to the Smithsonian Institution administration by President Harry S. Truman. Originally the Barro Colorado Island Laboratory founded in 1923, this lab later becomes the Smithsonian Tropical Research Institute.

The Office of International Activities is established with the goal to expand upon the usual activities of expeditions and research projects and develop an exchange of persons and programs of exhibits to benefit others. The office grew out of a combination of the Foreign currency program, the Fulbright Act, and an executive order.

The Office of International Relations (OIR) is established after Smithsonian administrators dissolve the Directorate of International Activities. They are tasked with fostering global research and education as well as handling the foreign currency program, employee travel, passports, visas, permits, shipping and customs issues.

The Office of International Relations continues to grow and change alongside the Smithsonian. OIR remains the institution’s point of contact with foreign affairs agencies of the US, foreign embassies, and international organizations, and worked with the State Department to redesign their American Spaces Program, a network of more than 600 open-access cultural centers supported by the U.S. government. OIR continues to provide visa and passport services for Smithsonian staff members. Along with these responsibilities, OIR has supported the expansion of environmental conservation programs abroad through the Smithsonian Conservation Commons and supports cultural heritage preservation and international disaster recovery through the Smithsonian Cultural Rescue Initiative and projects like the My Armenia Program in partnership with the Smithsonian Center for Folklife and Cultural Heritage and USAID.

The Smithsonian Office of International Relations continues to leverage the creativity, assets, and expertise of the entire Smithsonian to promote meaningful change in the world and advance our mission: the increase and diffusion of knowledge.


James Smithson’s Last Will and its Remarkable Consequences

On June 27, 1829, English chemist and mineralogist James Smithson passed away, whose bequest of substantial funds in his will established the Smithsonian Institution , Washington, D.C., “for the increase and diffusion of knowledge”, despite having never visited the United States.

James Smithson – Early Years

James Smithson was the illegitimate son of Sir Hugh Smithson, later known as Sir Hugh Percy, Baronet, First Duke of Northumberland, K.G., and Elizabeth Hungerford Keate. Elizabeth Keate was the wealthy widow of the late James Macie and a cousin of the Duchess of Northumberland. His exact date of birth is unknown because he was secretly born in Paris, where his mother had gone to hide her pregnancy. That’s why Smithson was first named James Lewis Macie. His mother later married Mark Dickinson, with whom she had another son.

James Smithson was educated at Pembroke College, Oxford, UK. During the semester break he collected minerals and ores. At Oxford, he was given the impetus for scientific research and earned his Master’s degree from Pembroke College in 1786. On 26 April 1787, less than a year after graduating from university, he was appointed a Fellow of the Royal Society of London. Smithson traveled throughout Europe and participated in geological expeditions with Barthélemy Faujas de Saint-Fond , William Thornton and Paolo Andreani to Scotland and the Hebrides. During the French Revolution , Smithson was in France and became a prisoner of war while in Tönning during the subsequent Napoleonic Wars .

The Wonders of Nature

Smithson was interested in almost everything and studied on a large scale the phenomena of nature, such as snake poisons, the chemistry of volcanoes, the composition of tears and the fundamental nature of electricity. During his lifetime he published 27 articles, ranging from an improved method of brewing coffee to the analysis of the mineral calamine used in the manufacture of sheet metal. His work on zinc ores led to the zinc mineral Smithsonite being named after him. He worked with scientists Joseph Priestley ,[7] Sir Joseph Banks , Antoine Lavoisier , and Richard Kirwan . In 1802, Smithson published the paper “A Chemical Analysis of Some Calamines”, challenging the idea that the mineral calamine is an oxide of zinc, thus making calamine a ‘true mineral’.

James Smithson’s Last Will

On 27 June 1829, James Smithson died and in his will, he left his fortune to his nephew, Henry James Dickenson. In the will, written two years before Smithson’s death, the scientist stated that if his relative did not live, it would be donated to the United States to have an educational institution called the Smithsonian Institution founded, even though Smithson had never visited the United States before. Henry Hungerford died on 5 June 1835, unmarried and leaving behind no children, and the United States was the recipient. A lawsuit (in Great Britain) in which the will was contested was decided by a court in 1838 in favour of the USA.

The Founding of the Smithsonian Institution

After hearing of the donation in 1835, President Andrew Jackson then informed Congress and a committee was organized and the Smithsonian Institution was founded. The will included gold sovereigns in eleven boxes as well as Smithson’s personal items, scientific notes, minerals, and library. There were many differences of opinion as to how the legacy should be fulfilled, and it was not until 1846 that the Smithsonian Institution was founded. The establishment of the Smithsonian Institution was decided in a law of Congress and signed by President James K. Polk on 10 August 1840. Although Smithson’s papers and collection of minerals were destroyed in a fire in 1865, his collection of 213 books remains intact at the Smithsonian.


English scientist James Smithson establishes the Smithsonian Institution - HISTORY

I n 1829 English scientist James Smithson left his fortune to the people of the United States to found an institution for the "increase and diffusion of knowledge." Smithson's impetus in providing for a research and educational institution in a new country on another continent remains a mystery. His bequest sparked widespread debate over what such a national institution might be. Once established, the Smithsonian Institution became part of the process of developing the U.S. national identity.

T his exhibition highlights the life of James Smithson, the English scientist who bequeathed his fortune to the United States to establish an institution "for the increase and diffusion of knowledge." The exhibition tells of the retrieval of the bequest from Great Britain, and describes the controversy this bequest provoked in the United States, up until the 1846 founding of the Smithsonian Institution. It concludes by tracing the early years of the Institution as it grew and developed under the leadership of its first two Secretaries.

The Smithsonian Institution is now the world's largest museum complex, composed of a group of national museums and research centers housing the United States' national collections in natural history, American history, air and space, the fine arts and the decorative arts, and several other fields ranging from postal history to cultural history. The Institution includes 16 museums, four research centers, the National Zoo, the Smithsonian Institution Libraries (a research library system), the Smithsonian magazine, the Smithsonian Institution Press, a Traveling Exhibition Service, an Office of Education, and a number of other offices and activities.

To enter the exhibition, click START below.

See Lesson Plans prepared by the Smithsonian Office of Education where this icon appears:


Expansion and Greatness of the Smithsonian Institution

Sources in this Story

The first objects to enter the institution were scientific materials and books of art. A fire in 1865 destroyed part of the Norman Castle and ruined some of its earlier collections. James Smithson&rsquos remains were brought to the building in 1904 and have been on display ever since. During World War II, Secretary Charles Greeley Abbot moved the collections to a warehouse in Virginia for safekeeping.

Since its founding, the Smithsonian Institution has expanded to include 19 museums, nine research centers, and a national zoo. It has launched six magazine publications, which cover subjects such as air and space travel and contemporary art, and is recognized as the world&rsquos largest museum and research complex. The Smithsonian is largely found on the Mall in Washington, D.C., but includes an observatory in Hawaii and an Arctic studies building.


Smithsonian Legacy Society

The storied history of the Smithsonian Institution all began with 105 bags of British gold sovereigns bequeathed to the United States by James Smithson, an English scientist. Smithson&rsquos visionary gift has proven to be an extraordinary legacy, and is all the more remarkable because Smithson himself had never visited America.

An Englishman and scholar of chemistry at Oxford University, Smithson provided in his will for the establishment in America of an institution of learning for &ldquothe increase and diffusion of knowledge.&rdquo In 1846, an Act of Congress formally established the Smithsonian Institution and provided for the administration of the trust, independent of the government. As a preeminent national cultural institution, the Smithsonian has grown to become the world&rsquos largest museum and research complex. Today the Smithsonian remains a public-private partnership, operating as a tax-exempt organization, and funded by a mix of Federal appropriations and gifts from private donors worldwide.

Seeded by one man's vision and perpetuated by the generosity of many, the Smithsonian has become the custodian of our national treasures, the keeper of our collective memories, and the home to our heritage.

By making a gift and participating in the Smithsonian Legacy Society, you can spark discovery, tell America&rsquos story, and inspire lifelong learning.

Legacy Society members enjoy a trip to Smithsonian Tropical Research Center in Panama.

The Legacy Society is comprised of individuals, who, like James Smithson, share in a love of learning, a sense of wonder about the world, and a commitment to ensuring our cultural and scientific heritage is passed to future generations. By supporting the Smithsonian or any of its museums or research initiatives through your estate or life income gift, you are joining a special group of individuals who have recognized the timeless value of the Smithsonian's work and the enduring place it has in American culture. You are ensuring that its legacy will be preserved, cherished, and nurtured.

In today&rsquos world, gifts like Smithson&rsquos of gold sovereigns are indeed rare. But there are many ways to make a gift to the Smithsonian, including life income and estate gifts, which can ultimately be beneficial to the Institution and rewarding to the donor in a variety of ways.

Life Income Gifts allow donors to make a gift now and receive income for their lifetimes. These gifts include charitable gift annuities, charitable remainder trusts, and pooled income fund gifts. Life income gifts also provide significant tax benefits.

Estate Gifts provide support to the Smithsonian after the lifetime of the donor. They include bequests by will or living trust, future gifts of retirement plan assets, and life insurance proceeds.

To become a valued honoree of the Legacy Society and the entire Smithsonian family, you simply need to notify the Smithsonian that you have included the Smithsonian in your estate planning. In so doing, you will join those special friends who support the Smithsonian and value its unparalleled place in America's educational, scientific, and cultural history.

Sample Language for Your Will

I give [ ____ percent of the residue of my estate], or [the sum of ________ dollars] to the Smithsonian Institution in Washington, DC for its general purposes or for the benefit of [name of museum, research center, or program].

Entre em contato conosco

We would be happy to illustrate how your gift makes an impact at the Smithsonian. Simply contact our planned giving team at 888-419-7584 or reach us here.


Assista o vídeo: Explore Smithsonian: How Do Astronomers See the Invisible Parts of the Universe?


Comentários:

  1. Fabion

    Eu acho que você está errado. Eu proponho discutir isso. Envie -me um email para PM, vamos conversar.

  2. Tlilpotonqui

    Bravo, você foi visitado por um pensamento simplesmente magnífico

  3. Zarek

    efetivamente?



Escreve uma mensagem